On The Road: "Jeff Beck é Jeff Beck"

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

On The Road: "Jeff Beck é Jeff Beck"


  | Comentários:

Dizem que atrás de todo arco íris tem um pote de ouro e dizem também que tem sempre um dia na sua vida que é o dia. Nem estava pensando nisso quando com grande ansiedade saí do excelente show de Allen Toussaint no NEW ORLEANS JAZZ & HERITAGE FESTIVAL para o palco onde tocaria o inventor da guitarra elétrica: o monstro sagrado JEFF BECK.

Já escrevi por aqui minha obsessão pelo homem, mas fazia exatos 11 anos da última vez que o tinha visto no palco, quando larguei meu filho de 15 dias de nascido e fui pro show no Rio. Minha mulher indignada me ridicularizou, mas eu disse o pleonasmo como se fosse uma oração beata: “Tenho que ir - Jeff Beck é Jeff Beck”. Isso virou uma piada familiar que é usada até hoje contra mim.

Imagem

Caminhando para lá pude perceber que estava no contra fluxo, pois a multidão ululante e ignara caminhava solene para o set do PEARL JAM. Eu uniformizado com minha camiseta de excursão de 75 customizada ia abrindo caminho desta vez com minha mulher ao lado pra ver a fera de perto. Tinha uma boa multidão lá e quando entrei na área reservada fui abordado pelo guitarrista local Darren Murphy, que tinha conhecido num boteco da Bourbon Street choramingando e dizendo que este era o sonho de sua vida e que tinha assistido moleque um show dele com FLEETWOOD MAC em 77 em que, por problemas técnicos, ele havia abandonado o palco depois de quatro músicas: “comecei a tocar guitarra depois disso” gemeu o bom guitarrista (mais um, pensei comigo).

A platéia estava um capitulo a parte; texanos de chapelão e charuto, peruas, uns rastafaris e uma senhora de vestido florido e chapelão que perguntava se alguém tinha “some marijuana”. Meu companheiro de viagem (no sentido amplo), o oráculo de Campo Largo – Ruy Dikran soltou um "barbaridade” característico e vaticinou: "Hoje vais ser a day in our lifes”. Os roadies espalhavam flores no palco quando sobre grande estrondo adentrou a lenda acompanhado de Jason Rabello (teclados), Ronda Smith (baixo) e Narada Michael Walden (bateria) com uma matadora versão de "Stratus". O mestre está bastante envelhecido, muito magro com uma tintura de cabelo próxima do acaju nervoso e uma ropicha que deve ter saído do guarda roupa do Serguei. Vários braceletes e um anelão completavam o visu.

Imagem

Ruy (bela camiseta!), Vigo e Zema
O domínio que o homem tem do instrumento é total e ele sabe disso. Cem por cento do que sai daquela fender Branca é pensado e processado aproveitando o máximo das possibilidades e efeitos. O troço acaba ficando de uma simplicidade total. Cada música traz uma usina de idéias e detalhes impressionantes. O uso da alavanca, microfonia e volume é perfeito. As idéias são muito ricas e vão se sucedendo em avalanche. Meu velho amigo e tecladista Zemalord estava extático e perplexo e Ruy Dikran clamava aos céus algum outro vaticínio entre as densas nuvens.

"People get ready" apareceu numa versão impressionante, "A day in the life" sucedeu assim como uma surpreendente “I Wanna take you higher” do seminal Sly Stone. Ronda Smith é uma coisa muito séria no baixo e estava arrasadora. Narada Michael Walden manteve o altíssimo nível habitual. A cada momento a coisa ia ficando mais absurda e quando a versão de “Over the Rainbow" apareceu se ouviam gritos, sussurros e pranto convulso geral.

Imagem

No bis ele veio mostrar uma velha Les Paul onde tocou sobre base pré gravada de vozes e terminou em absoluto pandemônio visivelmente emocionado e feliz pois o enorme público estava em delírio absoluto. Narada Michael walden jogou as baquetas ali na primeira fila onde estávamos e o inacreditável aconteceu de novo. Marmanjos de todos os tamanhos pularam com desespero mas a dita cuja veio cair na mão de minha mulher que estava agora no chão pisoteada. Nem acreditei depois da palheta do Warren Haynes outra relíquia, a baqueta do grande Narada Michael Walden pra entregarmos pro nosso filho que ficou em casa. Ruy Dikran em êxtase extático tinha mirações e balbuciava algo sobre um pote de ouro over the rainbow e de como isso marcava nossas days in the life. Dizia isso com olhar de beato.

Fiquei preocupado e perguntei pra Paula se ela estava machucada, ela guardando a baqueta sorriu e me respondeu piscando: “Jeff Beck é Jeff Beck”. Ganhei o dia, O dia na vida.

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.

Esta é uma matéria antiga do Whiplash.Net. Por que destacamos matérias antigas?


  | Comentários:

Todas as matérias da seção On The Road
Todas as matérias sobre "Jeff Beck"

Jeff Beck: novo álbum deve ficar pronto até abril
Clapton, Beck e Malmsteen: homenagem aos 60 anos da Stratocaster
Jeff Beck: "Blow by Blow", sinônimo de fusion
Eric Clapton: veja trailer do longa-metragem Crossroads
Eric Clapton: vídeos das jams com Keith Richards e Jeff Beck
On The Road: biografia de Ron Wood é bem humorada e informativa
Jeff Beck: suspeita de chifre o fez perder Woodstock
Guitarristas: os sete mais influentes de todos os tempos
Vinny Appice: falando de Dio, Jeff Beck e Jimmy Page
Malmsteen: Satriani e Jeff Beck desafinam nos bends?
Joe Satriani: Van Halen e Jeff Beck seriam opções para G3
Jeff Beck: tocando música de Lady Gaga em show
Jeff Beck: comentando possível projeto com Robert Plant
Jeff Beck: recebendo título honorário em Universidade
Blog Destroyer: análise dos discos de Ron Wood e Jeff Beck

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Cláudio Vigo

Da safra de 62 , Claudio Vigo ganha a vida com a poesia, o jazz e o rock n roll. Paga as contas como arquiteto.

Mais matérias de Cláudio Vigo no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas