Ministry: Se rolasse mais meia hora o público ainda estaria lá

Resenha - Ministry (Audio Club, São Paulo, 06/03/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Adriano Coelhog
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Lembro quando em 1992, anunciaram que os reis do rock industrial estavam no Brasil, foram na MTV, promoveram o álbum, mas nada de show, todos achavam que em pouco tempo eles estariam no Brasil, será?

Donald Trump: a reação de roqueiros brasileiros com a vitóriaBlind Guardian: Algumas verdades sobre Hansi Kürsch

Estamos no ano de 2015 e, agora sim, eles tocaram no Brasil. Al Jourgensen o vocalista passou por varias internações, é um milagre que ele esteja vivo, pois a droga era uma coisa até rotineira em sua vida, ele que inclusive muitas vezes fazia apologia a uso de drogas pesadas como cocaína e heroína. Apesar dos trinta anos de estrada, e inúmeros trabalhos lançados, os álbuns queridos são: The Band of Rape and Honey (1988), The Mind is a Terrible Thing to Taste (1989) e Psalm 69(1992), eles que tiveram um começo estilo Depeche Mode, mas, escolheram o barulho como estilo de vida, em 2004 chamou a atenção com House of the Mole.

Um bom público no local (mesmo assim, eu esperava mais pessoas) e todos, estavam sedentos, muitos quase senhores na plateia e, apesar de um pequeno atraso a banda entra no palco, barulho, vibração, adrenalina, e energia, tudo isso misturado, em dezesseis músicas, o ultimo trabalho, lançado em 2013, foi muito aclamado pela imprensa, mas, infelizmente, a maioria dos fãs, respeitou, mas não se empolga muito com as suas músicas dos últimos quinze anos, sentíamos que todo mundo assistia e respeitava o Ministry, mas a ansiedade de escutar os clássicos era visível para cada um que estava na plateia.

Enfim, um intervalo e, a banda entra com “N.W.O.” muitos foram para frente, à loucura começou, “Just One Fix” é recebida com euforia, às rodas se abriam, e eles emendam “Thieves”, muita emoção com a longa “So What”, e para encerrar “Khyber Pass”, Al mostra sua simpatia, agradecendo e juntando as duas mãos e se curvando ao público brasileiro, sim, gente, se rolasse mais meia-hora de show, o público estaria lá, mas eles terminaram, ficaram devendo “Stigmata”. Mas não vou dizer, que eu esperava mais, pois todos saíram felizes, como eu disse no começo, apesar de poucos conhecerem as atuais músicas, o show foi perfeito do começo ao fim.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Ministry (Audio Club, São Paulo, 06/03/2015)

Ministry: A banda que separa quem é mero garoto dos homens

Todas as matérias e notícias sobre "Ministry"

Flashback
Os 10 melhores álbuns do ano de 1992

Al Jorgensen
Heroína e boquete em companheiro de banda

Por pouco
15 rockstars que quase partiram dessa para uma melhor

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Ministry"

Donald Trump
A reação de roqueiros brasileiros com a vitória

Humor
Headbangers adoram o Deus Metal, que adora Hansi Kürsch!

Guns N' Roses
As melhores músicas segundo a Ultimate Classic Rock

Black Metal Barbie: o ensaio lindo e true de Antonella ArismendiTradução - Brave New World - Iron MaidenSociedade Alternativa: Fama proporcional à escassez teóricaZakk Wylde: "não conheço ninguém que não goste do AC/DC"Inacreditável: O que acontece de mais bizarro em um show de metalDave Lombardo: dez álbuns que marcaram a vida do baterista

Sobre Adriano Coelhog

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online