Resenha - Dio (DirecTV Hall, São Paulo, 05/04/2001)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Fernanda Zorzetto e Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Review e fotos em São Paulo por Fernanda Zorzetto
Review e fotos em Belo Horizonte por Thiago Corrêa

Blend Guitar: em vídeo, as dez maiores bandas de Heavy MetalMetallica: os fantasticos carros de James Hetfield

São Paulo - 05/04 - DirectTV Hall

Imagem
Após 4 anos sem se apresentar no Brasil, Dio vem pela quinta vez ao país, para divulgar seu último álbum, "Magica". Ele esteve no Brasil em 92 com o Sabbath, em 95 solo, em 97 para o Skol Rock e no ano passado fez uma participação especial no show do orquestrado do Deep Purple.

Em quase duas horas de show e casa lotada, a apresentação de Ronnie James Dio em São Paulo começou com pouco mais de uma hora de atraso. O público presente de cerca de 6 mil pessoas foi agitado do começo ao fim do show pelos clássicos do Rainbow, Sabbath e carreira solo do Dio.

Imagem
A banda formada pelo guitarrista Craig Goldy, o baixista Jimmy Bain, o batera Simon Wright (ex-AC/DC) e o tecladista Scott Warren, abre o show com Sunset Superman e logo na terceira música, Simon faz um solo de bateria. A apresentação seguiu com faixas do "Magica", álbum lançado no ano passado e que a tour está divulgando, que não empolgaram tanto o público por serem mais lentas e conceituais.

Não faltaram as tradicionais "Dont Talk to Strangers", "Holy Diver" e "Rainbow in the Dark", além da excelente "Losing my Insanity" e um medley de "Man on the Silver Mountain" com "Long Live Rock & Roll". Fechando o show, foram tocadas "Gypsy" e "We Rock" no bis. Vale o destaque para "Heaven & Hell" que foi muito bem executada e levou todo o público cantar junto. O guitarrista Craig Goldy foi o ponto negativo do show, mudando completamente alguns solos originais e muitas vezes atropelando o vocal de Dio nos finais das frases. O tecladista, com o mesmo problema, deixou bastante a desejar.

Imagem
O destaque da tão esperada apresentação foi, além dos clássicos é claro, o carisma de Dio, que mostra como poucos de sua geração, que ainda faz um trabalho honesto e gosta do que faz. Em mais de duas horas de show, Dio prova porque é considerado um dos melhores vocalistas que o metal já conheceu à beira dos seus 60 anos de idade.


Belo Horizonte - 06/04 - Estação 767

Imagem
O show de Dio e sua banda em Belo Horizonte explicitou o que todo mundo já sabia. A cidade precisa de uma casa para eventos com público razoavelmente grande, como a Estação 767, mas com uma qualidade de som bem superior, condições higiênicas básicas e aparência menos deprimente.

Para quem não conhece, a Estação 767 se localiza em um dos lugares mais pedreiras de Belo Horizonte e há anos, varia suas atividades entre depósito, casa de show e até estacionamento. Nenhum problema até aí. Afinal, para grande parte das pessoas, principalmente esses infelizes que colocam de pé esses locais para espetáculos, metaleiro é porco e só pode ter portas abertas em lugares sujos, com vidros quebrados, iluminação precária e qualidade sonora abaixo da crítica, como a 767. Então é simples, é só abrir o depósito e colocar a manada.

Imagem
O pior disso tudo é que, infelizmente, há um grupo de supostos fãs de metal que fazem por onde manter essa imagem. Eu iria além, me arriscando a dizer que não chegam a ser grupos e sim, imbecis isolados no meio da multidão, fazendo baderna e prejudicando a festa de quem realmente gosta de música. E algumas dessas figuras estavam no show do ex-vocalista de Black Sabbath e Rainbow, arrancando extintores de incêndio, arrumando briga e tumultuando ainda mais, o já pouco seguro local.

Diante de todos esses obstáculos e de um público relativamente grande, as bandas mineiras Thespian e Concreto se apresentaram. A primeira, já havia mostrado na abertura para o Stratovarius, que tem condições de alcançar um lugar ao sol no cenário nacional. Confirmou isso na abertura para o lendário Dio. Metal melódico interessante, com bons músicos. Nada de esplêndido, mas algo a ser checado. A segunda, fez o de sempre. Empolgou, causou alvoroço e fez com que se abrissem várias rodas de mosh, com músicos e composições de qualidade discutível.

Imagem
Por volta de uma da manhã, foram dados os primeiros sinais da entrada de uma das figuras mais célebres e carismáticas da história do metal. Lá estava o brilhante Dio, acompanhado por Craig Goldy na guitarra, Jimmy Bain baixo e o ex-AC/DC, Simon Wright, na bateria.

É impressionante como, mesmo com a ‘chegada da idade’, Dio mantém uma qualidade técnica invejável, com a voz poderosa e firme de sempre. Também absurda é a capacidade de Ronnie puxar a platéia, levá-la para onde bem entende e comandar o espetáculo. Ele conseguiu, mesmo com várias músicas do novo álbum, “Magica”, desconhecido por muitos, trazer o público e empolgar em boa parte de sua apresentação.

Imagem
O set list foi bem programado, típico de quem sabe divulgar um trabalho. A variação entre músicas do disco mais recente e clássicos deu certo e conseguiu manter os presentes acesos. O solo de bateria, que normalmente deixa muita gente cochilando, foi estrategicamente inserido no começo do show, quando todos ainda estavam no pique, animados. O que não deu muito certo foi o solo de guitarra, entre as músicas “Eriel” e “Challis”. Craig Goldy tira um som bem legal de sua guitarra, com riffs interessantes e bastante peso. Isso quando acompanhado pelo grupo. Sozinho não dá. O cara é um baita de um ‘engana trouxa’. O solo é fraco e fica ainda pior quando ele cisma em mostrar uma técnica que não tem, como ficou claro na pequena parte de sofrível ‘two hands’.

Muita baderna entre o público e algumas coisas voando no palco, irritaram Dio. O cantor pediu a ajuda de um tradutor, desceu o sermão na galera e deu um ultimato: ou paravam com a palhaçada ou não tinha mais show. A intervenção foi na hora certa e deu resultado.

Imagem
O som estava razoável nas proximidades do palco. Porém, na parte de trás, o bicho pegava. O jeito era prestar atenção e lembrar dos discos, porque a guitarra soava embolada, o vocal vinha lá no alto e bateria e baixo estavam muito abafados. Desse jeito, fica complicado. Porém, aqueles, com ouvidos mais limpos e, com certeza, mais lesados após o show, puderam fazer a festa com um set list longo, que continha “Fever Dreams”, “The Last In Line”, “Magica”, “Heaven & Hell”, “Holy Diver”, “Rainbow In The Dark”, “Stand Up & Shout”, “Don’t Talk To Strangers”, “Invisible”, “Otherworld”, “Man On The Silver Mountain” e outras grandes composições, que marcaram a carreira deste verdadeiro Deus do Metal.

Se Dio saiu pensando em voltar à capital mineira algum dia, não se sabe. Porém, é certo que, mesmo com a baixa qualidade de som e todos os problemas enfrentados, o público saiu satisfeito e empolgado com o que viu.

http://www.ronniejamesdio.com

Cogumelo Records
Augusto de Lima, 555 - Loja 32
Belo Horizonte - MG - BRASIL CEP 30.190-000
Fone/Fax: (31) 3224-0493
http://www.cogumelo.com
email: cogumelo@cogumelo.com

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Rock e Metal
Doze ótimos álbuns para iniciantes

Blend Guitar: em vídeo, as dez maiores bandas de Heavy MetalRock e Metal: em vídeo, as 10 despedidas mais épicas da históriaRonnie James Dio: assista ao show do holograma no Pollstar AwardsTodas as matérias e notícias sobre "Dio"

Geezer Butler
"Grande parte da minha vida se foi com Ronnie!"

Ronnie James Dio
Demitido do Rainbow por não compor músicas comerciais

Doug Aldrich para Dee Snider
"Você é um verdadeiro idiota!"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Dio"

Metallica
Os fantasticos carros de James Hetfield

Capas de álbuns
A história das artes de alguns dos maiores clássicos

Slayer
Kerry King lista suas músicas favoritas do Megadeth

Death: "Chuck Schuldiner não era um cara simpático!"Sexo: como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?Morre Diabo: ele aprendeu a tocar guitarra e virou um shredderSmoke on the Water: gravação que reuniu bandas clássicas em 1989Lobão na Veja: "Vou fazer uma camiseta 100% elite branca"Angra: Ricardo Confessori fala sobre a música "Nothing to Say"

Sobre Fernanda Zorzetto

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Fernanda Zorzetto no Whiplash.Net.

Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online