Crashdiet: confira como foi o show em São Paulo

Resenha - Crashdïet (Clash Club, São Paulo, 09/03/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por João Paulo de Matos Mota
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

E no auge dos anos 2000, alguns suecos resolveram resgatar as raízes do Hard Rock em uma banda moderna e atual, e intitularam o seu nome de Crashdïet. A Clash Club ficou pequena para tantos fãs, inclusive aos que se deslocaram de vários estados do nosso País. Vale a pena ressaltar que o show estava primeiramente marcado para acontecer no Inferno Club, localizado na famosa rua Augusta e devido à problemas de fiscalização o local ainda encontra-se fechado, por isso tivemos esta mudança de local.

Ozzy e Lemmy: mansão luxuosa, apartamento como cavernaSkid Row: Varone tentou honrar o sobrenome em filme pornô

Por volta de 21:30, as luzes se apagaram e a gritaria tomou conta. O primeiro integrante a subir no palco foi Eric Young, o baterista, logo menos o baixista Peter London se dirigiu até o seu posto, o próximo e não menos importante, o guitarrista Marin Sweet também subiu no palco e claro, quando Simon Cruz entrou e os primeiro acordes de “Change the World” (música do novo álbum) foram entoados, o público foi ao delírio.

A banda já passou por algumas mudanças em sua formação, onde a mais marcante foi a morte de Dave Lepard primeiro vocalista e grande compositor da mesma, sendo assim, Simon Cruz acabou assumindo os vocais posteriormente.

Durante a apresentação era nítido nos fãs e em todos os presentes, que nem o calor que fazia, tirava o folego deles, a empolgação e a paixão falavam mais alto. Posso citar como destaque, entre as músicas que foram executadas, “Queen Obscene/69 Shots“, “In the Raw” e “It’s a Miracle“, onde o público cantou junto praticamente todos os refrões e agitaram constantemente nestas músicas em específico. Realmente fazia um bom tempo que não via um coro como este.

Claro, que não posso deixar de mencionar que a interação entre a banda e os fãs era muito especial, até mesmo um pouco antes do Bis o baterista Eric Young se levantou, pegou o microfone e começou a falar sobre sua paixão pelo nosso País e ainda arriscou um pouco no português. Todavia, Eric passou suas últimas férias aqui no Brasil.

Também se notou uma grande quantidade de fãs que estavam vendo este show pela primeira vez, Simon Cruz chegou até chegou a pedir que levantassem as mãos aqueles que estavam ali pela primeira vez. Assim como eu, várias levantaram, ou seja, o sucesso desta banda aqui realmente está crescendo, que continue desta maneira.

Caminhando mais para o final do show, os grandes clássicos aguardados por todos finalmente foram executados. A música atual de trabalho da banda e que está alavancando estes novos fãs, “Cocaine Cowboys”, foi realmente um dos pontos principais, certamente tornando-se o clímax desta apresentação. O que se via era uma leva de pessoas pulando e cantando sem parar. E no encerramento “Generation Wild”, do álbum que leva esse mesmo nome e foi lançado em 2010 e que realmente alavancou a carreira da banda, os fãs foram à loucura, realmente foi sensacional.

Contudo, podemos dizer que tivemos um espetáculo excelente neste último sábado na cidade de São Paulo, foi memorável. Acredito que os fãs já se perguntam pela próxima vinda destes suecos para o nosso País, e esperamos que isto não demore muito para ocorrer.

Para setlist completo e galeria de fotos, acesse:

http://www.rockexpress.net.br/2013/03/12/crashdiet-em-sao-pa...

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Crashdïet (Clash Club, São Paulo, 09/03/2013)

Crashdïet: levantando a bandeira do Sleaze Metal em São Paulo

Todas as matérias e notícias sobre "Crashdïet"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Crashdïet"

Contrastes
A diferença entre as habitações de Ozzy e Lemmy

Skid Row
Phill Varone tentou honrar o sobrenome em filme pornô

Iron Maiden
Curiosidades sobre o "The Number Of The Beast"

Roger Moreira: chamando Pitty de "imbecil" via rede socialAC/DC: a definição de Bon Scott por Brian JohnsonA História da Guitarra - Parte 1: do Alaúde ao ViolãoBlind Faith e Scorpions: as capas chave-de-cadeiaDio: "Ozzy me odeia quando estou no Sabbath!"Meshuggah: um cover impressionante feito por Leonardo DiCaprio

Sobre João Paulo de Matos Mota

Nascido em São Paulo no ano de 83 e fanático por Heavy Metal desde os 12 anos, atualmente se diverte cantando na banda Masterkey, fazendo parte da equipe do site Rock Express e conduzindo o podcast Rock Express Cast.

Mais matérias de João Paulo de Matos Mota no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online