Extreme: comemoração de Pornograffitti com duas horas de show

Resenha - Extreme (São Paulo, HSBC Brasil, 13/06/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Uma das grandes estrelas da década de 80 do bom e velho hard rock retornou ao Brasil para uma série de shows comemorativos. Nos 25 anos do álbum “Pornograffitti”, o EXTREME resolveu presentear os fãs brasileiros com o álbum na íntegra em shows que passaram por São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Curitiba. Com um monte de sucessos e diversas músicas que pouco foram tocadas ao vivo, o grupo desembarcou no HSBC Brasil para uma apresentação de gala. Confiram abaixo os principais detalhes do show, com os cliques marcantes de Fernando Yokota.

Fotos: Fernando Yokota

Foi de grande espanto ver que a casa, 30 minutos antes do início dos shows, estava bastante vazia. Pouquíssima gente chegou mais cedo ao HSBC Brasil nesta noite, e chegou a parecer por um momento que o show seria espantosamente vazio. Foi tranquila a entrada do público, já que a fila era bastante pequena, e também o acomodamento daqueles que aguardavam para entrar antes do show de abertura. Para quem chegou cedo, foi fácil conseguir os melhores lugares nas pistas para acompanhar os shows.

RICHIE KOTZEN

O show estava marcado para as 20h30m, e realmente como um relógio suíço o guitarrista estadunidense subiu ao palco no horário para a sua apresentação, recebendo aplausos dos fãs que se encostavam nas grades para curtir a apresentação solo do vocalista. O guitarrista e vocalista trouxe um setlist bastante curto, com poucas músicas, e todas de sua carreira solo. Claramente não haviam muitos fãs da carreira solo de Kotzen, mas eles fizeram bastante barulho e empolgaram o resto do povo que aguardava o Extreme.

A qualidade do som do palco estava realmente muito boa, e as guitarras de Kotzen e sua voz marcante foram muito bem ouvidas em todo o HSBC. Ele abriu o show com “War Paint”, ótima música, e seguiu com a também excelente “Love is Blind”, que encantou os fãs que chegaram mais cedo. O show foi fechado com “Go Faster”, que fez o público já bem mais numeroso do que no início do show cantar junto com o vocalista. A performance de Kotzen foi muito boa, uma pena que foi por apenas uma hora e poucas músicas foram tocadas, em especial em comparação ao show de Curitiba, que foi realizado no dia anterior.

EXTREME

Com 10 minutos de atraso, a banda Extreme subiu ao palco do HSBC Brasil para aumentar o ânimo. O público compareceu em massa para o show principal, tendo mesmo escapado da banda de abertura como ocorreu em outros shows já realizados na casa. Nada que impactasse o ânimo dos fãs, já que quando a luz abaixou e o som da casa desapareceu, os fãs gritaram com vontade para a entrada de Cherone e cia. O show foi aberto com “Decadence Dance”, que foi cantada a plenos pulmões pelos presentes.

A banda não só comemorou o lançamento do “Pornograffitti”, lançado em 1990, como tocou o disco em sua ordem original. O áudio do palco esteve ótimo durante todo o espetáculo, como na apresentação de Kotzen. As guitarras soaram perfeitas, e os solos de Nuno Bettencourt trouxeram a emoção que se ouve nos discos originais da banda.

Dos grandes momentos da comemoração foi sem dúvidas “More than Words”, o grande clássico que catapultou a banda a sua fama. O público cantou junto e inclusive tomou os vocais de Cherone no início da música, espantando bastante ele e Nuno, que tocavam a canção, que emocionou os presentes. Outro grande sucesso tocado, It(’s a Monster) teve no seu ponto forte os excelentes backing vocals de Badger, que estava bastante afiado na noite.

A banda interagiu bastante com os fãs, especialmente Nuno e Cherone, que conversaram algumas boas vezes com o público. A banda agradeceu bastante aos fãs que vieram ao show para comemorar 25 anos do “Pornograffitti”, especialmente dado o tempo que o Extreme demorou para retornar ao solo brasileiro.

Fecharam a primeira parte do show com a também famosa “Hole Hearted”, que levantou o público. Ela foi encaixada com um pequeno trecho de “Crazy Little Thing Called Love”, cover do Queen, que fez o público cantar junto, hora e meia depois de terem entrado no palco.
A plateia gritou com vontade o nome da banda e aguardaram pacientemente. O Extreme voltou 3 minutos depois, já encaixando um novo set de sucessos. Começaram com “Play with Me”, onde ocorreu o segundo erro técnico da noite. O primeiro havia sido causado com os teclados de Nuno na música “When I First Kissed You”, e neste momento foram as guitarras de Nuno que tiveram problemas técnicos, mas nada que pudesse prejudicar o andamento do show, já que ambos foram resolvidos rapidamente.

A sequência foi excelente, com especial destaque para “Take us Alive” e seu estilo puxado para o country e a também excelente “Kid Ego”. A banda fechou um show extremamente competente e muito bem tocado com “Cupid’s Dead”, condecorando o público com excelentes duas horas de show. Um presente e tanto para as comemorações do grande clássico da banda.

Extreme é:
Gary Cherone – Vocal
Nuno Bettencourt – Guitarra, teclado e violão
Patrick Pat Badger – Baixo
Kevin Figueiredo – Bateria

Setlist:
1. Decadence Dance
2. Lil’ Jack Horny
3. When I’m President
4. Get the Funk Out
5. More Than Words
6. Money (In God We Trust)
7. It(’s a Monster)
8. Pornograffitti
9. When I First Kissed You
10. Suzi (Wants Her All Day What?)
11. He-Man Woman Hater
12. Song for Love
13. Hole Hearted
14. Crazy Little Thing Called Love (cover do Queen)

Bis:
15. Play with Me
16. Rest in Peace
17. Kid Ego
18. Take Us Alive (com trecho de “That's Alright Mama”)
19. Midnight Express
20. Am I Ever Gonna Change
21. Cupid's Dead

Galeria completa:
http://fb.com/fernandoyokotafotografia

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Extreme
A surpreendente apresentação no show-tributo a Freddie Mercury

Todas as matérias e notícias sobre "Extreme"

Guitar World
Os 20 melhores álbuns de Hair Metal dos anos 80

Extreme
Éramos muito chatos, diz Gary Cherone

Extreme
Nuno Bettencourt comenta os motivos da reunião

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 19 de junho de 2015

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Extreme"Todas as matérias sobre "Richie Kotzen"

Em 05/01/1974
Pink Floyd tenta fazer um álbum sem instrumentos

Thrash Metal
Dicas de dez ótimas bandas underground

Black Sabbath
Rob Halford conta como foi substituir Ozzy

Banda cristã explica a proximidade com o BehemothAlguns dos maiores mitos do Rock n' RollVício: Phil Anselmo relata como é ser viciado em heroínaGwar: As 10 melhores músicas segundo o LoudwireG.G. Allin: o extremo dos extremosDuff McKagan: "Sweet Child O'Mine" não é um plágio

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online