Paul Di'Anno: Um show memorável no Carioca Club de SP

Resenha - Paul Di'Anno (Carioca Club, São Paulo, 12/04/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Tom Macedo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
No último dia 12 o Carioca Club recebeu a festa de aniversário dos 30 anos da Rádio Corsário, e quem recebeu presente foram os amantes do metal. A Rádio Corsário é um programa idealizado por Julio Viseu, faz parte da programação da Imprensa FM 102,5 e é veiculado aos sábados das 22:00hs as 24:00hs.

As atrações foram realmente de fazer todos baterem cabeça e lembrar que a cena do metal no Brasil continua viva e muito bem, obrigado.

Para alguns, o melhor. Para outros, o mais carismático. Mas indiscutivelmente, o pioneiro. Paul Di’anno, o lendário primeiro vocalista da banda Iron Maiden, responsável pela gravação dos álbuns “Iron Maiden” e “Killers” estava comemorando o aniversário de 35 anos de lançamento do primeiro disco. Infelizmente o Carioca Club não recebeu um grande público, mas com toda e absoluta certeza recebeu um grande espetáculo.

Para abrir o show, nada melhor do que uma banda de qualidade inquestionável e de origem tupiniquim, e essa banda se chama Korzus. O quinteto formado por Marcello Pompeu (Vocais), Heros Trench (Guitarra), Antonio Araújo (Guitarra), Dick Siebert (Baixo) e Rodrigo Oliveira (Bateria) está divulgando seu último trabalho, o aclamado álbum “Legion”.

Quando a cortina se abre, a banda manda “Guilty Silence” e mostra a que veio. Mesmo com mais de 30 anos de estrada, os caras demonstram uma qualidade musical e disposição invejáveis. Em seguida, mandam “Truth”, “Vampiro”, “Discipline Of Hate” e “Raise Your Soul”. O vocalista Marcello Pompeu lembra que no dia estava acontecendo manifestações por todo Brasil, fazendo alguns discursos de conscientização e falando sobre a importância e necessidade de mudança em nosso País. Então mandaram “Bleeding Pride”, “Never Die”, “What Are You Looking For” e Correria. Logo pedem para que a roda seja aberta, e seguem com “Lifeline”, “Agony”, e “Internally”. Pompeu novamente cometa sobre as manifestações e sugere que sejamos sempre guerreiros, então a banda executa “Guerreiros do Metal”. A banda então agradece a família, aos organizadores e o público presente, e encerra seu ótimo e energético show com “Legion”.

E então estava chegando o momento mais aguardado da noite. Os presentes tinham em seus rostos a ansiedade de acompanhar mais um grande show de um lendário vocalista, que fez parte de uma das maiores bandas de Heavy Metal mundial. Logo após alguns longos minutos do encerramento do show do Korzus, o locutor anuncia Paul Di’anno, e diz que ele irá tocar sentado devido um acidente de moto e que a organização do evento cogitou cancelar o show, mas ele não aceitou, pois queria fazer aquilo que ele mais gosta. Então as cortinas se abrem, e o que vemos é um Paul debilitado e com frustração eminente em seu rosto pela sua condição. O show é aberto com “Ides of march”. Confesso que fiquei um pouco confuso, pois se o show seria em comemoração dos 35 anos do lançamento do disco “Iron Maiden”, imaginei que o disco seria tocado na íntegra e na ordem correta. Em seguida foi a vez de “Sanctuary”, “Wrathchild”, “Murders In The Rue Morgue” e “Killers” que foi cantada de forma uníssona por todos presentes. Paul falou sobre sua insatisfação de estar em uma poltrona, mas que não deixaria de fazer um ótimo show para todos e confidenciou que terá de fazer uma cirurgia. Logo canta “The Beast Arises”, “Children Of Madness”, “Gengihs Khan” e “Prowler”. Entre uma música e outra, Paul fazia questão de reforçar o quanto gosta do Brasil. Realmente me surpreendi com a presença de palco e energia que ele demonstrou mesmo sentado e o carinho que tem pelos fãs Brasileiros. O show continua com “Phantom Of The Opera”, “Transylvania”, “Charlotte The Harlot”, e “Running Free”. Os presentes ficavam cada vez mais alucinados, pois sabiam que o show já estava perto do fim. Então veio a sequência derradeira, com o maior clássico gravado por Paul Di’anno em sua época de “Iron Maiden” e dois ótimos covers. Começa com a música título da banda e do primeiro álbum, “Iron Maiden”, confesso que nesse momento, não me contive e entrei na roda de bate cabeça, só saindo de lá após o fim do show. Na sequência foi a vez de “Blitzkrieg Bop”, clássico hino punk da banda “Ramones”. E pra finalizar “Anarchy In The UK” do “Sex Pistols”.

Indiscutivelmente foi um show memorável, em momentos surpreendente e com energia de sobra. Agora é ficar na torcida por melhoras de Paul Di’Anno e novas datas do Korzus em São Paulo, e desejar a Rádio Corsário mais várias décadas de existência e pedir que continuem a serviço do Metal.

Agradecemos a Rádio Corsário e ao Costábile Jr pelo credenciamento.

Fotos: Kennedy Silva

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Bruce Dickinson
A diferença entre cantar em shows e pilotar avião

Thomas Zwijsen: versão acústica de "The Trooper", do Iron MaidenBlaze Bayley: vídeo de "Escape Velocity"Heavy Metal: a história em uma música, apenasTop 5: Músicas InstrumentaisTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Aquiles Priester
"Esperei 30 anos por esse momento"

Iron Maiden
Curiosidades sobre o "Maiden Japan"

Iron Maiden
Fãs não estão preparados para "Empire of The Clouds"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 25 de abril de 2015

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Paul D'ianno"Todas as matérias sobre "Iron Maiden"

Gibson
A história por trás de Stairway To Heaven

Axl Rose no AC/DC
O que Ozzy Osbourne achou disto?

Metallica
Veja entrevista de James Hetfield no Danilo Gentili

Tarja: reagindo à escolha de canção em casamento de Léo ÁquilaSeparados no nascimento: Dave Mustaine e Mika HakkinenVocalista: dez razões pelas quais os demais integrantes o odeiamMetallica: Lars queria ser Dave Lombardo, mas se contentou em ser Phil RuddMetallica: nove fotos de Lars Ulrich beijando colegas de bandaEleição nos EUA: as primeiras reações da comunidade musical à vitória de Trump

Sobre Tom Macedo

Mineiro, Tom Macedo foi para São Paulo ainda pequeno. Com sete anos de idade, ganha de um colega da primeira série uma fita K7. A fita em questão era Seventh Son of a Seventh Son do Iron Maiden, e o pequeno garoto se apaixona pelo estilo musical até então desconhecido. Hoje, Tom é guitarrista e compositor de uma banda, é fanático por Kiss e diferente de todos em São Paulo, adora um congestionamento só para ter mais tempo de escutar o bom e velho Rock and Roll.

Mais matérias de Tom Macedo no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online