Heaven & Hell: cobertura do show no Mofodeu

Resenha - Heaven & Hell (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 17/05/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Vitor Bemvindo, Fonte: MOFODEU
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

"Geezer and the Threes Wops" foi como ficou conhecida a formação do BLACK SABBATH após o lançamento disco "Mob Rules", de 1981. Wop é um termo pejorativo que faz referência à ascendência italiana de Tony Iommi, Ronnie James Dio e Vinny Appice, que acabara de entrar na banda. Na noite do último domingo, os carcamanos, juntamente com seu amigo Butler, estiveram no Rio de Janeiro, desta vez sob o nome de HEAVEN & HELL.

Felipe Andreoli: "Se você quiser se arriscar a ligar para o ex-cantor do Angra..."Motörhead: 18 pérolas da sabedoria de Lemmy

O nome é mero detalhe, mas o fato é que a banda que se apresentou na Cidade Maravilhosa fez história no Heavy Metal. O que hoje chamam de Heaven & Hell, no começo dos anos 80, revitalizou a vida do grupo mais importante do rock pesado. Por isso, nós do MOFODEU, nos recusamos a chamar a reunião de Butler, Dio, Iommi e Appice de outro nome que não seja Black Sabbath.

Boa parte dos presentes pareciam compartilhar da nossa opinião e, mesmo antes de começar o show, gritavam em uníssono: "Sabbath, Sabbath, Sabbath...". O público não lotou a casa, mas pode-se dizer que estava com uns 70% da lotação total, o que é surpreendente para shows de rock no Rio, que andam bem vazios.

Quando a introdução "E5150" foi irrompida pelo pesado som da clássica da Gibson SG de Tony Iommi, nenhum dos presentes duvidaram que estavam realmente diante do Sabbath. O riff de "The Mob Rules" foi a senha para que todos fossem à loucura e começassem a cantar junto com o gigante de um metro e meio, Ronnie James Dio.

Apesar do som sempre um pouco "embolado" do Citibank Hall, o público seguia os mestres do Heavy Metal. Quando Dio entoou os primeiros versos de "Children of the Sea", iniciava-se a demonstração do talento de uma das grandes vozes do rock. Um dos clássicos do disco "Heaven and Hell" (1980), a canção tem grande apelo quando tocada ao vivo. Trata-se de uma composição típica de Dio no Sabbath, uma introdução lenta com vocais melódicos, para depois a entrada de um riff avassalador de Iommi.

Em seguida veio a boa "I", do disco "Dehumanizer" (1992), sem dúvida uma das melhores faixas do disco que marcou a primeira reunião do Sabbath com a formação atual. A interpretação ao vivo é ainda mais empolgante e já vinha sendo tocada por Dio em suas últimas turnês em carreira solo.

"Bible Black" foi a primeira canção do novo álbum, "The Devil You Know", executada no Rio. A canção também é o primeiro single do disco e foi muito bem recebida pelo público que, em boa parte, já conseguia acompanhar a letra, em especial o refrão.

Uma das inovações da turnê de 2009 foi a introdução de "Time Machine" no set list da banda. A música, lançada originalmente no "Dehumanizer" (1992), veio acompanhada de um solo de bateria curto (como todos deveriam ser) e honesto de Vinny Appice. O menos conhecido dos carcamanos do quarteto tem feito com honradez as vezes nas baquetas do Sabbath, sempre que solicitado. Mas é evidente a diferença de talento e carisma entre Appice e o batera original do Sabbath, Bill Ward. Sem dúvida a ausência de Ward foi sentida por muitos dos que foram ao show.

"Time Machine" é uma das boas músicas do bom e descriminado disco "Dehumanizer", porém, não há dúvidas que canções do mesmo álbum como "TV Crimes" ou "Computer God" teriam melhor aceitação, por serem mais conhecidas.

A apresentação de novos temas se seguiu com "Fear", sem dúvida uma das mais interessantes do novo trabalho. O ineditismo da canção fez com que o público não se empolgasse muito, apesar da levada agitada e bom riff.

Seguiu-se a excelente "Falling Off the Edge of the World", música do "Mob Rules" (1981), que tem o DNA das composições de Ronnie James Dio. Ela segue a receita de introdução lenta e vocais melódicos interrompidos pelo peso dos riffs de Iommi. Apesar de não ser tão conhecida como outras que também seguem a receita como "The Sing of the Southern Cross", trata-se de uma das melhores canções da Dio Era no Black Sabbath, principalmente por não ser tão arrastada como a citada. Praticamente um épico. Impossível não bater cabeça ouvindo o riff dessa música. Um dos pontos altos do show.

O interessante é que um dos pontos altos veio seguido do ponto baixo, a nova e chatíssima "Follow The Tears". A escolha da faixa foi extremamente infeliz. Dá uma impressão equivocada do novo disco, "The Devil You Know", que tem boas canções como "Eating the Cannibals" (que funcionaria muito bem ao vivo), "Rock and Roll Angel" ou outra das boas canções do disco. O estilo arrastado ao extremo e o refrão repetitivo e pegajoso de "Follow The Tears" não honram as tradições da banda.

Quando o suplício terminou o público foi recompensado com um dos maiores clássicos do Black Sabbath, em especial da Dio Era, "Die Young" do "Heaven and Hell". Dúvido que algum dos presentes conseguiu manter os pés no chão durante os pouco mais de cinco minutos desse maravilhoso tema, que foi introduzido por um solo do mestre Iommi.

Em seguida veio o momento em que todos esperavam: os gritos de "ô, ô ô ô... " introduziram a canção que dá nome a nova encarnação da banda: "Heaven and Hell". Impossível não se emocionar com aqueles acordes, em especial a clássica linha de baixo, tocada magistralmente pelo mestre Geezer Butler. Os dedos frenéticos da mão direita de Butler pareciam agitar ainda mais o público. O único problema foi a versão por demais estendida da música, que a torna um tanto quanto cansativa. A canção mais que dobrou de duração, entremeada por solos de guitarra e pelo grande Ronnie James Dio que convidou diversas vezes os presentes a entoar juntos a canção. Bom demais, mais podia ser mais curto, dando espaço para colocar mais canções no set. Mas não dá pra reclamar muito, pois a música é o carro-chefe da banda.

A banda deixou o palco sob fortes aplausos, para voltar, minutos mais tardes, com mais uma novidade da atual turnê. Eles tocaram alguns minutos de mais uma ótima música do excelente álbum "Mob Rules", de 1981: "Country Girl". Excelente, pena não tocar inteira. Talvez se tocassem alguns minutos menos em "Heaven and Hell", desse para tocá-la na íntegra.

"Country Girl" fez parte de um medley que encerrou o show com mais um clássico: "Neon Knights", o petardo que abre o álbum "Heaven and Hell" (1980). Todos pularam a exaustão e foram embora com a sensação de ter presenciado um dos grandes espetáculos da nata do som pesado.

Os pontos fracos não foram capazes de prejudicar uma apresentação história dos mestres do Heavy Metal. Uma aula de Rock and Roll com muito peso e talento. O talento do grande fabricador de riffs, Tony Iommi, os frenéticos dedos de Geezer Butler, a presença de palco inigualável de Ronnie James Dio e a competência de Vinny Appice formam uma perfeita combinação que pode ser chamada do que quiser. O que importa é que eles sempre levarão a diante o legado do bom e velho Black Sabbath.

No link abaixo, fotos, vídeos e dois programas especiais inspirados na vinda do Heaven & Hell.

http://www.mofodeu.com/

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Heaven & Hell (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 17/05/2009)

Heaven & Hell: Show histórico e noite de reverência no Rio

Todas as matérias e notícias sobre "Heaven And Hell"

Black Sabbath
Reuniões, qual se saiu melhor?

Black Sabbath
Tony Iommi explica a diferença entre Dio e Ozzy Osbourne

Tony Iommi
"Às vezes gostaria de ser destro"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Heaven And Hell"

Felipe Andreoli
"Se você quiser se arriscar a ligar para o ex-cantor do Angra..."

Motörhead
18 pérolas da sabedoria de Lemmy

Rolling Stone
As 500 melhores músicas segundo a revista

Guns N' Roses: "último show foi em 1990", diz ex-empresárioVinil, CD ou arquivos: Quem vence esse embate histórico?Bandas Novas: como vocês NÃO devem tratar o técnico de somDavid Gilmour: Pink Floyd já era, acabouBass Hero: "o quem é quem nas quatro cordas", parte 1Guns N' Roses: em vídeo, 10 momentos inesquecíveis de Axl Rose

Sobre Vitor Bemvindo

Historiador de formação, tem verdadeira adoração pelo Rock and Roll desde sua infância. Seu instinto de pesquisador fez com que "se especializasse" em bandas velhas, especificamente as das décadas de 1960 e 1970. Produz e apresenta o MOFODEU (www.mofodeu.com), o Programa que tira o MOFO do ROCK, juntamente com seu parceiro Luiz Felipe Freitas (a Enciclopédia do Rock). O Programa está no ar desde 2007, tocando só bandas sessentista e setentistas sempre com muita informação e bom humor.

Mais matérias de Vitor Bemvindo no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online