Millencolin: fãs saem do show com o mesmo sorriso da banda

Resenha - Millencolin (Fundição Progresso, Rio de Janeiro, 13/11/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Gabriel von Borell
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Comemorando os dez anos do álbum “Pennybridge Pioneers”, o Millencolin veio ao Brasil na última semana para fazer quatro apresentações pelo país. Uma delas aconteceria em Santos, mas a data foi transferida para o Rio de Janeiro. Sorte do público carioca. A banda sueca de punk/hardcore fez um show empolgante para a plateia da cidade maravilhosa. Sem uma grande produção, o Millencolin subiu ao palco da Fundição Progresso de forma discreta e tocou na íntregra o seu disco de maior sucesso na primeira parte do show. A abertura com as famosas “No Cigar” e “Fox” levou o público ao delírio logo de cara. Embora o local não estivesse cheio, os fãs mais animados passeavam por cima das cabeças que estavam próximas a grade, enquanto outros pulavam para serem jogados para o alto pela galera. Uma roda gigante volta e meia se abria na Fundição Progresso para as pessoas empurrarem umas as outras. No maior fair play. Quando alguém se desequilibrava e caía no chão, meia dúzia ia lá para ajudar a pessoa a se levantar. Como sempre deve ser.

Axl Rose: "tomo muito cuidado com minha voz"Mortes em 2014: Rockstars e pessoas ligadas que nos deixaram

E assim a apresentação do Millencolin transcorreu sem problemas, apesar do entusiasmo da platéia. O grupo seguiu enlouquecendo os fãs com “Penguins & Polarbears”, “Devil Me” e “The Mayfly”. Simpáticos, Nikola Sarcevic (baixo e vocal), Mathias Färm (guitarra e vocal de apoio), Fredrik Larzon (bateria) e Erik Ohlsson (guitarra e vocal de apoio) interagiram o tempo todo com os fãs. Mostraram, inclusive, que são tão apaixonados por futebol quanto nós brasileiros. Nikola brincou ao dizer que eles tinham o melhor jogador do planeta, o também sueco Ibrahimovic, que joga pelo Milan da Itália.

Na hora de executar a última canção de “Pennybridge Pioneers”, o Millencolin chamou uma fã ao palco para cantar o refrão de “The Ballad” junto com a banda. A menina estava tão empolgada que não só cantou o primeiro refrão como se recusou a deixar o palco quando um segurança veio retirá-la. O grupo permitiu que ela ficasse e, entre beijos e abraços nos integrantes, a menina permaneceu no palco até quase o final da música.

Depois disto, o Millencolin saiu de cena e retornou para a segunda parte da apresentação, dedicada a canções mais antigas do grupo. Os fãs seguiram na mesma animação da primeira metade do show e cantaram com fervor faixas como “The Story of my Life”, “Mr. Clean” e “Dance Craze”. O Millencolin encerrou a noite com “Black Eye” e se despediu da platéia com um sorriso de satisfação no rosto. Já o público carioca, não compareceu em peso, mas quem estava por lá também deixou a Fundição Progresso com o mesmo sorriso da banda.

Set list:
1- No Cigar
2- Fox
3- Material Boy
4- Duckpond
5- Right About Now
6- Penguins & Polarbears
7- Hellman
8- Devil Me
9- Stop to Think
10- The Mayfly
11- Highway Donkey
12- A-Ten
13- Pepper
14- The Ballad

Bis 1:

15- The Story of My Life
16- Random I Am
17- Vixen
18- Lozin' Must
19- Buzzer
20- Killercrush
21- Mr. Clean

Bis 2:

22- Bullion
23- Dance Craze
24- Black Eye

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Todas as matérias e notícias sobre "Millencolin"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Millencolin"

Axl Rose
"Tomo muito cuidado com minha voz"

Mortes em 2014
Rockstars e pessoas ligadas que nos deixaram

Led Zeppelin
O lendário solo de bateria de John Bonham

Separados no nascimento: Paul McCartney e Kiko do ChavesRingo Starr: baterista ignora fãs em São PauloMetallica: os motivos da saída de Jason NewstedKeith Richards: passeio movido a drogas com John LennonJudas Priest: Halford explica os motivos de sua saída nos anos 90Bill Ward: não ouvi o "13", é muito doloroso pra mim

Sobre Gabriel von Borell

Gabriel von Borell, nascido em 30/03/85, jornalista. Não vive sem música e também não se apega a rótulos musicais. Acredita que todo preconceito é burro, inclusive o musical. Escuta de tudo um pouco, considerando que um jornalista deve estar aberto pra conhecer e comentar sobre qualquer músico ou banda. Pode ser encontrado no Twitter em @gabrielborell.

Mais matérias de Gabriel von Borell no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online