Morbid Angel: pouco público e energia de sobra em São Paulo

Resenha - Morbid Angel (Cine Jóia, São Paulo, 23/05/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Durr Campos
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

E lá se vão quase um ano e oito meses desde a última vez em que o MORBID ANGEL esteve à capital paulista. À época tocaram acompanhados de mais dois grandes nomes da cena, os noruegueses do Ragnarok e o Belphegor da Áustria, em uma das edições mais perversas do saudoso Setembro Negro, evento da também saudosa Tumba Produções. Devido ao nível daquela apresentação minha expectativa era alta, até porque entre um show e outro acabei vendo-os em Berlim, onde também "quebraram tudo" ao lado do Nile e Kreator. Mas o que interessa neste texto é o que ocorreu no Cine Jóia, local que visitei pela primeira vez e espero fazer isso novamente.

Rock e Metal: os dez maiores Deuses dos RiffsRamones: Morre o baterista e produtor Tommy Ramone

Fotos: Fernanda Lira

Ao chegar por lá, a primeira constatação: a casa não lotaria. O que é pior, talvez nem a metade dela fosse preenchida. As desvantagens foram latentes, mas fiquemos com a que tange ter sido em uma quinta-feira às 23h30. O envolvimento de um produtor local não tão querido pelo público não foi confirmado por este que vos escreve, por isso prefiro concentrar-me à música em si.

Imagem

Um pouco mais cedo que o previsto, o protagonista da noite surge frente a uma casa praticamente vazia. O fato não intimidou o quarteto, algo que o hino "Immortal Rites", que abre magnificamente o primeiro "Altars of Madness" (1989), confirmou. “Fall From Grace”/"Day of Suffering", do segundo "Blessed Are The Sick" (1991) veio na sequência, porém falhas no microfone do frontman David Vincet o impediram de iniciar os primeiros versos dela. Ainda obedecendo rigorosamente o set-list de 2009, a sensacional “Rapture”, canção que principia o terceiro e fabuloso "Covenant" (1993) foi anunciada após um breve agradecimento de Vicent. As três foram suficientes para provar aquela velha máxima do "quantidade não é qualidade", tamanha empolgação dos fãs. A energia foi ao palco, pois jamais vi, por exemplo, o líder e guitarrista Trey Azagthoth tão "empolgado", se é que esta palavra seja a mais apropriada quando trata-se dele.

Imagem

David então pergunta se havia ali muitos old-school seguidores da banda e emendou com mais uma do debut, a poderosa “Maze of Torment”, recebida como merece. “Sworn to the Black” e "Blasphemy" encerraram a sequência inicial de clássicos. Como já era de se esperar, do mais recente escolheram as mais próximas do material antigo, a saber, “Existo Vulgore” – uma que podia estar facilmente em "Formulas Fatal to the Flesh" (1998) e “Nevermore”, velha conhecida muito antes da gravação de "Illud Divinum Insanus" (2011).

Imagem

O baterista Tim Yeung (All That Remains, Hate Eternal, Vital Remains, Divine Heresy, World Under Blood, dentre outros) já nem pode mais ser considerado um membro convidado tamanho entrosamento e importância ganhos com a estrada e seu talento inquestionável. Pete Sandoval, afastado por motivo de saúde, faz falta ainda, mas já é hora de considerarmos mesmo sua saída permanente. Não sei vocês, mas andei bisbilhotando seu perfil no facebook e notei que todas as suas postagens possuem referência à Bíblia, algo que me fez questionar se de fato saúde foi o principal motivo de seu afastamento. Completa o quarteto de Tampa, Flórida, o norueguês Destructhor (aka. Thor Anders Myhren) comandando as seis cordas ao lado do chefão Trey Azagthoth desde 2008.

Imagem

De volta ao "Altars of Madness" tivemos um duo de levantar qualquer um: "Lord of All Fevers and Plagues" e uma de minhas favoritas - e também de nossa fotógrafa Fernanda Lira - "Chapel of Ghouls". Creio que ela deve estar ainda sentindo o pescoço. Sobre a primeira citada não posso deixar de mencionar seu refrão contagiante: “Ia iak sakkakh/ Ia sakkakth/ Ia shaxul/ Ia kingu ia cthulu ia azbul/ Ia azabua”, cantado em uníssono. Em seguida tivemos o já famoso solo de guitarra de Trey, uma mistura de improvisos, arpejos, noises e muito experimentalismo. O momento foi perfeito para sacarmos o quão criativo e ousado é este músico. Impressionante ainda haver fãs mais "die hard" os quais insistem em esperar sempre o mesmo dele. Outra dobradinha mega funcional fica por conta de “Dawn of the Angry” e “Where the Slime Live”, ambas do quarto álbum "Domination" (1995). O já mencionado álbum "Formulas Fatal to the Flesh" fora lembrado com a ótima “Bil Ur-Sag”, única da fase sem David Vincent tocada, coladinha com "Blood On My Hands".

Encerraram com a obrigatória “God of Emptiness”, talvez a mais perfeita para tal missão se observarmos sua discografia de ponta a ponta. As vocalizações de David Vincent ali beiram a perfeição. "World of Shit", antes prevista, acabou não sendo tocada para a frustração geral.

Imagem

Saldo final: apesar de triste em ver uma banda dessa magnitude tocar em um local tão vazio e sob uma qualidade de som não condizente a sua importância, estar ali no Cine Jóia naquela quinta-feira meio chuvosa e fria pareceu fazer parte de um concerto particular, privado, daqueles feitos para colarmos no palco - que nem teve o pit de fotógrafos - e curtirmos cada segundo de música sem empurra-empurra ou maiores transtornos.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Rock e Metal
Os dez maiores Deuses dos Riffs

I Am Morbid: shows no Brasil canceladosDeath Metal: as dez maiores bandas da históriaTodas as matérias e notícias sobre "Morbid Angel"

Morbid Angel
"Banda satânica, eu jamais voltaria", diz Sandoval

Metal
Você acredita na "lenda do terceiro álbum"? - Parte 2

HailMetal.com
Os cinqüenta melhores álbuns de Death Metal

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Morbid Angel"

Ramones
Morre o baterista e produtor Tommy Ramone

Exemplos
10 músicos famosos com deficiências ou problemas de saúde

Avenged Sevenfold
"Lepo-Lepo"' no show em São Paulo

Ozzy Osbourne: "tive ressaca contínua durante 40 anos"Motley Crue: As críticas de Vince Neil a Nikki Sixx e Tommy LeeGuns N' Roses: como eles eram... e como estão hojeSedentos por Sangue: confira 5 belas canções sobre VampirosAerosmith: a história por trás do clássico "Sweet Emotion"Ozzy Osbourne: Faixa retirada do Youtube volta da melhor forma possível

Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Alemanha, país onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar um Scum do Napalm Death, seguido de Substance do New Order ou Black Celebration do Depeche Mode, daí viajar no tempo com Stormbringer do Deep Purple, se acabar ao som do Bounded By Blood do Exodus e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo. Simples assim.

Mais matérias de Durr Campos no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online