Impacto Profano: Público muito bom para uma tarde chuvosa

Resenha - Impacto Profano (Teatro Odisséia, Rio de Janeiro, 08/01/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em uma tarde bem chuvosa, na Lapa, mais um evento do Garage, comemorando o aniversário de Fábio ‘Garage’ Costa (conhecido batalhador da cena Metal carioca) e da banda IMPACTO PROFANO.

Seguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundoEddie Van Halen: falando sobre o solo de "Beat It"

A produção do evento foi caprichada, com uma aparelhagem de som de boa qualidade, ainda auxiliado pelo fato de Eregion (do UNEARTHLY) ter aproveitado sua presença e dado uma força nas carrapetas, máquina de fumaça, cortina e vários enfeites de comemoração de aniversário.

Abrindo a noite, vieram os Thrashers cariocas do PRIEST OF DEATH, com seu som calcado no Thrash da Bay Area anos 80 e 90, mas personalizado, técnico e com muita energia, sem soar datado ou repetitivo. O quarteto fez um set baseado em composições de seu primeiro EP, ‘Soluções Violentas’, como a própria faixa-título, ‘Same Shit, Another God’, algumas novas, e um cover muito legal para ‘Black Magic’, do SLAYER, onde a banda mostrou domínio de palco e boa postura, especialmente porque André (guitarra/vocal), Gabriel (guitarra) e Henrique Silva (baixo) não ficam parados um minuto que seja, enquanto Henrique (bateria) mostra ser uma verdadeira usina de força na bateria. Esperamos mais shows e que venha logo o CD deles.

Imagem

Em seguida, um dos nomes mais esperados pelo público sobe ao palco: o trio Black Metal VELHO, que fez o público (que começou a aumentar neste momento) agitar bastante durante o set, com músicas próprias na linha do HELLHAMMER e DARKTHRONE, e um cover do último. Mas a banda, apesar de ter uma música legal, possui dois calcanhares de Aquiles bem evidentes: a postura de palco ainda é meio estática, e sua música carece de personalidade própria, pois ainda está muito à sombra de suas influências. Mais ensaios e shows ajudarão a corrigir estas falhas, e levemos em consideração que a banda está com formação nova.

Imagem

A terceira banda foi o Power trio mineiro AKERBELTZ, com um Black Metal cuja sonoridade remete às bandas dos anos 80, tanto do próprio Black Metal como do proto-Thrash/Speed/Black Metal da época, e com algumas pitadas de Rock’n’Roll/Hardcore/Punk, uma característica bem particular da música do conjunto, e executaram músicas de seu Demo CD ‘Under the Signo of Satan’, como a faixa-título e ‘Welcome to the Sabbath’, e do novo, ‘Akerbeltz Coven Rising’, como ‘The Cry of the Hawk’, ‘Ave Lucifer’ e ‘Apocalyptic Rising’. O som andou um pouco embolado durante seu set em vários momentos, mas percebe-se que a banda faz bonito no palco, a postura é razoável (especialmente porque o baixista/vocalista Warhammer é seguro e se comunica bem), e conquistaram mais fãs nesta noite, ao ponto de esperamos ansiosos por sua volta aos palcos do RJ.

Imagem

O próximo foi o quarteto carioca LAND OF TEARS, que mostrou aos fãs que a banda evoluiu muito desde o lançamento de seus Demos CD (‘Canon Episcopi’, de 2002, e ‘Total Disgrace’, de 2004), passando pelo CD ‘World of Pain’ de 2008, pois apesar de manter alguns elementos de suas origens Doom/Death Metal, a banda ficou mais agressiva e brutal, ganhando alguns elementos de Black Metal, sem perder a melodia característica e alguns momentos mais amenos. Boa postura de palco (especialmente por conta do guitarrista Alex Pontes, do AS DRAMATIC HOMAGE, que além de tocar bem, não cessa um segundo de agitar), e boa comunicação com o público por parte do guitarrista/vocalista Robsón Souto. O repertório abrangeu músicas antigas como ‘Canon Episcopi’ e ‘World of Pain’, e algumas que estarão no novo CD, que sai em breve, como ‘Cerberus’, ‘Forbidden God’ e ‘Omega Legions’.

Imagem

Fechando a noite, o aniversariante IMPACTO PROFANO sobe ao palco para comemorar seus dez anos de existência com um ótimo show, mostrando seu Black Metal brutal e agressivo aos presentes. A postura da banda é perfeita, com a banda agitando bastante, os músicos realmente formam um conjunto bem conciso, e sua música é brutal, envolvente e madura. O vocalista Marduk está cada dia mais adaptado e teve o público nas mãos, bem como a dupla de guitarristas Succubus Kals e Lord Nuctemeron (este ainda fazendo backing vocals) é segura nas bases e solos, e a cozinha rítmica de Pazuzu (que não parou de agitar por um momento que fosse) e Lord Anti-Christ é coesa, pesada e bem trabalhada. Mas outro fato que merece destaque é o das presenças de ex-membros da banda (como Lord Sabazios, Azazel, Azidahaka, Asmodeus, Magus Aegis e Eregion) subindo ao palco com eles durante a execução de músicas como ‘Lucifer’, ‘Fucking God Glory to Black Metal’, ‘Domain of the Black Art’, ‘Slave of Illusion’ e ‘New Era of Christ Fucking’.

Imagem

Outro ótimo evento, um público muito bom, esperamos os próximos, e damos parabéns ao IMPACTO PROFANO pelos 10 anos, e ao Fabio ‘Garage’ Costa, pelo aniversário e luta.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Todas as matérias e notícias sobre "Impacto Profano"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Impacto Profano"

Coisa de Satanás
As bandas de rock mais perigosas do mundo

Eddie Van Halen
Falando sobre o solo de "Beat It"

Gilby Clarke
Axl Rose nem falava diretamente comigo

Ultimate Classic Rock: as 10 melhores músicas sobre guerraSpin: os 40 melhores nomes de bandas de todos os temposDave Mustaine: Kiko é o primeiro que me intimida desde FriedmanCavalera Conspiracy: Opiniões de Max e Igor sobre a decadência da cena metalPlanno D: 10 coisas que irritam em show de Heavy MetalEngenheiro de som: em video, exemplo de como ele sofre

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online