Atropina: banda fala sobre seus 20 anos de carreira e projetos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Carlos Henrique Schmidt, Fonte: Força Metal Br
Enviar correções  |  Comentários  | 

Completando seus 20 anos de existência, o ATROPINA, formado na cidade de Teutônia (RS) nos brinda com seu novo trabalho intitulado “Porões das Luxúrias". O vocalista Murilo falou com a Força Metal sobre estas duas décadas de dedicação ao Metal da Morte.

Metallica: Dave Mustaine resenha o "Hardwired... To Self-Destruct"Matt Sorum: músico se posiciona contra James Hetfield

Imagem

FMBR: Fale um pouco sobre a história da ATROPINA. Fatos, shows importantes.

Murilo: A ATROPINA foi criada em dezembro de 1996, e desde então vem executando sons próprios com letras em português, atacando fortemente o cristianismo e outras formas de controle de massas. Em 1998, gravamos a demo-tape "Louvar A Tudo por Nada“, material que foi lançado em Portugal através de um split com a banda Bestial. Em 2001, lançamos o cd "Santos de Porcelana", também lançado em Portugal através do selo Hallucination. Em 2004, devido as mudanças de estilo e formação decidimos trocar o nome da banda para LEGIS EDAX, com novo nome e letras em inglês lançamos, somente em formato digital em 2007, o álbum “Hideous Manipulation”. Nesse mesmo ano a banda decide dar uma pausa nas suas atividades. Cinco anos depois, a ATROPINA retomou as atividades com três integrantes da sua última formação (Alex, Mateus e Murillo) e com Cleomar (baixo) e Fernando (guitarra) passando a integrar o time. Com essa nova formação lançamos os álbuns Mallevs Maleficarvm, em 2014, e recentemente o Porões das Luxúrias. Quanto aos shows desde a nossa volta já tocamos ao lado de grandes bandas como como Krisiun, Mystifier, In Torment, Distraught, Mithrubick, Losna, Symphony Draconis, Harmony Fault, Khrophus e Sodamed, entre tantas outras.

Imagem

FMBR: Existe alguma temática central neste disco?

Murilo:Sim, é um disco conceitual. Depois de abordarmos o livro Mallevs Maleficarvm, que serviu de manual de caça às bruxas durante a Inquisição, resolvemos tocar em outra ferida do cristianismo, a hipocrisia e a luxúria do clero, presentes desde sempre na igreja. Estudamos alguns casos de porões de igrejas medievais recheadas de fetos abortados das próprias freiras que se escondiam nesses porões durante a gravidez. Sempre houve sexo nas igrejas, seja consensual, ou por estupro. Se no passado, as freiras se escondiam em porões durante a gravidez, e escondiam os corpos dos recém-nascidos nas paredes, hoje abortam silenciosamente em clínicas clandestinas. É a eterna lei do faça o que eu digo, não faça o que eu faço.

FMBR: Em relação ao primeiro da banda "Santos de Porcelana", ele atualmente está fora de catálogo, há planos de ser relançado, ou mesmo regravado?

Murilo: Regravamos a faixa título do Santos de Porcelana como faixa bônus no nosso novo trabalho, mas também pretendemos, em breve, relançar esse primeiro trabalho com uma remasterização.

Confira o restante da entrevista aqui.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Atropina"

Metallica
Dave Mustaine resenha o "Hardwired... To Self-Destruct"

Matt Sorum
Músico se posiciona contra James Hetfield

Hangar
Os discos que marcaram o baterista Aquiles Priester

Rolling Stone: As 500 melhores músicas segundo a revistaMegadeth: Dave Mustaine é contra o casamento gayMegadeth: O recadinho provocante da vocalista do HuntressAndreas Kisser: sim, Johnny Depp sabe tocar guitarraIndústria: Como as gravadoras fazem dinheiro hoje em diaJudas Priest: Halford chorou ao lembrar do último desejo de fã que morreu de câncer

Sobre Carlos Henrique Schmidt

Faz sua pequena parte em um universo chamado rock desde o início dos anos 90, seja comprando discos e ingressos, carregando cubos e caixas, traduzindo notícias, fazendo resenhas, escrevendo textos ou criando artes para eventos, mas, sempre fazendo o mais importante PARTICIPANDO.

Mais informações sobre Carlos Henrique Schmidt

Mais matérias de Carlos Henrique Schmidt no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online