Doro Pesch: Grande show da Rainha do Metal em São Paulo

Resenha - Doro Pesch (Carioca Club, São Paulo, 24/04/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Rodrigo Figliolini
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Carioca Club recebeu a cantora alemã DORO PESCH na noite do último Domingo, 24 de abril. Era sua grande turnê pelo Brasil, desde a participação no festival “Live N’ Louder” de 2006, no Anhembi. Ela também se apresentou em outras cidades brasileiras.

Dia da Mulher: 10 nomes femininos de destaque no hard rockMetallica: a capa do "Death Magnetic" lembra uma vagina?

Antes do show, um evento inédito. Enquanto o público aguardava o início do show, um telão transmitia uma partida das quartas-de-final do Campeonato Paulista. Muitos fãs puderam torcer ou secar, dependendo do time, enquanto outros íam ao bar ou ao banheiro.

Previsto para começar às 20:00, como dizia no ingresso, o show começou por volta de 21:20, quando muitas pessoas já gritavam pelo início. Durante as primeiras músicas, deu a entender que problemas no som foram a causa do atraso, já que os roadies precisaram entrar no palco para fazer reparos nos microfones.

De qualquer forma, nenhum destes problemas foi o suficiente para estragar o show. Isto porque, tanto DORO quanto sua banda, já experientes no cenário musical, já devem ter vivido situações semelhantes e sabiam como agir. A cantora interagia com o público, falando sobre a atual turnê e a chegada ao Brasil, até que o pessoal da técnica deu o OK para prosseguir.

O show começou com “Earthshaker Rock” que já incendiou o Carioca Club. Uma música rápida e com refrão gritante, que satisfez qualquer pedido. Mesmo com os problemas técnicos, o som não foi afetado, pode-se ouvir perfeitamente durante toda a apresentação.

Em seguida, “I Rule The Ruins”. Uma grande interação com o público durante o refrão, algo que se repetiu em boa parte das músicas. DORO mostrava o talento de sobra que tem, tal como seus músicos, e todos foram muito carismáticos para com o público, sempre indo para a frente do palco e incentivando os fãs.

Logo após, “East Meets West” e a rápida “Hellbound”. DORO anunciou cada música, que o público recebia como uma grande notícia. E realmente eram boas notícias. Sendo a mais importante, ela estava no palco em São Paulo, mostrando porque tem o apelido de “Rainha do Heavy Metal”, frase que inclusive estava escrita no verso dos ingressos.

Em “Burning the Witches”, DORO mais uma vez chegou bem perto do público, e se revezou no vocal com alguns fãs durante o refrão. Algo que nem o mais otimista poderia imaginar, cantar junto com seu ídolo! Quando você sabe quem está na sua frente, e quando você vê aquela pessoa que você cresceu escutando te chamando para cantar, mesmo que seja apenas uma palavra, já vale dez vezes o preço do ingresso. Pelo menos!

DORO fez também uma homenagem ao falecido RONNIE JAMES DIO. Antes de tocar “Egypt (The Chains Are On)” ela falou sobre quando tocaram e saíram em turnê juntos. Disse também a inspiração e a grande pessoa que ele era. Ao término da música, o público gritava o nome de DIO, num belo tributo a alguém que é uma referência no gênero, e é admirado por milhões no mundo.

Durante a execução de “Für Immer”, DORO cantou em sua língua original, Alemão. Um bonito contraste, que deveria acontecer mais vezes. Ela mesma, durante entrevistas, declarou sua vontade de fazer mais músicas em Alemão. Este momento do show foi marcado por músicas mais lentas, os guitarristas se revezavam no teclado e a iluminação foi escura e sombria, dando o clima perfeito. Não se podia cansar daquilo, já que se estava perante um grande talento do Rock.

“We Are The Metalheads” reacendeu o Carioca Club. A música executada por DORO durante o “Wacken Festival” na Alemanha, que pode ser mais classificada como Hard Rock do que Heavy Metal, se bem que isso nem importaria muito num show, deu ao público a sensação de estar cantando um hino e saudar todos que contribuíram para o Rock, seja como for.

Outro grande cover foi “Breaking The Law”, do JUDAS PRIEST. DORO inclusive agradeceu ao PRIEST. A iluminação e o som vieram com força máxima.

A banda deixou o palco, e retornou após alguns segundos para o primeiro bis. “Fight For Rock”, “Love Me And Play” e “Metal Tango” preparavam o fim do show. Aos gritos de “Ole, ole, ole, ole! Doro! Doro” a banda sai do palco e as luzes se apagam. Os gritos agora eram de “One More Song!” (“Mais uma”!) e a banda atendeu prontamente! Voltaram e tocaram “Unholy Love” dando ao público a oportunidade de gritar, pular, sacudir a cabeça e ver um grande talento no palco. Na voz, guitarras, baixo e bateria. Estes últimos merecem o destaque. A banda estava super afinada, e fizeram grandes solos.

Não se pode deixar de citar o solo de bateria de Tommy Dee, no qual ele toca o início de “I Love It Loud” do KISS, e chama os fãs para responder no já bem conhecido grito de abertura.

DORO demorou para sair do palco. Após os músicos jogarem baquetas e palhetas, e se despedirem, ela continou no palco, saudando todos, tanto os que esperaram mais de cinco anos e uma hora e vinte de espera para vê-la, como aqueles que pouco a conheciam e foram muito bem apresentados. Quando se está diante de dezenas de pessoas gritando seu nome, é realmente difícil sair da cena e deixar a técnica desmontar o equipamento. Uma daquelas cenas que gostaríamos de congelar, seja qual for o lado em que estamos, queremos continuar compartilhando um momento único, que se define em inúmeras palavras, e agora pode ser descrito como “Uma Boa Lembrança”.

SETLIST:
“Earthshaker Rock”
“I Rule The Ruins”
“East Meets West”
“Hellbound”
“The Night of The Warlock”
“Burning The Witches”
“Running From The Devil”
“Egypt (The Chains Are On)” (DIO)
“Für Immer”
“We Are The Metalheads”
“True As Steel”
“Metal Racer”
“Haunted Hart"
“You’re My Family”
“Breaking The Law” (JUDAS PRIEST)
“All We Are”

Bis 1
“Fight For Rock”
“Love Me In Black”
“Metal Tango”

Bis 2
“Unholy Love"

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Dia da Mulher
10 nomes femininos de destaque no hard rock

Todas as matérias e notícias sobre "Doro Pesch"

Doro Pesch
"Para mim, o Heavy Metal sempre significou liberdade!"

Corey Taylor
Sonhando com sexo grupal com Lita Ford e Doro Pesch

Kiss
As dez mais pesadas releituras de músicas da banda

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Doro Pesch"

Metallica
A capa do "Death Magnetic" lembra uma vagina?

João Gordo
Meteu a mão na cara do Cazuza por ele ser folgado

Iron Maiden
As 10 melhores músicas da atual formação

Chinese Democracy: Talaricagem, galinheiros e megalomaniaMetallica: Lars é um bom baterista? Mike Portnoy explicaTempo implacável: os rockstars também envelhecem parte 1Slayer: as dez piores músicas da bandaLed Zeppelin: Perguntas e Respostas sobre a bandaRotting Christ fala de polêmicas que os cercaram

Sobre Rodrigo Figliolini

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online