Resenha - Circle II Circle (Bar do Tom, Rio de Janeiro, 15/07/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Lívia Bueno e Felipe Waquim
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Com muita disposição, em um show próximo dos fãs, o CIRCLE II CIRCLE mostrou a força do Metal em uma apresentação que merecia um público maior, mas que apesar das dificuldades da produção de um evento como este no Rio, foi um grande show de Rock.
Fail!: algumas das releituras de rock mais bizarras8 de Dezembro: a data mais macabra do rock

Com pouca divulgação e vindo de um período com muitos shows internacionais como Ozzy, Whitesnake e Megadeth, o CIIC ainda sofreu com o pouco conhecimento do público carioca e até com São Pedro, que fez o tempo virar poucas horas antes, o que pode ter feito com que muitos “metaleiros” ficassem em casa assistindo clipes do Savatage no YouTube, ao invés de irem presenciar ao vivo o CIIC. Mesmo com um público pequeno, estimado em cerca de 120 pessoas, Zak e cia., tocaram com a vontade, e o ânimo que se espera quando se tem oportunidade de ver artistas internacionais tocando por aqui, além do carisma necessário em um show tão próximo da platéia, em que se podia até cumprimentar o (ótimo) vocalista, Zak Stevens, durante a execução das músicas.

A noite começou com a banda Thorn, fazendo um show morno, que serviu para mostrar que a banda tem bastante potencial, mas ainda carece de maior experiência de palco. A falta de público pode ter contribuído para um certo travamento.

Por volta das 22h Zak Stevens (Vocal), Paul Michael Stewart (baixo e teclados), Tom Drennan (bateria) e Evan Christopher e Andrew Lee (guitarristas), iniciaram o show do Circle II Circle. A platéia, apesar de pequena, respondia ao espírito da banda. Mesmo não conhecendo algumas músicas, todos batiam cabeça e gritavam junto com Zak, mostrando que não estavam apenas vendo o show do ex-vocalista do Savatage, mas estavam realmente empolgados com a banda que ali se apresentava.

Zak por muitas vezes comentou que estava doente, provavelmente resfriado, mas que não decepcionaria os fãs cariocas. E não decepcionou mesmo. Cantou sem poupar a voz até nas músicas mais pesadas, e se não fosse dito pelo próprio, talvez não fosse possível perceber que Stevens estava ali “no sacrifício”.

Apesar do ótimo show, as pausas dos solos foram momentos opostos para os músicos. Enquanto Tom Drennan quebrou tudo e levou a galera ao delírio em seu solo de bateria, antecedendo a pesada “Heal You”, Andrew Lee, meio que em um ataque de estrelismo, reclamou das luzes da casa que estavam apagadas, e, após alguns minutos, simplesmente parou o solo no meio, o que deixou o público tão atônito que nem mereceu aplausos. As luzes então foram acesas, como pediu o guitarrista, mas já não havia clima para continuar a performance virtuosística, e este acabou sendo o único ponto negativo do show. Ainda com cara de poucos amigos, Lee avançou logo para a próxima música e continuou com seus solos rápidos e com feeling, deixando alguns fãs babando na beira do palco.

Depois de muito peso, Zak Stevens faz uma performance apenas com voz e piano ao lado de Paul Stewart. Neste momento percebe-se que realmente estava complicado para o vocalista e sua voz começa a falhar, mas nada que comprometesse a música ou deixasse de emocionar os fãs, que ouviam esta versão de “Watchin In Silence” e “If I Go Away”.

Para encerrar, um medley relembrando Savatage (como não poderia faltar) com “He Carves His Stone”, “Follow Me” ”Taunting Cobras” e (para delírio geral) “Edge Of Thorns”.

Apesar de todos estarem presentes pelo show do CIIC, foi inegável que o ponto alto foram as músicas do Savatage, mais conhecidas pela platéia. Enfim, para encerramento Zak e Tom trocam de lugar e surpreendem a todos ao dizer que suas origens foram na batera e nos vocais, respectivamente. E quase num clima de ensaio com os amigos, a banda encerra ao som de “TNT” do AC/DC.

Uma pena que um show como este, numa cidade carente de apresentações de grandes bandas gringas, tivesse um público tão pequeno e muito abaixo do que a banda principal da noite merecia. E apesar disso, o Circle II Circle mostrou uma postura profissional e ao mesmo tempo apaixonada pelo metal, apresentando-se com vontade, com um repertório de quase duas horas (mesmo com o vocalista doente). Importante salientar também a boa qualidade do som do Bar do Tom, que vem sendo um ponto complicado em muitas casas de show, mesmo de grande porte, no Rio de Janeiro. É excelente poder assistir confortavelmente a um show de metal, mas é desagradável a notória ausência de público em eventos como este.

Mas como já está provado, o Metal sempre sobrevive!

Set list da noite:

All That remains
Sea of white
Evermore
Waiting
So many reasons
Tom Solo
Heal You
Live as one
Fatal Warning
Soulbreaker
Messiah
Andy Solo
Revelations
Dead of Dawn
Forever
Watchin in silence
If I go away
He Carves his stones / Follow me/ Taunting cobras / Edge of thorns
TNT

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Todas as matérias e notícias sobre "Circle II Circle"

Exportando metal
Músicos brasileiros que atuam ou já atuaram em bandas gringas

Bill Hudson
Bangers do BR são persecutivos e têm baixa autoestima

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Circle II Circle"

Fail!
Algumas das releituras de rock mais bizarras

8 de Dezembro
A data mais macabra do rock

Guns N' Roses
Axl Rose flagrado em crise de fúria na Argentina?

Megadeth: Dave Mustaine é contra o casamento gayKiss: admitindo usar playback em shows ao vivoMetallica: "St. Anger foi uma declaração", diz HetfieldLegião Urbana: "Brasil está muito pior do que em Que País é Este"Pearl Jam: O autoplágio de Eddie Vedder?Ghost: bem confortável com a ideia de não ser mais anônimos

Sobre Lívia Bueno

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Sobre Felipe Waquim

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online