Resenha - UDO (DirecTV Music Hall, São Paulo, 05/03/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Fotos: Anderson Guimarães

Valeu a pena esperar tanto tempo. Se nos anos 80 e 90 o Accept nunca conseguiu emplacar uma turnê brasileira, seu vocalista Udo Dirkschneider finalmente conseguiu se apresentar em nosso país com sua banda UDO. Infelizmente ver o Accept de novo reunido parece cada vez mais impossível, mas UDO com seus companheiros de banda Stefan Kauffman (ex-baterista do Accept) na guitarra, Igor Gianola na guitarra, Fitty Wienhold no baixo e Lorenzo Milani na bateria conseguiram suprir essa necessidade, tocando muitos clássicos do Accept além de músicas da sólida e consistente carreira da banda UDO.

O anúncio desta turnê, que teve shows em São Paulo e Curitiba fez tremer o coração de vários fãs, que lotaram o Directv Music Hall na 6ª feira do dia 5 de março. Um dia antes, a banda havia concedido uma concorrida noite de autógrafos no Manifesto Bar, aonde não estivemos presentes, mas por informações soubemos que o bar estava lotado.

Cerca de 3000 pessoas lotaram a casa para ver UDO e seus asseclas, sedentos por heavy metal. Devido ao caótico trânsito paulista, que permite engarrafamentos monstruosos em qualquer hora do dia, não conseguimos chegar a tempo de conferir os shows de abertura das bandas EXECUTER e HELLISH WAR, porém soubemos que ambas cumpriram de maneira exemplar o dever de aquecer os fãs para o show principal, caindo nas graças do público.

Perto das 23 horas as luzes se apagam e a banda começa a entrar no palco, dando início ao massacre sonoro com dois sons do novo cd "THUNDERBALL", "Thunderball" e "The Bullet and the Bomb", ambos bem pesados e com fortes influências de Accept, coisa que UDO não faz a menor questão de abandonar (graças a DEUS!). "Metal Heart" viria em seguida, deixando os fãs já malucos.

Uma bem elaborada sequência de músicas de UDO veio a seguir, com um público participativo, mas um pouco distante, porém todos aplaudiram "Independence Day", "Metal Eaters" e "Living for Tonight", que foi seguida por um solo desnecessário de bateria. Lorenzo Milani não é um mau baterista, e cumpre seu papel com bastante competência, mas a escolha de seu solo foi infeliz, só valendo para interagir com o público. "TV War" e a pesadíssima "Man and Machine" foram bem executadas, assim com "Neon Nights" e a fantástica "Animal House" (neste momento o público já mostrava forte interação com a banda, que por muitas vezes estendeu as músicas para brincar com a galera).

"Hard Attack" (do cd "Predator", último cd de estúdio do Accept" abriu caminho para uma sessão matadora começando pela mais que clássica "Balls to the Walls" (o público foi a loucura quando Stefan deu início ao famoso "riff') e seguiu com "Princess of the Dawn" e "I'm a Rebel". A banda novamente estendeu as músicas e o público adorou, cantando a plenos pulmões cada refrão. Por sinal, UDO tem como companheiros de banda ótimos músicos: Stefan é um guitarrista correto, que não exagera, deixando os malabarismos para Igor, que os faz com precisão. Fitty é um excelente baixista e Lorenzo um bom baterista.
Para falar de UDO, é preciso deixar um parágrafo em separado: ele não tem a maior voz do mundo, nem o maior carisma. Mas sua postura no palco, extremamente agressiva, e seu estilo o deixam com uma personalidade única, fazendo dele um "frontman" de respeito. Considerando que o jogo já estava ganho desde o início, foi fácil para UDO se divertir com os fãs, agradecendo o tempo todo, e se desculpando por nunca ter vindo com o Accept ao Brasil.

Para fechar o show, nada melhor que mais Accept, e um "medley" de "Restless and Wild" e "Son of a Bitch" seguida por "Fast as a Shark" deixou o público com aquele gostinho de "quero mais". Mas o show havia acabado, com quase duas horas de puro heavy metal.

O show apresentou alguns problemas técnicos, principalmente com as guitarras de Igor e Stefan, que falharam algumas vezes, e com o vocal de UDO, muito baixo em alguns momentos, mas nada que não pudesse ser sanado rapidamente, e o que podemos concluir? Uma lenda viva do metal como uma bola de fogo por nossas cabeças, e quem viu, viu. Quem não viu, não sabe o que perdeu!

Agradecimentos:

-Top Link (Paulo Barón)
-Cie Brasil (Luciana Stabille)

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Top 20
Discos recentes de bandas clássicas tão bons quanto os antigos

UDO: Lá e de volta uma última vezAccept: o melhor material ao vivo de sua carreiraTodas as matérias e notícias sobre "Accept"

Udo Dirkschneider
A bizarra semelhança com um astro da Sessão da Tarde

Alemanha
As dez maiores bandas de Metal do país

AC/DC
Udo diz que ninguém o chamou e comenta atuação de Axl Rose

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Udo"Todas as matérias sobre "Accept"

Avenged Sevenfold
Desmistificando o ódio pela banda

Fotos de Infância
Os membros do Red Hot Chili Peppers antes da fama

Jimi Hendrix
12 coisas que talvez você não saiba sobre ele

Vícios: As 10 melhores músicas sobre drogasAC/DC: Phil Rudd quebra silêncio sobre prisão e saída do grupoMMA: os lutadores que curtem Rock e Heavy MetalSammy Hagar: "os caras do Van Halen não pensam nos fãs"Axl Rose: o que ocorreu quando o confundiram com Bon JoviAC/DC: Onde está Phil Rudd no site da banda?

Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online