Big Bat Blues Band: Pra quem gosta de blues, rock e soul

Resenha - Big Bat Blues Band & Itaal Shur (Teatro do Sesi, Vitória, 07/11/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Léo Pinto
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Noite de gala na ilha de Vitória com o fino do blues sendo executado numa apresentação arrepiante da BIG BAT BLUES BAND, para lançar o seu terceiro álbum, intitulado simplesmente “#3”. A banda capixaba, na ativa desde 1993, contou com a participação do compositor, músico e produtor norte-americano ITAAL SHUR nesse show especial no Teatro do Sesi no bairro Jardim da Penha. Além de tocar teclado no show, ITAAL também assume o teclado no álbum “#3”.

Mick Jagger: "Posso ser responsável pelo primeiro gol da Alemanha, mas não pelos sete"Fotos de Infância: Kurt Cobain, do Nirvana

A banda conta atualmente com Eugênio Goulart (vocal), Cláudio França (guitarra slide), Marcelo Maia (guitarra), Bruno Zanetti (bateria), Paulo Sodré (baixo), Larissa Pacheco (backing vocal) e Kessy Borges (backing vocal). A voz marcante de Eugênio, 56 anos de idade, dá a tônica da perfeita mistura entre o blues tradicional com uma generosa pitada do velho e bom rock'n'roll nas composições.

As três primeiras músicas do show estavam na mesma sequência do novo álbum “#3”. “You Can't Cum Alone” abriu o espetáculo. Além do sutil trocadilho no título dessa música, pôde-se perceber a forte influência de ZZ TOP com a guitarra marcante, além das backing vocals que reforçaram lindamente o refrão. Em “My Mama's Buying (a Big House)” havia uma excelente pegada rock'n'roll que marca essa canção matadora. Pra mim, uma das melhores do álbum novo. Já “Amanda Blues” é um blues com levada romântica com um clima zen oitentista, mas com uma roupagem bem moderna e interessante. Sonzeira pra ninguém botar defeito, principalmente para quem gosta de um som mais refinado.

Imagem

Em seguida, as duas únicas canções do segundo álbum “Haze Hot Blues”, de 2012. “Out”, um country blues com destaque novamente para as backing vocals, e “Condition of Living”, um blues das antigas, gostoso de se ouvir, onde o vocalista Eugênio homenageia sua mãe na letra.

A BIG BAT BLUES BAND abriu um espaço em seu show para ITAAL SHUR mostrar algumas de suas músicas ao público e um pouco do seu português, começando por “You Got Something More” que possui um ritmo dançante e um refrão marcante que a plateia cantava junto. Em “China Feet”, o ritmo nos remeteu a um soul music, onde ITAAL rearranjou para caber perfeitamente o feeling do blues personalizado nas backing vocals do BIG BAT, resultando numa música que agitou bastante a galera.

Voltando ao “#3” da BIG BAT BLUES BAND, tivemos “Look at the Blues Sky”, uma levada gostosa de se ouvir e que poderia fazer parte de qualquer álbum dos ROLLING STONES. Outra que lembrou muito o som do ZZ TOP e os filmes de gângsters americanos dos anos 20 e 30 e que caiu no gosto do público presente, mas com uma diferença em relação ao álbum, foi “.38”. Aqui, a música foi cantada pela competente backing vocal Larissa Pacheco, que surpreendeu a todos pela nova roupagem que foi dada através de uma voz poderosíssima de arrepiar.

Ao final de sua apresentação, Larissa chamou ao palco a ex-backing vocal do BIG BAT, Sabrina Cordeiro, para uma interpretação arrebatadora de “I Never Loved a Man (The Way I Loved You)”, da eterna diva ARETHA FRANKLIN.

Imagem

A primeira música do primeiro álbum “Todo Dia é Dia de Blues” que tocaram foi “Expresso do Blues”, que resgata um blues a la BLUES ETÍLICOS, mas sem deixar nada a desejar.

Seguindo o show, ITAAL SHUR voltou aos vocais em “Smooth”, a música mais conhecida dele, por ter ficado famosa na voz de ROB THOMAS, vocalista do MATCHBOX 20, em parceria com o grande guitarrista mexicano CARLOS SANTANA. “Smooth” foi premiada com o Grammy de melhor canção do ano em 1999, vendendo mais de 25 milhões de cópias.

Outra que pra mim também está entre as melhores do “#3” foi “The Way That You Leave Me”. Um blues de raíz autêntico, bem arrastado e viajante, do jeito que eu gosto. Possui um teclado marcante tocado magistralmente pelo ITAAL SHUR.

Em “Follow Me”, a marcação rítmica e forte da bateria, anunciava uma canção diferente das demais com um clima bem viajante proporcionado pelo teclado com notas extensas durante toda a música.

Pra encerrar em grande estilo, “Destino América”, do primeiro álbum, mostrou um blues avassalador, com destaque para o som da guitarra com slide e para o ritmo frenético dos pratos da bateria.

Foi um show impecável pra quem realmente gosta de blues, rock e soul.

Setlist:

01 – You Can't Cum Alone
02 – My Mama's Buying (a Big House)
03 – Amanda Blues
04 – Out
05 – Condition of Living
06 – You Got Something More
07 – China Feet
08 – Look at the Blues Sky
09 - .38
10 – I Never Loved a Man (The Way I Loved You)
11 – Expresso do Blues
12 – Smooth
13 – The Way That You Leave Me
14 – Follow Me
15 – Destino América

Imagem

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Big Bat Blues Band"

Mick Jagger
Responsável apenas pelo primeiro gol da Alemanha?

Fotos de Infância
Kurt Cobain, do Nirvana, muito antes da fama

Charlie Brown Jr
Esposa diz que Champignon foi vítima de espíritos

Spin: os 40 melhores nomes de bandas de todos os temposNinguém é perfeito: os filhos "bastardos" de pais famososDave Mustaine: aquela foi a pior "Master of Puppets" que ele já ouviuAlemanha: as dez maiores bandas de Metal do paísRHCP: trio de russas viraliza com cover de "Can't Stop"Fodástico: veja Kerry King em comercial para a Jagermeister

Sobre Léo Pinto

Capixaba de Vitória, historiador, guia de turismo, fanático por metal, hardcore, punk, rock e todas as suas vertentes, desde 1981 (sim, tenho cabelos e cavanhaque grisalhos, e daí? hehe). Sempre às ordens para resenhar sobre shows, acompanhar bandas em visita à minha cidade e prestar assessoria à imprensa.

Mais matérias de Léo Pinto no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online