Resenha - Deep Purple (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 22/02/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Estaria o Deep Purple tornando-se uma espécie de Ray Conniff do rock? Porque cá entre nós, a freqüência com a qual somos visitados pela banda para uma turnê brasileira é impressionante. Foram exatos três shows nos últimos três anos! E sem contar que a banda não lançou nenhum CD de estúdio desde “Rapture Of The Deep” (2005). Mas, ao invés de continuar reclamando deste fato, me juntarei aos fãs que celebram a alegria de poderem ver o bom show de Ian Gillan, Roger Glover, Ian Paice, Steve Morse e Don Airey várias vezes, afinal, a banda está chegando a seu quadragésimo aniversário, e para nós é uma honra e felicidade ser visitados por um dos grupos mais influentes do rock setentista.

Fotos: Rodrigo Scelza

Esta turnê inicialmente foi divulgada como a “We All Come Down To Montreaux Tour”, em alusão ao lançamento do recente CD/DVD que cobriu a aparição do Purple no renomado festival de mesmo nome (que originou a música “Smoke On The Water).
Esta informação seria negada dias mais tarde pelo próprio baixista Roger Glover, que alegou que esta turnê seria apenas uma comemoração dos 40 anos da banda, e que simplesmente eles não entravam em estúdio porque para a banda “gravar não é algo que dê retorno no momento”. Com tantos downloads ilegais por aí, não chega a ser bobeira sua convicção, mas se por um lado os downloads prejudicam a venda de CD´s, por outro os shows são sempre uma boa oportunidade de reunir vários fãs, e foi o que aconteceu, num Citibank Hall sem mesas e cadeiras (ALELUIA!), que se não estava lotado, ficou longe de parecer vazio.

O show estava marcado para começar às 22hs, mas dois fatores foram determinantes para um atraso de quase duas horas: na fila do show fomos informados que a banda Inquisição tocaria um “set” de 30 minutos como banda de abertura (fato que não constava) da programação original, e problemas com o equipamento da banda. Tal fez com que, no horário previsto para o começo do show, nem a banda de abertura tinha se apresentado. Os mesmos só subiram ao palco às 22:30 (aproximadamente) e detonaram um “set” de 5 músicas, com uma sonoridade altamente influenciada por Black Sabbath e uma boa recepção por parte do público. Não conhecia a banda, mas a coragem de encarar uma platéia sedenta por Gillan e Cia. por si só já lhes valia muitos aplausos. Uma boa versão de “Mob Rules” encerrou o “set” de uma banda que estava nervosa, mas segurou a onda com garra.

Passavam das 23h quando fomos informados sobre o problema com o equipamento da banda (a produção foi obrigada a alugar boa parte do mesmo, inclusive o kit de bateria de Ian Paice, em cima da hora), enquanto músicos e “roadies” tentavam acertar o som. Perto da meia noite as luzes se apagam e “Jump” (Van Halen), numa versão “bluegrass” soa no Citibank Hall. Era a deixa para Ian subir na bateria e a banda entrar com tudo ao som de “Pictures Of Home” e “Things I Never Said” (“bonus track” japonesa de “Rapture Of The Deep”). Sem perder muito tempo, e com certo nervosismo, emendam “Into The Fire” e a excelente “Strange Kind Of Woman”. De cara Ian Gillan mostrou estar bem melhor do que em 2005 (não compareci ao show do Riocentro), quando tocaram na mesma casa, e Roger Glover parecia o vovô garotão que corre, agita e transborda empolgação

Neste momento do show a banda já demonstrava estar mais relaxada (o som estava muito bom, considerando os problemas ocorridos) e Ian Gillan era carisma puro, mesmo sofrendo com a idade (talvez de todos os integrantes seja ele quem demonstre que os anos fizeram seu serviço). Mas o Deep Purple não para e “Rapture Of The Deep” e a surpresa “Mary Long” (de “Who Tho We Think We Are” de 1973) funcionam muito bem, assim como a “nova” “Kiss Tomorrow Goodbye”. Neste ponto era hora de Steve Morse fazer seu já tradicional solo (“Well Dressed Guitar” – curiosamente a banda permaneceu no palco, inclusive Ian Gillan em boa parte do mesmo), no qual ele brinca com “riffs” e frases de bandas famosas. Aí está o ponto polêmico do show. Eu entendo perfeitamente que Steve quer brincar com a platéia, e de fato isso funciona muito bem, e que o mesmo é um grande guitarrista, mas para uma banda com 40 anos de serviços prestados ao rock, e com um espectro musical amplo e mágico como o Purple, porque ele não puxa solos ou frases da própria banda? Eu preferiria muito mais ouvir o “riff” de “Burn” do que o de “Sweet Child O´Mine”. Nessas horas tenho que dar ouvidos aos que dizem: “Blackmore faz falta...”

Terminado o solo de Morse a banda toca “The Battle Rages On”, a grande surpresa, e que é bem recebida por todos (do último CD com Ritchie, de 1993), assim como “Lazy”, que é seguida por um solo contido de Don Airey (achei meio forçado... um tanto quanto desleixado) abrindo espaço para o urro fenomenal ouvido na casa ao soarem os primeiros momentos de “Perfect Strangers”, seguida pelas não menos matadoras “Space Trucking”, “Highway Star” (a famosa “intro” crescente que a banda faz há anos”), e o hino mais que obrigatório “Smoke On The Water”. Uma sequência que não deixa pedra sobre pedra. A banda se despede e ecos de “Black Night” são ouvidos da platéia.

Como a voz do povo é a voz de Deus a banda retorna executando “Black Night”, deixando “Hush” de fora (esta sequência já era do conhecimento do público e constava no “set” oficial), encerrando com bastante emoção 90 minutos de puro rock.

Podem reclamar que poucas mudanças foram feitas na seleção de músicas, que existem milhões de canções do Purple que merecem ser ouvidas, e que Gillan não tem mais a mesma voz, mas a bateria precisa de Paice (um monstro) e a performance mais que convincente da banda evidenciam que o Purple ainda tem muito o que mostrar para aqueles que querem (e precisam) aprender o que é rock and roll. E tenho dito!

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Deep Purple (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 22/02/2008)

Resenha - Deep Purple (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 22/02/2008)

Rock e Metal
Doze ótimos álbuns para iniciantes

Smoke on the Water: jovens garotas tocam clássico do Deep PurpleDeep Purple: gravadora deu a ideia para título de novo discoDeep Purple: Roger Glover garante que turnê do "adeus" será longaDeep Purple: confira nova música, "All I Got Is You"Todas as matérias e notícias sobre "Deep Purple"

David Coverdale
"Não consigo evitar o riso quando vejo as gravadoras!"

Deep Purple
Coverdale diz que tentou reunião com Blackmore

Grandes mestres
Qual a hora de parar?

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Deep Purple"

David Lee Roth
No auge, strippers, cocaína, maconha e Jack Daniel's

Sepultura
"O vocalista deles não estava lá no começo, né?"

Dave Mustaine
Kiko é o primeiro que me intimida desde Friedman

Kiss: Paul Stanley fala sobre perda auditiva na CNNDio: "Ozzy me odeia quando estou no Sabbath!"Guitar World: os 100 piores solos de guitarra da históriaProto-Metal: 10 das canções mais pesadas feitas nos anos sessentaBlack Sabbath: quem deveria interpretá-los em um filme?Kurt Cobain: empresário rezou que morte tivesse sido assassinato

Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online