Resenha - Marilyn Manson (Via Funchal, São Paulo, 26/09/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Eduardo S. Contro
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Em plena noite de quarta-feira, dia 26, milhares de fãs compareceram ao Via Funchal para assistir a apresentação de Marilyn Manson, cerca de uma década após sua primeira passagem pelas terras brasucas.

Fotos: Elisabete Joyce

Muita coisa mudou durante esse longo tempo: a idade chegou, o sucesso que Manson detinha no final dos anos 90 praticamente se exauriu, como também a banda toda foi reformulada do seu auge até hoje (exceto pelo baterista Ginger Fish).

É certo que a maior parte dos fãs não se importava com isso, afinal esperaram muito por este momento. A empolgação era tanta que algumas pessoas dormiram na porta do Via Funchal dias antes do show, e, na data da apresentação, a fila já era grande logo de manhã.

O retrato de tudo isso: cansaço. Em uma pequena contagem antes mesmo do show começar, foram cerca de 30 pessoas passando mal retiradas pelos seguranças da grade.

Voltando ao que importa, a abertura da noite ficou por conta da banda Maldita, que é bastante conhecida na cena independente e que tem muito a ver com a sonoridade do Manson. Os caras do Rio tocaram por cerca de meia hora, mas sem conseguir agitar muito o público.

Após o show, as luzes voltaram a se acender e a espera foi longa. A apresentação de Manson, marcada para as 22h, teve um belo atraso e começou apenas às 22h40.

Brian Warner e sua trupe subiram no palco em uma intro com direito a explosão e muita fumaça, dando o toque do que se poderia esperar, pelo menos a princípio. A banda logo em seguida tomou posição e abriu a noite com “If I Was Your Vampire”, música do seu novo e FRAQUÍSSIMO trabalho, intitulado “Eat Me, Drink Me”. Para minha surpresa, a música agradou.

Na seqüência, veio a boa “Disposible Teens” pra agitar de vez a noite. Aliás, falando em set, a apresentação com certeza não agradou os fãs mais antigos, já que foi recheado de músicas novas, além de ter sido curtíssima.

Em relação à performance de Manson, o rockstar com seu microfone em formato de punhal agitou bastante, e brincou com o público. O ponto alto de interação foi em “Lunch Box”, em que Manson pediu para que a platéia cantasse com ele, tendo sido prontamente atendido.

Porém, quando falamos de um dos frontmans mais conhecidos por suas performances inusitadas no palco, Manson foi bastante comportado. Com certeza seus 38 anos já o impedem de fazer as loucuras da época do "Antichrist". Trocou apenas algumas vezes de roupa. Nada de cenário, pouquíssimos efeitos, sem telão e sem canhão.

Os demais integrantes, aliás, não vale nem mencionar. Com todo o respeito a Chris Vrenna e aos outros, que falta fazem Twiggy, Pogo e John 5. Aliás, Manson sem Twiggy... é complicado imaginar um show assim, presenciar então, pior.

O ponto alto do show ficou por conta de "Sweet Dreams" e pra fechar em grande estilo, a banda mandou sua música mais famosa, “Beautiful People”, que levou o público ao delírio e selou a (muito provavelmente) ultima passagem de Marilyn Manson por aqui.

No total, foram apenas 1 hora e 15 minutos de show. Curtíssimo!

Via-se na fisionomia dos fãs que eles saíam de lá muito contentes por poderem ver mais uma vez o seu maior ídolo. Pra quem esperou 10 anos por um dos grandes mitos do rock dos anos 90, porém, foi muito pouco. O Mr. Superstar poderia ter se esforçado um pouco mais.

Set:
Intro
If I Was Your Vampire
Disposable Teens
mOBSCENE
Irresponsible Hate Anthem
Just A Car Crash Away
Sweet Dreams - Lunchbox
The Fight Song
Putting Holes In Happiness
Heart-Shapped Glasses
The Dope Show
Rock is Dead
The Reflecting God
The Beatiful People

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Marilyn Manson (Via Funchal, São Paulo, 26/09/2007)

Resenha - Marilyn Manson (Via Funchal, São Paulo, 26/09/2007)Resenha - Marilyn Manson (Via Funchal, São Paulo, 26/09/2007)

Lançamentos
Discos de rock/metal que chegam a público em fevereiro

Marilyn Manson: teaser de possível novo vídeo está no InstagramMarilyn Manson: respondendo à publicação da Alternative PressMarilyn Manson: mensagem misteriosa no InstagramTodas as matérias e notícias sobre "Marilyn Manson"

Boatos no rock
Satanismo, supositórios, sexo bizarro?

Marilyn Manson
Respondendo fãs na Bizarre Magazine

Curiosidades
Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatos

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Marilyn Manson"

Baixistas
Membro mais importante das bandas, segundo cientistas

Metal Hammer
Dez capas que provocam ânsia de vômito

Collectors Room
Conheça uma invejável coleção de ítens do Slayer

Axl Rose: ajudando a confortar garçonete que sofreu ofensa racistaJudas Priest: Dickinson critica Rob por uso de telepromptersMaridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoBateristas: livro mostra em fotos como eles enxergam o showRoqueiro poser: 100 regras essenciais para se tornar umDimebag Darrell: comentando turnê com Black Sabbath em 1999

Sobre Eduardo S. Contro

Assessor de imprensa, nascido em 1982. Músico nas horas vagas, sua história com o rock começou aos 7 anos de idade. Na época, fazia reuniões com os amigos para ouvir Guns, Rolling Stones, Beatles e afins. Aos 12 se tornou fã do estilo Grunge e, como muitos jovens rockeiros, logo passou a ouvir metal, graças ao Iron Maiden. Hoje é bastante eclético. Escuta de tudo um pouco, de rock progressivo setentão a Black Metal. Desde 1996 (ano da criação do Whiplash!) acompanhou o crescimento e desenvolvimento do site e hoje se sente feliz por fazer parte dessa família. Sempre disposto a conhecer bandas novas e discutir sobre os rumos da música, vive em busca de contribuir para a evolução do rock brasileiro.

Mais matérias de Eduardo S. Contro no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online