Klatu: música repleta de influências, mas sem soar como um cover

Resenha - Klatu (Kabul, São Paulo, 02/08/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Pedro Zambarda de Araújo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Banda Klatu está no seu segundo disco e fez um show no começo deste mês para divulgar seu trabalho. Na apresentação realizada no dia 2 de agosto, às 23h, o grupo tocou acompanhado por uma exposição de fotos da artista Camila Fontenele, que chegou a exibir seus quadros em outros países na América do Sul.

Cannibal Corpse: promotora de justiça russa quer banimento da bandaTrilhas sonoras rock: Top 10 do LA Vynil Records Examiner

Camila e a banda Klatu defenderam a arte autoral naquele noite, o conteúdo e a cultura difundidos de acordo com os gostos dos autores e não seguindo padrões do mercado artístico. "Nós, do Klatu, fazemos um rock repleto de referências. O rock infinito. Não nos enquadramos na forma de arte de muitos", disse Carol Arantes, a cantora da banda, durante o concerto.

A casa Kabul estava relativamente cheia, com um repertório de Nirvana, Led Zeppelin e outras bandas clássicas antes do começo do som do Klatu. Camila Fontenele exibiu imagens de pessoas e cenários inspirados em artistas como Frida Kahlo e paisagens naturais abertas.

Imagem

Formado por Carol Arantes (vocal), Leco Peres (baixo), André Barará (guitarra) e Felipe Silva (bateria), Klatu começou com improvisações de guitarra e baixo puxando referências de blues e jazz para tocar, com muita liberdade, as músicas de seu segundo disco, "Um Pouco Mais Desse Infinito". Carol Arantes ficou bem próxima do público, praticamente fora do palco, batendo um papo descontraído com o pessoal no Kabul.

Tocaram "Não Cante Essa Música", "Mais blablabla" entre as novas e até a tradicional "Rock Infinito" do disco de 2008. A banda já conseguiu que a música "Nunca é Tarde" entrasse no filme de Lays Bodanzy, "As Melhores Coisas do Mundo", de 2010. Por esse motivo, o Klatu está conseguindo ganhar relevância no rock independente com um som próprio, que defende uma música repleta de influências, mas sem soar como um cover.

Foi dessa forma que o show no Kabul pareceu, embora Carol tenha seu momento como frontwoman a la Rita Lee com os Mutantes, Leco Peres use roupas com referências à Aliança Rebelde de Star Wars e André Barará execute solos inspirados em Stevie Ray Vaughan. Que tal dar uma chance ao rock nacional com tantas influências interessantes?

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Klatu"

Cannibal Corpse
Promotora de justiça russa quer banimento da banda

Trilhas rock
As Top 10 eleitas pela LA Vynil Records Examiner

Álbuns ao vivo
10 grandes registros da história do rock

Metallica: banda explica volume do baixo no And Justice For AllSlayer: quando Cronos deixou Tom Araya de olho roxoGuns N' Roses: tudo parece muito surreal para SlashIron Maiden: Perguntas e respostas e curiosidades diversasDazed & Confused: Um despretensioso filme alçado a status de cultYes: baixista Chris Squire morre aos 67 anos, de câncer

Sobre Pedro Zambarda de Araújo

Nascido em 1989. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo, Pedro foi apresentado ao heavy metal através da banda Blind Guardian, em meados de 2004. Ouve e aprecia outros estilos do rock, como o punk, o indie e vertentes mais variadas. Gosta de assistir e cobrir shows.Toca muito mal guitarra, mas aprecia vários tipos de instrumentos musicais.

Mais matérias de Pedro Zambarda de Araújo no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online