Kreator e Exodus: parte da história do Thrash em São Paulo

Resenha - Kreator e Exodus (Via Funchal, São Paulo, 31/10/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Paulo Gadioli
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Duas das mais emblemáticas bandas da história do Thrash Metal mundial resolveram fazer uma visita ao Brasil. Ambas já haviam visitado o país há não muito tempo, mas, dessa vez, para a alegria dos numerosos fãs das bandas, vieram juntas. A banda alemã Kreator visitou o país no ano de 2005, realizando um show devastador no Espaço das Américas. Desde então, lançaram o álbum “Hordes of Chaos”, e é justamente esse disco que vieram divulgar. Outro grande atrativo deste show era o “convidado especial”. Ninguém menos que a lenda californiana Exodus. Os norte-americanos estiveram por aqui em 2007, e vêm dessa vez embalados pelo sucesso que a regravação “Let There Be Blood”, lançada em 2009, está fazendo.

Loudwire: os dez melhores álbuns de thrash metal do século 21Solos: Alguns dos mais bonitos do Heavy Metal

A fila já era grande desde cedo no Via Funchal. Os fãs esperavam o início do show, que ficaria por conta do Exodus. Praticamente às 22h00 em ponto, o que não é muito comum em shows no geral, inicia-se nos PA’s uma introdução instrumental. As luzes são apagadas. A expectativa já toma conta de todos. Alguns chegam atrasados, correndo para não perderem nenhum momento. Quando começou a imortalizada intro do clássico “Bonded By Blood”, as pessoas não se agüentavam de ansiedade. Foram necessárias quatro contagens para dar início a uma devastação sonora que se prolongaria pelo resto da noite. A energia dos músicos era contagiante, Gary Holt, desde o momento inicial, corria como um louco de um lado para o outro do palco, sentindo e retribuindo a energia que o público apresentava.

A apresentação contou com a apresentação de outros clássicos como “A Lesson in Violence”, “Piranha”, todas retiradas do primeiro álbum da banda, o icônico “Bonded by Blood”. Álbum este que, inclusive, foi regravado recentemente pela banda. Regravado da forma como a banda se encontra hoje, em um lugar muito diferente da onde estava em 198x. Hoje o que vemos é um Exodus mais pesado do que rápido, apostando em afinações baixas e nos rasgados e potentes vocais de Rob Dukes.

O som ficou um pouco comprometido durante o show. Devido às afinações baixas que a banda adotou a partir de “Tempo of the Damned”, o som acaba ficando um pouco embolada. Talvez também seja esta uma possível explicação para o porquê das músicas acabarem soando um pouco mais lentas ao vivo. Se as mesmas fossem tocadas mais rápidas, é possível que o som se embolasse ainda mais. Foram apresentadas também músicas dos últimos álbuns, entre elas “Children of a Worthless God”, que pareceu ser uma preferida do público, que cantava e não parava o moshpit nem por um segundo.

O Exodus provou ser, novamente, uma das bandas mais energéticas no palco. O que restava era saber se o público se agüentaria de pé para assistir mais uma apresentação. Kreator estava por vir.

Seria difícil simplesmente manter a energia do show anterior, quanto mais superá-la. Mas o que fez a diferença foi justamente a banda que estava por vir. O Kreator já se firmou como uma das maiores bandas do mundo, e foi só começar a sempre utilizada intro “Choir of the Damned” para que qualquer resquício de cansaço presente nos fãs fosse embora. A música que veio a seguir foi “Hordes of Chaos”, do álbum mais recente de mesmo nome.

Mesmo com a falta do baterista original, Ventor – ausente da turnê por problemas pessoais, a banda mostrou um entrosamento bom com o substituto Marco Minnemann, conhecido por seu trabalho com a banda Necrophagist. “Phobia” foi a próxima canção, levando todos os fãs ao delírio. Seguida pelos clássicos “Terrible Certainty” e “Betrayer”, o Kreator provou para todos que, mesmo com o passar do tempo, a banda continua conseguindo executar os antigos clássicos com a mesma velocidade e precisão do começo.

O frontman Mille Petrozza se mostrou comunicativo, como sempre. Talvez até excessivamente. Por ser um show conjunto, as bandas já não dispunham de muito tempo, e perder a oportunidade de tocar alguma das músicas clássicas da banda para fazer algum discurso não muito relevante pareceu uma opção não muito interessante. Mas, de qualquer jeito, todos pareceram gostar dessa aproximação do vocalista/guitarrista com o público.

Após um solo de bateria do “novato” baterista que acompanhava os alemães, “Warcurse” foi tocada. O final não fugiu do que a banda está acostumada a fazer, mas ainda assim arranca arrepios dos fãs. Empunhando uma bandeira vermelha do Kreator, Petrozza invocou todos a levantarem a bandeira do ódio. Assim deu início ao combo matador “Flag of Hate” seguida de “Tormentor”, que já encerra o show da banda há muito tempo.

Todos saíram atordoados da sequencia, e os próprios integrantes da banda se surpreenderam. Já estavam nessa turnê há dois meses, Kreator e Exodus tocando juntos pela América Latina, e foi aqui que encerraram tudo, no derradeiro show em São Paulo. Foi, definitivamente, um fechamento com chave de ouro.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Kreator e Exodus (Via Funchal, São Paulo, 31/10/2009)

Kreator e Exodus: duas lendas Thrash em São Paulo

Thrash Metal
Os 10 melhores discos do século 21, segundo o Loudwire

Loudwire: os dez melhores álbuns de thrash metal do século 21Todas as matérias e notícias sobre "Exodus"

Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1989

Slayer
Gary Holt fala sobre as bandas, censura e Jeff Hanneman

Exodus
"Vão se fuder aqueles babacas", diz Rob Dukes

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Kreator"Todas as matérias sobre "Exodus"

Solos
Alguns dos mais bonitos do Heavy Metal

Guns N' Roses
Axl mandou expulsar Steven Adler de show?

The Voice
Candidato faz power metal cantado em português

Top 10: dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idadeBon Scott, o eterno Rocker...David Bowie: A filmografia do camaleãoJudas Priest: Análise vocal de Rob HalfordIron Maiden: vídeo dos bastidores da remasterização dos 15 álbunsNX Zero: "É bom para o rock estar longe da TV aberta"

Sobre Paulo Gadioli

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online