WHIPLASH.NET - Rock e Heavy MetalWHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal

FacebookTwitterGoogle+RSSYouTubeInstagramApp IOSApp Android
MenuBuscaReload

Kansas: banda retorna ao Brasil com um saco cheio de sucessos

Resenha - Kansas (São Paulo, HSBC Brasil, 21/11/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
O que é afinal o som do Kansas? Essa mistura de diversos gêneros e um excelente conjunto de músicos que, unidos, sabem muito bem como levantar o público de suas cadeiras. Fazia um bom tempo que os caras não pisavam no Brasil, e muito mudou na formação da banda desde então, especialmente com a aposentadoria de Steve Walsh da banda, o que causava certa tensão no ar de como se sairia a apresentação de um artista modificado tão recentemente. Confiram abaixo os principais detalhes do show, com as imagens de Kennedy Silva.

Como em todo show sentado, de público selecionado, o HSBC Brasil tem toda uma tratativa diferente. A entrada foi mais que tranquila, e o público teve tranquilidade para acessar o interior da casa para o início da apresentação. Poucas cadeiras estavam vazias na casa, que quase alcançou sua lotação máxima para o show.

O show começou as 21h15m, com 15 minutos de atraso do que foi divulgado. Uma pequena espera, porém, não quebrou o ânimo do público, que recepcionou com alegria a discreta entrada do Kansas no palco da casa. A banda abriu o show com “People of the South Wind”, do álbum “Monolith”. Como de praxe, a música já mostrou a excelente qualidade de som do HSBC Brasil e um público afiado, que aplaudiu com vontade a bela entrada do Kansas.

Com um “boa noite” se apresentaram ao público, agradecendo com polidez a presença dos fãs depois de tanto tempo para o retorno da banda. Encaixaram já com “Point of Know Return”, que pelo ritmo rápido segurou a atenção do público. Desde o início, o Kansas mostrou que a força da banda esta especialmente nas cordas do guitarrista Rich Williams e do violinista David Ragsdale, que dominam com ótima técnica.

O show não parece ser para se ver sentado. Diferente de outras bandas clássicas do progressivo, o Kansas tem uma pegada também bastante voltada ao rock clássico, que o deixa mais distante do prog. Isso leva o público mais para a dança, para a emoção do que para o lado mais técnico e apreciativo. Isso ficou ainda mais claro com “Play the Game Tonight” e “Song for America”, as músicas seguintes, onde alguns fãs só não levantaram de suas cadeiras e dançaram por educação e respeito aos outros fãs.

A banda ainda apresentou algumas versões no violão, com destaque para o clássico “Dust in the Wind”, que levou o público a loucura. Não podendo ficar quieto, os fãs cantaram tão alto que rivalizaram com os vocais de Platt, além dos gritos descontrolados com o belíssimo solo de violino de Ragsdale, que arredonda a música, uma das melhores apresentadas naquela noite.

Por falar em Platt, o novato do Kansas se saiu muito bem e mostrou bastante personalidade durante o show. Mostrando-se bastante animado por tocar no Brasil, o vocalista não poupou esforços em fazer uma excelente performance no palco. Além de cantar muito bem, ainda tem uma presença de palco digna dos artistas do rock clássico, que garante uma postura mais para cima na apresentação.

O show continuou com ótimas músicas, como a extremamente progressiva “Closet Chronicles” e outro dos grandes sucessos “Hold On”, seguida por “What’s On My Mind”: todas mantendo a excelente imagem que a banda passou durante o show. A apresentação foi fechada com “Sparks of the Tempest” e, com um corte seco no meio da música, a banda se reuniu no centro do palco e rapidamente deixou o público.

Mais rápido ainda voltaram ao show, homenageando o público presente com “Fight Fire with Fire”, que foi encaixado com a música mais esperada da noite, o grande hit “Carry on Wayward Son”, cantado mais uma vez a plenos pulmões pelo público, com muitos fãs se levantando para registrar com suas câmeras aquele momento. No final da música, muitos pareciam bastante espantados pela qualidade com que o Kansas se apresentou naquela noite, dando vista de que sem dúvidas irão guardar por muito tempo a memória desta show.

Fotos: Kennedy Silva
facebook/kennedysilvaphotos

Kansas é:
Ronnie Platt – Vocal e teclado
Rich Williams – Guitarra
Billy Greer – Baixo
David Ragsdale – Violino, guitarra e vocal
David Manion – Teclado e vocal
Phil Ehart – Bateria

Setlist:
1. People of the South Wind
2. Point of Know Return
3. Play the Game Tonight
4. Song for America
5. The Wall
6. Reason To Be
7. Dust In The Wind
8. Opus Insert
9. Closet Chronicles
10. Hold On
11. What's on My Mind
12. Belexes
13. Portrait (He Knew)
14. Sparks of the Tempest
Bis:
15. Fight Fire with Fire
16. Carry On Wayward Son

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Todas as matérias e notícias sobre "Kansas"

Mega-hits Manjados
10 clássicos que se tornaram clichês

Supernatural
Ouça 10 músicas que marcaram a série

Supernatural
Uma das melhores trilhas sonoras para uma série

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 28 de novembro de 2014

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Kansas"

Gibson
Os 10 riffs mais incríveis dos anos 80

Tico Santa Cruz
Algumas análises de músicas que não ouvimos

Mike Portnoy
O outro lado da saída do Dream Theater

Árvore Genealógica do Metal e do RockDinheiro não é tudo mas ajuda: 5 Rock Stars que nasceram ricosKurt Cobain: filha presta tocante homenagem ao pai, que faria 50 anos hojeBlack and "Blues": a influência do lamento negro no Black SabbathYngwie Malmsteen: a pirataria matou a indústria musical

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online