Tradução - Divine Intervention - Slayer

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Tradução - Divine Intervention - Slayer

Traduzido por Alex Cutovoi

  | Comentários:
Imagem

KILLING FIELDS

(Kerry King/Tom Araya)

You know the feeling
When adrenaline takes control
Can't beat the rush
That leaves a suicidal hold

Instinct spares no one
Destroying the human heart
The taste of blood
Can rip your soul apart

Devils that drive us
Do not discriminate
A state of mind
That becomes the ultimate end

Action, reaction
Bloodline is not immune
To the depth of human nature
Inside of me and you

A sociopath with empty eyes
And no soul
Paranoid psychotic, heart of stone
My blood runs cold

Evils of passion
Can drive reason to extremes
Love, hate and murder
Temporary insanity

On the edge of a demented personality
Emotional
Pain is a deadly reality

A sociopath with empty eyes
And no soul
Paranoid, psychotic, heart of stone
My blood runs cold

A choice is made of free will
Just like the choice to kill
Decisions to lose control
My self-destructive rationale

A choice is made, made of free will
Just like the choice, the choice to kill
In the speed of a moment
Life stands still
Now you're standing in my killing field

A choice is made of free will
Just like the choice to kill
In the speed of a moment
Life stands still
Now you're standing in my killing field

CAMPOS DE MATANÇA

(Kerry King/Tom Araya)

Você conhece o sentimento
Quando a adrenalina toma o controle
Não pode superar a rapidez
Que libera uma influência suicida

O instinto não poupa ninguém
Destruindo o coração humano
O gosto do sangue
Pode cortar sua alma em partes

Os demônios que nos guiam
Não fazem discriminação
Um estado de espírito
Que se torna o ultimato final

Ação, reação
A linha do sangue não está imune
Às profundezas da natureza humana
Dentro de mim e de você

Um sociopata com olhos vazios
E sem alma
Paranóico, psicótico coração de pedra
Meu sangue corre gelado

O mal de paixão
Pode guiar a razão aos extremos
Amor, ódio e assassinato
Insanidade temporária

No limite de uma personalidade demente
Emocional
A dor é uma realidade mortal

Um sociopata com olhos vazios
E sem alma
Paranóico, psicótico coração de pedra
Meu sangue corre gelado

Uma escolha é feita de vontade própria
Só gosto da escolha de matar
Decisões para perder o controle
Minha racionalidade autodestrutiva

Uma escolha é feita, feita de vontade própria
Como a escolha, a escolha de matar
Na velocidade de um momento
A vida ainda permanece
Agora você está esperando no meu campo de matança

Uma escolha é feita de vontade própria
Como a escolha de matar
Na velocidade de um momento
A vida ainda permanece
Agora você está esperando no meu campo de matança

SEX. MURDER. ART

(Kerry King/Tom Araya)

Caught
Now you're mine
I am the master of your whipping time
The smile
On my lips
The look of horror on your face
Self
Justification
Can't rid the sexual fascination
Can
You deny
My face of pleasure, the gleam in my eye

CHORUS
You're nothing
An object of animation
A subjective mannequin
Beaten into submission
Raping again and again

Shackled
My princess
Dangling in distress
Here
To discipline
My sole purpose never ends
Bleeding
On your knees
My satisfaction is what I need
The urge
To take my fist
And violate every orifice

CHORUS

Slaves to my torments
Scream to your heart's content
Time and time again
Pleasure in inflicting pain
Power so intense
Trying to circumvent
Unadulterated battery
Manipulated reality
God is dead, I am alive

SEXO, ASSASSINATO, ARTE

(Kerry King/Tom Araya)

Peguei
Agora você é minha
Sou o mestre da hora do seu açoitamento
O sorriso
Em meus lábios
O olhar de horror em sua face
A Auto
Justificativa
Não pode se livrar da fascinação sexual
Pode
Você negar
Minha face de prazer, o brilho no meu olho

REFRÃO:
Você não é nada
Um objeto de animação
Um manequim subjetivo
Gasto dentro da submissão
Estuprando de novo e de novo

Algemada
Minha princesa
Balançando em sofrimento
Aqui
Para disciplinar
Meu único propósito nunca acaba
Sangrando
Em seus joelhos
Minha satisfação é o que preciso
O motivo
Para introduzir meu punho
E violar cada orifício

REFRÃO

Escravos para meus tormentos
Grito para a essência do seu coração
No ritmo e no ritmo de novo
Prazer na dor imposta
Força tão intensa
Tentando se esquivar
Da agressão pura
Realidade manipulada
Deus está morto, eu estou vivo

FICTIONAL REALITY

(Kerry King)

Crisis feeds the lunacy
All fear the new machine
Consumed democracy
Returns a socialist regime

It's laid to rest without contest
All hail the new incompetence
Making you see what to believe
A drone in the world of anarchy

CHORUS
Treachery, misery, violence, insanity
Scavengers closing in
Covering the truth again
Castrate society
Fictional reality

Insecurity, afraid of things you cannot see
Words become the image of the enemy

You can't dissect what was correct
Vengeance based on how things are said
Can't see your side conflicts with mine
Frustrations lead to complete demise

Treachery, misery, violence, insanity
Scavengers closing in
Covering the truth again
Every trial, conspiracy
Compassion is the enemy
Paralyze, criticize
Breaking through the wall of lies

Suicidal hierarchy racing in reverse
Everything that's done today
Will be tomorrow's curse

Screams in my head precede your death
Can't hold the rage when the the truth is shed
Blind lead the line, line after line
In a world too shallow to defy

CHORUS

REALIDADE FICTÍCIA

(Kerry King)

Crise que alimenta a loucura
Todo o medo, a nova máquina
Democracia consumida
Volta a um regime socialista

É profano descansar sem um contesto
Todos abençoem a nova incompetência
Fazendo você ver o que acreditar
Um zumbido no mundo da anarquia

REFRÃO:
Traição, miséria, violência, insanidade
Os limpadores se aproximam
Cobrindo a verdade de novo
Castre a sociedade
Realidade fictícia

Insegurança, medo das coisas que você não pode ver
As palavras tornam-se a imagem do inimigo

Você não pode dissecar o que está correto
Vingança baseada em como as coisas foram ditas
Você não pode ver seu lado conflitando com o meu
As frustrações levam para o legado completo

Traição, miséria, violência, insanidade
Os limpadores se aproximam
Cobrindo a verdade de novo
Cada conspiração experimenta
Compaixão é o inimigo
Paralisar, criticar
Rompendo com as paredes da mentira

Hierarquia suicida dirigindo ao contrário
Cada coisa feita hoje
Será a maldição de amanhã

Gritos na minha cabeça precedem sua morte
Não posso segurar a raiva quando a verdade é derramada
O cego guia a fila, fila após fila
Num mundo tão superficial para desafiar

REFRÃO

DITTOHEAD

(Kerry King)

This fucking country's lost its grip
Sub-conscious hold begins to slip
The scales of justice tend to tip

The legal system has no spine
It's corroding from inside
Slap your hand, you'll do no time

Reality on vacation
All across a blinded nation
Mentally under sedation

Anyone can be set free
On a technicality
Explain the law again to me

Here in 1994
Things are different than before
Violence is what we adore

Invitation to the game
Guns and blades and media fame
Every day more of the same

Murder, mayhem, anarchy
Now are all done legally
Mastermind your killing spree

Unafraid of punishment
With a passive government
There's nothing for you to regret

Nothing to regret

Unimposing policy
No enforcing ministry
Gaping with judicial flaws
Watch a fading nation crawl

Clashing with the public's frame
I'm the one that's placed in fame
Legislature sets the stage
Social slaves caught in my rage

Administrative anarchy, there's nothing
You can do to me
The world around you drifting to a
Continental tomb you see
Violence is my passion
I will never be contained
Living with aggression and its
Everlasting reign

CABEÇA DITADA

(Kerry King)

Essa porra de país perdeu seu domínio
O subconsciente seguro começa a escorregar
As escalas da justiça tendem a derramar

O sistema legal não tem espinha dorsal
Está corroído por dentro
Bate no seu rosto, você não terá tempo

A realidade de férias
Tudo além de uma nação cega
A Mentalidade sobre efeito de sedativos

Qualquer um pode se libertar
Num detalhe técnico
Explica a lei de novo pra mim

Aqui, em 1994
As coisas estão diferentes das de antes
A violência é o que adoramos

Um convite para o jogo
Armas e lâminas e fama da mídia
Cada dia mais do mesmo

Assassinato, lesão, anarquia
Agora, todos foram legalizados
Organizador, você mata na farra

Sem medo da punição
Com um governo passivo
Não há nada para você lamentar

Nada para se arrepender

Polícia que não se impõe
Ministério sem forças
Bocejando com as falhas judiciais
Vendo uma nação pálida rastejar

Confrontando com o sistema público
Sou aquele que foi colocado na fama
A legislação define o estágio
Escravos sociais pegos pela minha raiva

A anarquia administrativa não é nada
Você pode fazer pra mim
O mundo ao redor tender a uma
Tumba continental, você vê
A violência é minha paixão
Nunca serei contido
Vivendo com agressão e seu
Reino interminável

DIVINE INTERVENTION

(Hanneman/ King/ Araya/Paul Bostaph)

Awaken
In a web like hell
How did I reach this place?
Why are they haunting me?
I cannot look at God's face

Paralyzing
Brilliant light
Trying to run
Want to scream but cannot speak
I cannot look at God's face

Blind my eyes, I can't see
What is being done to me?
In my mind, only pain
All the memories are drained

Victimized
Specimen
Deathless torture
Void with no mercy
Black shroud blinds those who see

Violated
Naked before you I stand
Shattered shrine of flesh and bone
God's piercing through my soul

Segments of my life
Morbid pieces of reality
Twisted personality
Many faces yet faceless
Familiiar things give way to strange
No mercy, no reason, just pain

Fatal
Sub-conscious control
Threshold of pain unfolds
Transfixed martyr, saving race
Who am I to judge thy grace

Awaken
In a web like hell
Why are they haunting me?
I cannot look at God's face

Blind me eyes, I can't see
What is being done to me?
In my mind, only pain
All the memories are drained

INTERVENÇÃO DIVINA

(Hanneman/ King/ Araya/Paul Bostaph)

Despertei
Numa teia como o inferno
Como alcancei este lugar?
Por que estão me assombrando?
Não posso olhar pra face de Deus

Paralisando
Luz brilhante
Tentando correr
Quero gritar mas não posso falar
Não posso olhar pra face de Deus

Cegue meus olhos, não posso ver
O que foi feito comigo?
Na minha cabeça, somente dor
Todas as minhas memórias foram drenadas

Castigados
Espécime
Tortura sem morte
Vazio sem piedade
Mortalha negra amarra aqueles que vêem

Violado
Fico pelado diante de você
Santuário rompido de carne e ossos
Deus está perfurando minha alma

Segmentos da minha vida
Peças mórbidas da realidade
Personalidade deformada
Diversos rostos ainda sem face
Coisas familiares abrem caminho para o estranho
Sem piedade, sem razão, apenas dor

Fatal
Controle subconsciente
Limiar da dor se abre
Mártir cravado que salva a raça
Quem sou eu pra julgar vossa graça

Despertei
Numa teia como o inferno
Por que estão me assombrando?
Não posso olhar pra face de Deus

Cegue meus olhos, não posso ver
O que foi feito comigo?
Na minha cabeça, apenas dor
Todas as minhas memórias foram drenadas

A faixa-título foi inspirada em um filme chamado “Fire In The Sky”, que relata abduções (raptos) de seres humanos feitos por extraterrestres.

CIRCLE OF BELIEFS

(Kerry King)

Can't explain the other side
Answers lost before their eyes
Violence surges from inside
A state of mind that never dies
Born into a chosen way
Life that doesn't fit today
To die a painful death it seems
Is better than your misery
Contemplating, rearranging
Chaning all your ways of thinking

Everyday your life seems like
It's pushed into a hole
Acting out another's needs
To rule a soul eternally
Adjusting to another set
Of values takes its toll
Growing in a lunacy
That plays on your stupidity

Circle of beliefs
Secrets never keep
Living in a lie
Right before your eyes
Born without a brain
Helpless in your name
All you do is pray
Living in your pain

Mentality so small you can't
Accept another side
Your point of view a memory
Because it doesn't mean a thing
The resurrection's waiting for
A world without a sin
The temples of all will crumble
While awaiting for it to begin

Circle of beliefs
Secrets never keep
Living in a lie
Right before your eyes
Losing is your way
Mental disarray
I can see your strain
You don't want to be saved

Can't you see no validity
Must control silencing the souls
Slow decay spreading through your brain
Devastate, the deviant will dominate

Can't you see there's no validity
Your way is not the only way
Slow decay is spreading through your brain
Don't you see the power of the enemy?
Tyranny, total supremacy
Control the silencing of souls
Slavery within the entity
Devastate, dominate

Can't explain the reason why
Someone would rather live than die
If dying was the only way
To end a life of mental stains
All your life he's been the cause
A man impaled onto a cross
Pure religious holocaust
If religion dies it's not my loss

Perception always biased
Feeding off a fallacy
Your systematic way of life
Decided for you every night
Intentional conflicting words
Avoid solidity
Blinded by the holy light
That constantly consumes your mind

Circle of beliefs
Secrets never keep
Living in a lie
Right before your eyes
Burning in my wake
Souls are free to take
You're following a fake
Every one awake

CÍRCULO DE CRENÇAS

(Kerry King)

Não podem explicar o outro lado
As respostas perdidas perante seus olhos
A violência surge de dentro
Um estado mental que nunca morre
Nasce dentro de um caminho escolhido
Vida que não se condiz hoje
Para morrer, isto parece uma morte dolorosa
É melhor que sua miséria
Contemplando, reorganizando
Mudando todos seus meios de pensamento

Todo dia sua vida parece como
Se estivesse sendo empurrada pra dentro de um buraco
Representa outra necessidade
Para reger uma alma eternamente
Ajustando para outra série
De valores pegos pelo seu preço
Crescendo numa loucura
Que brinca com sua estupidez

O círculo de crenças
Nunca mantém segredos
Vivendo numa mentira
Que é correta nos seus olhos
Nasce sem cérebro
Indefeso é o seu nome
Tudo que você faz é rezar
Viver é a sua dor

Mentalmente tão pequeno você não pode
Aceitar o outro lado
Seu ponto de vista, uma memória
Porque ele não significa nada
A ressurreição espera por
Um mundo sem pecado
Os templos, todos vão esfarelar
Enquanto esperam por ele começar

O círculo de crenças
Nunca mantém segredos
Vivendo numa mentira
Que é correta nos seus olhos
Perder é seu caminho
Desordem mental
Posso ver sua tensão
Você não quer ser salvo

Não consegue ver sem validade?
Deve controlar o silêncio das almas
Mostre a decadência espalhando-se sobre seu cérebro
Devastar, a devoção dominará

Você não pode ver que não há nenhuma validade
Seu caminho não é o único caminho
Devagar, a decadência está se espalhando sobre seu cérebro
Não vê a força do inimigo?
Supremacia total da tirania
Controla o silêncio das almas
Escravidão dentro da entidade
Devastar, dominar

Não pode explicar o porquê da razão
Alguém preferiria viver do que morrer
Se morrer fosse o único caminho?
O final superior, uma vida de pecados mentais
Por toda sua vida ele foi a causa
Um homem imobilizado sobre uma cruz
Puro holocausto religioso
Se a religião morre, isso não é minha perda

A percepção sempre induzida
Alimentando uma fraude
Seu caminho sistemático de vida
Decidida por você cada noite
Conflito internacional de palavras
Evitam a consistência
Cegos pela luz sagrada
Que constantemente consome sua mente

O círculo de crenças
Nunca mantém segredos
Vivendo numa mentira
Que é correta nos seus olhos
Queimando na minha trilha
As almas são livres para receber
Seus seguidores, uma farsa
Todos despertam

SS-3

(Jeff Hanneman/Kerry King)

Ancient crown placed on your head
The hangmen of Prague
Seven keys to the chamber
Surrender to the God

CHORUS
Hunting
Fighting
Killing whore
Wade through blood
And spill some more

Golden door submits secrets
As this nation falls
Atmosphere of deadly terror
Subservient to all

Chorus

Burning sense of mission
Assassination
Symbol of oppression
Crusade led from exile
Obliteration
Sabotaged campaign

Check resistance from afar
Planning the death of one
When the plot is executed
There will be nowhere to run
Ramifications will be high
A price paid in torment
The end justifies the means
To hell you will be sent

The wolf leader now is the stalked
Expansion, state of horror
Guns echo over the grave
A thousand fates are sealed
Murderous power brought to an end
Only to rise again
Cold and ruthless and iron will
Protectorate of the dead

A thorough sweep
Prelude to death
Secrets kept
But no one left
Firing squad
Begins their work
Harsh reprisal
For what you took
Retribution, selective terror
The stench of death is everywhere
A severed head
A floating mass
Will give me answers to what I ask

SS-3

(Jeff Hanneman/Kerry King)

Coroa antiga colocada em sua cabeça
Os carrascos de Praga
Sete chaves para a câmara
Entregue para Deus

REFRÃO:
Caçando
Lutando
Matando a prostituta
Atravesse sobre o sangue
E derrame um pouco mais

A porta dourada apresenta segredos
Enquanto esta nação cai
Atmosfera de terror mortal
Subserviente para todos

Refrão

Queimando o senso da missão
Assassinatos
Símbolo de opressão
Cruzada conduzida do exílio
Obliteração
Campanha sabotada

Cheque a resistência de longe
Planejando a morte daquele
Quando o plano é executado
Lá não haverá lugar algum para correr
As ramificações serão grandes
Um preço pago em tormento
O fim justifica os meios
Para o inferno, você será enviado

O líder lobo é o caçado agora
Expansão, estado de horror
O eco das armas sobre o túmulo
O destino de centenas foi selado
Força homicida trouxe pra um final
Somente para levantar de novo
Frio e cruel e vontade de ferro
Protetora dos mortos

Uma completa varredura
Prelúdio para a morte
Segredos mantidos
Mas não restou ninguém
Pelotão de fuzilamento
Torna seu trabalho
Represália agressiva
Por aquilo que você fez
Retribuição seletiva de terror
O fedor da morte está por toda parte
Uma cabeça cortada
Uma massa flutuante
Me dará respostas para o que eu pergunto

A letra tem uma temática nazista, falando sobre Reinhard Heydrich, antigo membro da SS. Na época ocorreu uma polêmica onde Max Cavalera, do Sepultura, atacou a banda acusando-os de incitar neo-nazistas em seus shows, além de se valer de símbolos do 3º Reich para se promover, o que seria de uma irresponsabilidade gritante perante seu público, formado principalmente por jovens que poderiam vir a ser influenciados por ideologias radicais de extrema direita (nazismo e fascismo).

SERENITY IN MURDER

(Jeff Hanneman/Kerring King/Tom Araya)

Let me take you down without a sound
Dead before you hit the ground
Blood washes my hand, can't understand
Sterilizing my pain

Washed away with crimson tide
By the hand I keep testing time
Quench the fire that drives my soul
Soothing me as death takes toll

Peaceful and serene, slowly bleeding
Eyes once bright are now fading
Pallid ashen face against my skin
Staring blindly at some distant place

Washed away by crimson tide
By my hand I keep testing time
Straight flesh face adorns your neck
Spilling your blood all over my flesh

Quench the fire that drives my soul
Soothing me as death takes toll
Divine godsend enveloping me
Spiritual ecstasy sets me free

SERENIDADE NO ASSASSINATO

(Jeff Hanneman/Kerring King/Tom Araya)

Deixe-me trazê-lo para baixo sem nenhum som
Morto antes de você cair no chão
O sangue lava minha mão, não posso entender
Esterilizando minha dor

Lavado com a maré vermelha
Pela minha mão, cumpro a hora da verificação
Apago a chama que guia minha alma
Me tranqüiliza à medida que a morte impõe seu preço

Pacífico e sereno vagarosamente sangrando
Os olhos que brilhavam agora estão desbotando
Um rosto pálido, cinzento contra minha pele
Fitando cegamente a um lugar distante

Lavado com a maré vermelha
Pela minha mão, cumpro a hora da verificação
A carne do rosto á mostra, adorna seu pescoço
Derramando seu sangue sobre toda a minha carne

Apago a chama que guia minha alma
Me tranqüiliza à medida que a morte impõe seu preço
A dádiva divina me envolve
O êxtase espiritual me dá liberdade

213

(Jeff Hanneman/Tom Araya)

Driving compulsion morbid thoughts
Come to mind
Sexual release buried deep inside
Complete control of a prized possession
To touch and fondle with no objection
Lonely souls, an emptiness fulfilled
Physical pleasures and addictive thrill
An object of perverted reality
An obsession beyond your wildest dreams

CHORUS
Death loves final embrace
Your cool tenderness
Memories keep love alive
Memories will never die

The excitement of dissection is sweet
My skin crawls with orgasmic speed
A lifeless object for my subjection
An obsession beyond your imagination
Primitive instinct, a passion for flesh
Primal feeding on the multitudes of death
Sadistic acts, a love so true
Absorbingly masticating a part of you

CHORUS

I need a friend
Please be my companion
I don't want to be
Left alone with my sanity

Erotic sensations tingle my spine
A dead body lying next to mine
Smooth blue-black lips
I start salivating as we kiss
Mine forever, this sweet death
I cannot forget your soft breaths
Panting excitedly
With my hands around your neck

Shades are drawn
No one out can see
What I've done
What's become of me
Here I stand
Above all that's been true
How I love
How I love to kill you

213

(Jeff Hanneman/Tom Araya)

Um pensamento de compulsão mórbida
Vem à mente
Liberação sexual enterrada dentro de si
Controle completo de uma possessão premiada
Para tocar e acariciar sem objeção
Almas solitárias, um vazio representado
Prazeres físicos, um tremor aditivo
Um objeto da realidade pervertida
Uma obsessão além de seus sonhos selvagens

REFRÃO
A morte ama o abraço final
Sua bela ternura
As memórias mantém o amor vivo
As memórias nunca morrem

A excitação da dissecação é doce
Minha pele se espalha com velocidade orgásmica
Um objeto sem vida para minha repressão
Uma obsessão além da sua imaginação
Instinto primitivo, uma paixão por carne
Alimento primordial nas multidões da morte
Atos sádicos, um amor tão verdadeiro
Impressionantemente mascando uma parte sua

REFRÃO

Preciso de um amigo
Por favor, seja minha companhia
Não quero estar
Abandonado sozinho com minha sanidade

Sensações eróticas formigam na minha espinha
Um corpo morto deitado próximo a mim
Lábios macios azuis escuros
Começo a salivar à medida que nos beijamos
Minha para sempre, essa doce morte
Não consigo esquecer dos seus suspiros
Ofegando de forma excitada
Com minhas mãos em volta do seu pescoço

Trevas são desenhadas
Ninguém lá fora pode ver
O que eu fiz
O que se torna de mim
Fico aqui
Acima de tudo aquilo que era verdade
Como eu adoro
Como eu adoro matar você

“213” trata-se do número do apartamento onde morava Jeffrey Dahmer, que residia em Milwaukee. Um rapaz comum que trabalhava numa fábrica de chocolates, praticante de esportes, aparentemente incapaz de fazer mal a alguém. Porém a policia local acabou descobrindo mais tarde que Dahmmer era um sujeito macabro. Dentre outras coisas, descobriram em sua geladeira três crânios humanos envoltos em celofane no congelador, e em outros lugares no apartamento, foram encontrados em frascos de formol restos de cadáveres retalhados, uma serra elétrica e uma gaveta com fotos dos corpos enquanto iam sendo dissecados. Os policiais prenderam Dahmer e chamaram outros especialistas que, munidos de garrafas de oxigênio, passaram um pente fino no apartamento, onde foram encontrados no total catorze restos de cadáveres.

MIND CONTROL

(Jeff Hanneman/Kerry King/Tom Araya)

Unknown are the caverns of the mind
New realms of affliction lurk inside
Unbound massive mental energy
Your last breaths taken from you easily

Incoherence disrupts your rationale
Involuntary, your last confessional
No sense of being
Missing segments of time
Inconsistency is feeding on your mind

Mind control, pain unfolds
I own all your sensations
Weakening, reasoning
Mesmeric full demolition
Hypnotized-victimized
Behold the threshold of the web
Screaming souls fear echoes
Piercing boundaries of death

Penetration of the window to your soul
Deterioration of the mind, no self-control
Temporary, comprehend no memories
Hollow carcass of a man is all I leave

Execution but a thought in the end
Slowly erasing your life and what has been
Passing victims in the land of secrecy
Cerebral death can come to you in your dreams

CONTROLE DA MENTE

(Jeff Hanneman/Kerry King/Tom Araya)

Desconhecidas são as cavernas da mente
Novos reinos de aflição escondidos no interior
Energia mental massiva à solta
Seu último suspiro é tomado de você facilmente

A incoerência rompe sua racionalidade
É involuntária sua última confissão
Sem senso de existência
Perdendo os segmentos do tempo
A inconsistência está alimentando-se da sua mente

Controle da mente, a dor se revela
Eu mesmo, todas as suas sensações
Enfraquecimento, raciocínio
Demolição total fascinante
Hipnotizado - vitimado
Contemplar o limiar da teia
Almas que gritam, o medo ecoa
Penetrando os limites da morte

Penetração da janela para sua alma
Deterioração da mente, sem autocontrole
Temporária compreensão sem memórias
Carcaça oca de um homem, é tudo que eu deixo

Execução, mas um pensamento no final
Vagarosamente apagando sua vida e o que ela foi
Vítimas passageiras na terra da discrição
A morte cerebral pode vir até você nos seus sonhos








Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.

Esta é uma matéria antiga do Whiplash.Net. Por que destacamos matérias antigas?


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Traduções
Todas as matérias sobre "Slayer"

Parcerias Brilhantes: duplas que marcaram história
Dave Lombardo: o Philm tem uma expressão musical diferenciada
Guitar World: 11 Álbuns Essenciais do Thrash Metal
Gary Holt: resistência matadora por tocar em duas bandas
E Se...: Sua banda favorita mudasse de gênero musical?
Slayer e Exodus: Gary Holt fala como é tocar em duas bandas
Dave Lombardo: Jeff não gostaria de ver o Slayer dessa forma
Lombardo: ele acha que nunca mais tocará novamente com o Slayer
Guitar World: 10 Álbuns clássicos essenciais do Metal
Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman
Pylon: recrutando Tim Gaines, do Stryper, para cover do Slayer
Slayer: Lombardo mente quanto a seu salário, afirma biógrafo
Dave Lombardo: menos de mil dólares por show com o Slayer
Dave Lombardo: eles não eram amigos, apenas parceiros de negócios
Slayer: as fotos mais legais do Instagram da mulher de Kerry King

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Alex Cutovoi

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados.

Caso seja o autor, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas