Avenged Sevenfold: show não agrada ao público do Rock in Rio

Resenha - Avenged Sevenfold (Rock in Rio, Rio de Janeiro, 22/09/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Todos já pensavam que isso não daria certo desde que foi divulgada a line-up do Rock in Rio e o AVENGED SEVENFOLD estava escalado para o último dia, entre os mestres do nwobhm IRON MAIDEN e os thrashers do big four SLAYER para o palco mundo. A segunda mais importante atração da noite, pelo menos na ordem hierárquica, acabou sendo um tiro pela culatra. Fica registrado o respeito em geral do público, que mesmo assim não os vaiou.

Fotos: divulgação, Approach, Rock In Rio, IHateFLash

Os 10 minutos de atraso do show, um dos poucos que atrasaram no dia, não mudou muito a atitude do público. Quando o show começou, os presentes puderam ver uma magnífica estrutura de palco, digna dos grandes espetáculos de música: as grades ao fundo que marcam o símbolo da banda e o fogo que saia formando arcos luminosos no palco deixou a todos espantados.

A banda entrou executando “Shepherd of Fire”, que tinha tudo a ver com os efeitos. O público se manteve quieto durante toda a apresentação da música, fora a meia dúzia de gatos pingados – especialmente as meninas fãs da banda – que pulavam incessantemente nas fileiras mais adiantadas. Ao longo, pessoas em pé não moviam sequer um dedo, e nos fundos a maioria do público estava descansando ou tentando recobrar as energias para o que viria mais tarde.

“Critical Acclaim” teve um belíssimo solo de guitarra que abriu a música, seguido pela voz esganiçada em um grito horrível de M. Shadows. O vocal bizarro, que ficava mudando uma hora para o tom normal e na outra para os guturais, era sofrível de ser ouvido. O público recebeu bem o início da música, e acompanhou a banda dando socos para o alto. A confusão do som, porém, parecia não agradar a maioria dos ouvidos.

“É o sonho de nossa banda tocar no Rock in Rio desde que fomos criados!”, diz o vocalista para uma plateia silenciosa. Com “Beast and the Harlot” e “Hail to the King”, porém, a banda novamente esteve longe de vencer a plateia do Rock in Rio. As palmas, que no início eram dadas por boa parte do público, se reduziam a cada música, pareciam já estar de saco cheio e o show nem sequer havia começado direito.

Nem as tentativas do vocalista de se aproximar do público acabaram dando resultado. Nem dizendo que sua banda favorita era o HELLOWEEN, que fez um tremendo sucesso no palco sunset mais cedo, nem mesmo falando sobre o SLAYER – pensando nisso, o que será que Kerry King diria sobre o Avenged Sevenfold? Pensem por si mesmos...

Com “Buried Alive” parecia que a gota d´água estava próxima. A sequência de baladas e sons parecidos era enfadonha e sem o mínimo de sal. Apesar das mudanças bruscas, o som parece não ser dinâmico e nem empolgante para quem não é fã de carteirinha. Ou a banda não soube aplicar bem o seu repertório? Deixo para que os fãs decidam... Não preciso nem citar “Fiction”, que foi uma das músicas mais chatas que passaram por aquele dia.

“Nightmare”, pelo menos, parece ter vindo em boa hora. Uma das melhores músicas do Avenged Sevenfold e bastante animada. Os fãs da banda cantam o refrão e batem palmas, até mesmo algumas batidas animaram o público – realmente as baterias desta são um diferencial.

“This Means War” música do novo álbum da banda, tem momento em que vocalista pede para que o público o ajude a cantar. Falha miseravelmente, como falham também a tentativa da técnica de sincronizar os fogos com as batidas inicias da música. Na segunda alguns acertaram, mas o estrago já estava feito e o público viu, em silêncio, terminar a música.

Se o povo esperava pelo fim, ainda teve que aguentar “Requiem”. “Eu gosto de competição!”, disse M. Shadows, agradecendo aos fãs por serem tão “cool”. Pelo uso da palavra, porém, restou uma ambiguidade se o vocalista falava sobre os fãs – por eles serem legais – ou se criticava a posição de frieza da plateia.

A banda finalizou o enfadonho show com “Unholy Confessions” e a promessa de que voltarão em breve ao Brasil. Agradeceram ao público com fogos ao fundo, que criaram um efeito visual incrível para a plateia. Apesar da magia, não pode restar nem para a banda, nem para o público, o gosto amargo de que o Avenged Sevenfold sobrou totalmente no palco mundo, como era de se esperar.

Setlist:
1. Shepherd of Fire
2. Critical Acclaim
3. Beast and the Harlot
4. Hail to the King
5. Buried Alive
6. Fiction
7. Nightmare
8. This Means War
9. Afterlife
10. Requiem
11. Bat Country
12. Unholy Confessions

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Avenged Sevenfold (Rock in Rio, Rio de Janeiro, 22/09/2013)

Avenged Sevenfold: show muito bem estruturado no Rock In Rio

Rock in Rio
Mais uma atração no dia do The Who e Guns N' Roses

Dr. Pheabes: por que é a única banda a estar no Lolla e no RIR?Rock in Rio: mais atrações pro Sunset, homenagem a João DonatoLigado à Música: Rock in Rio 2017, Nirvana, Pearl Jam e New OrderTodas as matérias e notícias sobre "Rock In Rio"

Rock in Rio
Como é feita a contratação de artistas?

Guns N' Roses
Vídeos da passagem de som no Rock in Rio 1991

Megadeth
Mustaine relembra fãs jogando xixi em Lobão no Rock in Rio

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Rock In Rio"Todas as matérias sobre "Avenged Sevenfold"

Guns N' Roses
A trágica história do baixista fundador que morreu afogado

Sasha Grey
Ela também é fã de David Bowie

Rock In Peace
As mortes mais marcantes do Rock/Metal

Steven Tyler: "nunca esquecerei a audição para o Zeppelin"AC/DC: a definição de Bon Scott por Brian JohnsonBlackmore: como ele criou o riff de Smoke On The Water?Queen: veja versão incrível de Bohemian RhapsodyBlack Metal: versão pesada de "Hello Kitty" da Avril LavigneAerosmith e Guns N' Roses: O acordo sobre drogas em 1988

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online