Resenha - Marilyn Manson (Via Funchal, São Paulo, 26/09/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Fernão Silveira
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

São Paulo assistiu nesta quarta-feira à noite a um dos shows mais esperados e valorizados (literalmente, em termos financeiros também) de 2007: MARILYN MANSON. Pois o "Anticristo Superstar", que hoje vive uma fase muito mais reflexiva (e menos porrada) em sua carreira, cumpriu estritamente o papel que se esperava e apresentou aos fãs que tomaram a Via Funchal um show profissional, energético e correto – embora bastante carente de recursos visuais e muito curto (só 1h20 de música).

Marilyn Manson: teaser de possível novo vídeo está no InstagramMayhem: banda levou restos humanos para o palco em 2011

Quem - como eu - leu algumas críticas "especializadas" (leia-se: da chamada "grande imprensa") do show que Manson e trupe fizeram na Fundição Progresso, no Rio de Janeiro, na véspera (terça-feira, 25/9), talvez tenha chegado à Via Funchal com expectativas muito mais modestas - como eu, confesso. Mas MARILYN MANSON fez um bom show em São Paulo, provavelmente melhor que o do Rio – embora eu não tenha assistido ao show carioca (seria legal, ler no fórum do Whiplash!, as opiniões dos nossos amigos da Cidade Maravilhosa...)

No show de São Paulo - ao contrário do que ocorreu no Rio, com a queda de energia que interrompeu o espetáculo por quase 10 minutos -, tudo correu bem. Manson até que interagiu com a platéia, que era formada majoritariamente por jovens (muitos pré-adolescentes) fantasiados como ele. E a banda caprichou no som, mostrando uma boa pegada no palco.

A apresentação foi aberta com "If I Was Your Vampire", do mais recente álbum, "Eat Me, Drink Me". O aperitivo foi okay, mas o show só pegou fogo quando Manson disparou "Disposable Teens" e "Mobscene", os primeiros hits a fazerem o chão da Via Funchal tremer.

Para apresentar ao público paulistano as músicas de seu novo trabalho, que é menos impactante que os demais (e bem pior, segundo a opinião da maioria dos fãs mais antigos), Manson apelou à estratégia de intercalar hits marcantes com faixas mais lentas de "Eat Me, Drink Me". Foi assim que a Via Funchal recebeu músicas como a boa "Putting Holes in Happiness", "Just a Car Crash Away" e "Heart-Shaped Glasses (When the Heart Guides)".

Mas o que pagou o ingresso foi a exibição dos grandes hits de Manson. "Sweet Dreams (Are Made of This)", por exemplo, foi cantada em coro, assim como "Fight Song", "Rock is Dead", "Reflecting God" e "Dope Show". Pena que o bis tenha sido tão magrinho – apenas "The Beautiful People" foi executada, pulando a nova "Are You the Rabbit?" (de "Eat Me, Drink Me").

O pouco tempo de show e a total ausência de recursos cênicos – o fato de Manson ter trocado 'n' vezes de chapéus e casacos não conta – certamente foram notados, ainda mais por fãs que se acostumaram a ver (por DVD ou pelo YouTube) clipes e shows performáticos, incendiários e iconoclastas do roqueiro americano.

Talvez essa economia de extravagâncias seja proposital, querendo Manson mostrar que sua nova fase é muito mais "séria" e focada no som. Mas, convenhamos, o velho "Anticristo Superstar" era muito mais divertido do que esse vampiro blasé que o Brasil viu nesta turnê de 2007.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Marilyn Manson (Via Funchal, São Paulo, 26/09/2007)

Resenha - Marilyn Manson (Via Funchal, São Paulo, 26/09/2007)Resenha - Marilyn Manson (Via Funchal, São Paulo, 26/09/2007)

Lançamentos
Discos de rock/metal que chegam a público em fevereiro

Marilyn Manson: teaser de possível novo vídeo está no InstagramMarilyn Manson: respondendo à publicação da Alternative PressMarilyn Manson: mensagem misteriosa no InstagramTodas as matérias e notícias sobre "Marilyn Manson"

Marilyn Manson
As pinturas em aquarela do vocalista

Rockstars
Mais alguns pedidos estranhos dos artistas

Oh, não!
Clássicos que foram "estragados" pelo tempo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Marilyn Manson"

Mayhem
Banda levou restos humanos pro palco na França

Metal
10 passos para você se tornar um verdadeiro metalhead

Kiss Fm
As 500 mais pedidas na programação em 2008

Trues em desespero: Lemmy Kilmister gosta de EvanescenceHair Metal: Os maiores cabelos da história do rock pesadoMetallica: "Tocar para 80.000 fãs no Brasil é inimaginável"Metallica: quando Lombardo e Jordison substituíram Lars UlrichO Metaleiro: "Beijinho no Ombro e depois quebra a guita no chão"Twisted Sister: Dee Snider detona falecido baterista AJ Pero

Sobre Fernão Silveira

Paulistano, são-paulino, nascido nos "loucos anos 70" (1979 ainda é década de 70, certo?) e jornalista. Sua profissão já o levou a cobrir momentos antológicos da história da humanidade, como o título paulista do São Caetano, a conquista da Copa do Brasil pelo Santo André, a visita de Paris Hilton a São Paulo e shows de bandas como Judas Priest, Whitesnake, W.A.S.P., Megadeth, Slayer, Scorpions, Slipknot, Sepultura e por aí vai. Ainda tem muito gás para o nobre ofício jornalístico, mas acha que não vai muito mais longe depois de ter entrevistado Blackie Lawless, Glenn Tipton, Rogério Ceni e, claro, Paris Hilton.

Mais matérias de Fernão Silveira no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online