Em 28/03/2011 | Resenha - Iron Maiden (HSBC Arena, Rio de Janeiro, 28/03/11)

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Resenha - Iron Maiden (HSBC Arena, Rio de Janeiro, 28/03/11)

Por Fernanda Lira

  | Comentários:

Após uma tentativa de show mal-sucedida no domingo, o que me rendeu custos extras, stress e um artigo polêmico aqui no site, era finalmente hora de conferir se a produção teria o mínimo de competência de pelo menos ter trocado a pseudo-grade para segurar a multidão de fãs.

O texto representa a opinião do autor, não do Whiplash.Net ou de seus editores.

Imagem

Apesar de manter um pé atrás em relação a tudo, optei por chegar mais cedo para evitar problemas recorrentes. Pelo que me pareceu, não fui a única que teve essa idéia. Após um trânsito de quase três horas na Barra, cheguei à Arena e me surpreendi logo de cara com um dos primeiros resultados da provável tomada de atitude da Mondo Entretenimento: não havia fila! Perto da hora do show, a maioria dos pagantes já estava devidamente acomodada dentro da casa de show e isso não se devia ao fato de uma desistência em massa, como muitos imaginavam que ia acontecer. O que pude perceber foi que felizmente o público compareceu em peso, uma vez que, tanto a pista como as cadeiras de nível superior, estavam quase tão cheias como no dia anterior, o que significa que muitas pessoas souberam se virar com o famoso ‘jeitinho brasileiro’, arranjando entre trabalho e economias apertadas uma maneira de ver a Donzela.

Outra coisa que me deixou satisfeita foi o número de funcionários a mais disponibilizados pela casa. Contrariamente ao dia da catástrofe da grade, o que se via na segunda feira eram dezenas de pessoas a serviço do HSBC Arena, prontos para agilizar a entrada, dar informações e auxiliar o fã em qualquer dificuldade encontrada. Frente a tudo isso, não posso deixar de perguntar a mim mesma uma coisa: por que não fizeram isso no primeiro dia? Por que não colocaram logo de primeira uma grade decente e um atendimento beirando o organizado? Com certeza teriam evitado frustrações, gastos desnecessários e até processos.

Imagem

A noite só não ficou completa por um motivo: a banda Shadowside não pôde se apresentar novamente. Eles inclusive lançaram uma nota à imprensa explicando a situação, mas mesmo assim muitos ainda ficaram com vontade de ver a banda se apresentar, pois uma boa massa não havia conseguido na noite anterior. Uma pena, pois o show foi excelente. A jovem banda se mostrou muito competente e deixou claro o porquê foi digna de excursionar com o W.A.S.P. pela Europa há alguns meses atrás. No domingo apresentaram músicas de seus três álbuns, inclusive do que ainda nem foi lançado, o “Inner Monster Out”, que contará com diversas participações especiais, como a de membros do Dark Tranquility e Soilwork. Aliás, o grande destaque da curta, porém energizante apresentação deles ficou por conta de uma das músicas deste disco, a "Disrupted Reality", composição que mostra uma banda mais madura e agressiva, condizente com a postura deles todos no palco.

Imagem

Voltando ao show do Iron Maiden, o começo do show de segunda feira foi bem diferente do da noite anterior. Primeiro porque, felizmente, nenhuma grade cedeu, e segundo porque o público parecia ainda mais sedento em ver a banda ao vivo, gritando por ela em alto e bom som. Aliás, essa energia perdurou incessantemente pelo set inteiro, uma vez que os fãs cantaram em coro boa parte das músicas, das mais cadenciadas aos hits clássicos, e isso ficou visível desde o primeiro som, “The Final Frontier”, que me deixou impressionada: cada palavra foi entoada com muita propriedade pelo público. Tenho certeza que até aqueles muitos que criticaram o CD novo da banda deixaram, durante aqueles minutos, a implicância de lado e entraram no clima gostoso e contagiante da música.

Imagem

O palco, a não ser pelos backlines variados já típicos da banda, tinha uma composição bem diferente do comum para a banda, mas totalmente dentro da proposta do tema do último disco. Todos os componentes do palco tinham um misto de ar modernista com toques de ficção, e isso também se encaixa ao Eddie, que se transformou numa espécie de alien, bem parecido com aquela coisa aterrorizante do filme! Acho muito interessante quando as bandas inovam e mesmo assim não perdem a essência. Sem dúvida esse é um dos motivos que vem consagrando o Maiden ano após ano, mesmo depois de tanto tempo de estrada.

Imagem

Um ponto que foi polêmico desde o momento de sua revelação meses antes na internet foi a escolha do repertório. Eu esclarecerei minha opinião aqui, mas gostaria de enfatizar que entendo perfeitamente todos os diferentes pontos de vista que esse tópico gera. Muitos torceram o nariz devido ao fato de muitas faixas dos álbuns mais recentes terem sido tocadas, o que suprimiu a execução de vários clássicos. Eu, particularmente, adorei a decisão, afinal, quando se vê a banda um bom número de vezes, é muito legal poder vivenciar situações diferentes a cada apresentação, tornando cada turnê da banda singular. Para os headbangers de primeira viagem, eles mantêm os já indispensáveis hits como "Fear of the Dark" e "The Number of the Beast". Se eu fosse reclamar dessa escolha de set list, também acharia justo reclamar sobre o fato de eles nunca terem tocado jóias raras como "Alexander, the Great", por exemplo. O que eu quero dizer é que uma banda do porte do Iron Maiden não tem como fazer um set list que satisfaça todos os fãs, exatamente porque eles têm uma discografia extensa e recheada de sons maravilhosos e imperdíveis. Depois de já ter ouvido gente reclamar do set da turnê anterior, que contemplava a fase mais antiga, eu não tenho dúvida em afirmar que em impossível agradar a todos, a menos que a próxima turnê consista em shows de 40 horas, onde eles tocassem todos seus álbuns!

A única coisa que eu sugeriria à banda se tivesse a oportunidade de encontrá-los seria trocar algumas músicas escolhidas do último CD. Uma "Mother of Mercy" ali cairia como uma luva. Aliás, esse novo repertório foi o fator que proporcionou os pontos altos do show, que foram "Coming Home", porque com ela os membros transmitiram ao público exatamente a vibe da banda no momento atual, seja com cada acorde tocado perfeitamente, a atenção aos detalhes e tudo o mais, "Dance of Death", que me fez chorar por causa do clima incrível que ela causou naquele momento, com a concentração e devoção de cada músico, principalmente Bruce, que praticamente nos contou uma história através de seu show de interpretação, e, por fim a "Blood Brothers". Essa última, e todos devem concordar, foi mais tocante por causa do discurso de Dickinson sobre os ocorridos na Líbia e no Japão. Ele ressaltou que mesmo com todos os problemas que todos passamos ao redor do mundo, somos através do metal um só, ou irmãos de sangue, como o titulo da música sugere. Haja coração pra tantas sensações legais!

Imagem

Creio que não tenha nada de novo para comentar sobre a postura da banda: como sempre, a presença de palco é um show à parte. Nicko imponente e palhaço atrás de seu set enorme de bateria, Steve Harris (mestre) tocando absurdamente seu Fender e cantando bons trechos de suas composições, Adrian e Dave executando seus solos, mesmo quando levemente alterados, com maestria, Janick Gers com sua postura que chega a incomodar alguns fãs que o chamam de forcado e Bruce cantando com o coracão cada palavra das letras e sendo bem humorado sempre que podia, inclusive quando citou sobre as novas grades adquiridas pela produção!

Infelizmente, quando chegou a “Running Free”, chegou também o fim do show. Digo infelizmente porque desde o adiamento do show, achei que eles fossem nos presentear com uma ‘bônus track’ em recompensa a tudo o que passamos naquela noite infernal de domingo. Mas quando os assobios de "Always Look On the Bright Side of Life", do Monty Python, soaram, tenho certeza que ninguém reclamou, pois a noite tinha sido perfeita. Afinal, reafirmo aqui, noites inesquecíveis são o que o Iron Maiden sabe fazer de melhor!

Imagem

Agradecimento especial para Diego Pirozzi, meu companheiro carioca nas duas noites de show, seja com grade derrubada ou erguida!

Fotos: Fernanda Lira

Imagem

Imagem

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.

Outras resenhas de Iron Maiden (HSBC Arena, Rio de Janeiro, 28/03/11)

Iron Maiden no RJ: Longe da Última Fronteira!
Iron Maiden: Fronteiras no Rio de Janeiro
Iron Maiden no Rio: Performance incrível e arrebatadora
Iron Maiden: Agora sim o show completo no Rio de Janeiro!


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Resenhas de Shows
Todas as matérias sobre "Iron Maiden"

Jon Lord: um timaço prestando tributo, veja vídeo
Separados no nascimento: Steve Harris e Bruce Campbell
Rock e metal: o outro lado das capas de discos
Iron Maiden: Steve Harris nunca gostou de "Flight of Icarus"?
1º de abril: Dois primeiros do Maiden serão regravados com Bruce
Bruce Dickinson: 450 mil dólares na maior aeronave do mundo
Iron Maiden: Gastão Moreira repassa as vindas da banda ao Brasil
Bruno Sutter: "Run To The Lepo Lepo" no Motorcycle Rock Cruise
Dj Yahel: Iron Maiden bombando numa Rave
Iron Maiden: fãs de Fortaleza ajudam crianças desnutridas
Iron Maiden: a semelhança com uma capa do Earth Wind & Fire
Bruce Dickinson: cantor pilotará jatinho em maratona beneficente
Guitar World: 10 Álbuns clássicos essenciais do Metal
Iron Maiden: Rachel Sheherazade testa conhecimentos sobre a banda
Riffs Battle: Crazy Train vs Two Minutes to Midnight: semifinais

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Fernanda Lira

Sem descrição cadastrada.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas