Bandas: as dez mais turbulentas saídas de integrantes

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Bandas: as dez mais turbulentas saídas de integrantes

Traduzido por Raphael Barbosa | Fonte: Rolling Stone

  | Comentários:

Ter uma banda é, em vários aspectos, como estar engajado em um relacionamento romântico. Pessoas se encontram, faíscas surgem e, quando tudo dá certo, a mágica é feita. Alguns desses relacionamentos terminam rápido, outros duram por décadas, e alguns terminam em uma série de processos judiciais, socos a torto e a direito, e projetos solos insossos. Eis dez bandas que passaram por fins particularmente turbulentos. Esperamos que seus relacionamentos se desenrolem de forma bem melhor do que os que vêm a seguir.

Guns N' Roses

Imagem

Quando você põe um punhado de junkies e um megalomaníaco juntos em uma banda, os fãs hão de arcar com as consequências, cedo ou tarde. No caso do GUNS N’ ROSES, um tanto cedo. O grupo obteve grande destaque com o lançamento de “Appetite For Destruction” em 1987, mas, apenas três anos depois, o baterista original, Steven Adler, foi chutado em decorrência de seu vício em drogas. O GNR continuou, mas Axl Rose passou a subir ao palco incompreensivelmente atrasado. De acordo com Slash e Duff McKagan, ele se recusou a subir ao palco uma noite até que eles assinassem uma declaração abrindo mão dos direitos sobre o nome da banda – Axl contesta isso.

Seja lá o que tenha acontecido, quando a turnê de Use Your Illusion terminou, por volta do final de 1993, os membros do grupo seguiram caminhos separados. Desde então as coisas só têm piorado entre os membros da formação original. Axl chamou Slash de “câncer”, e chegou a se recusar a comparecer a cerimônia de introdução da banda ao Rock and Roll Hall of Fame porque seus ex-colegas de banda estariam presentes.

The Everly Brothers

Imagem

Brigas entre irmãos costumam ser as piores. Imagine passar décadas com seu irmão como seu parceiro de negócios e colaborador criativo: não há para onde correr. Depois de uma longa turnê, você observa do outro lado da mesa no almoço de família e lá está ele. Tenham uma briga horrenda e, logo mais, mamãe está no telefone dizendo-os para se desculpar um com o outro. É de deixar qualquer um louco.

THE EVERLY BROTHERS conseguiram segurar as pontas juntos durante seus primeiros 20 anos de carreira, mas o ponto de ebulição chegou quando Don apareceu bêbado para um show em Hollywood em 1973. Ele permaneceu errando as letras até que Phil surtou e o acertou com uma guitarra na cabeça. A única ocasião em que os irmãos se falaram durante o resto da década foi no funeral do pai. A situação se atenuou em 1983, quando decidiram embarcar numa lucrativa turnê de retorno, mas a tensão permaneceu. Após uma breve turnê pela Europa em 2005, nunca mais tocaram juntos.

Oasis

Imagem
Os irmãos Gallagher brigavam frequentemente nos primeiros anos do OASIS, mas foi só em 2009 que a coisa desandou de vez. O Oasis lançava um novo álbum a cada dois ou três anos e lotava arenas de shows pela Europa, para a alegria dos fãs nostálgicos, que viam em Noel e Liam como os novos John Lennon e Paul McCartney.

Em agosto de 2009, no entanto, duas décadas de tensão atingiram seu estopim nos bastidores de um festival em Paris. Os testemunhos variam, mas sabe-se que os irmãos se agrediram fisicamente e cancelaram o show. Pouco tempo depois, estava terminado o Oasis.

“É com certa tristeza e grande alívio que eu anuncio a minha saída do Oasis essa noite”, escreveu Noel pouco após o cancelamento do show. “Recebo cartas de fãs enaltecendo a banda, mas simplesmente não posso continuar trabalhando com Liam por mais um dia sequer”.

De acordo com as testemunhas, os dois irmãos discutiam fervorosamente no camarim quando Liam quebrou uma das guitarras de Noel. Então, começaram a trocar golpes. Eles nãos e falam desde então.

The Police

Imagem
THE POLICE foi fundado em 1977 pelo baterista Stewart Copeland, junto com o professor colegial Gordon “Sting” Sumner e o guitarrista Andy Summers. Cerca de um ano depois, se tornaram a grande sensação do rock, mas as tensões começaram a despontar à medida que Sting tomava as rédeas da banda. Os outros dois membros se sentiam como empregados e as brigas se tornaram frequentes, apesar da ascensão meteórica da banda.

Em suas memórias publicadas em 2006, One Train Later, Summers recordou uma briga da época em que banda gravava o LP “Ghosts In The Machine” (1981). “Sting se enfureceu comigo”, ele escreve. “ Me xingando de todos os palavrões existentes com veemência, deixando todos na sala pálidos de espanto”. Sting resumiu o problema do grupo em uma entrevista realizada em 2007 com a Rolling Stone. “Não tínhamos muito em comum”, disse. “Nós pertencíamos a diferentes gerações, no caso de Andy, unida por mera conveniência... Parte da frustração se deu pelo fato de que tanto Stewart quanto Andy eram mentes criativas. É difícil dizer alguém que tal música não é boa, e geralmente era eu quem apontava isso.” Sting desligou as luzes em 1984, após a longa turnê de promoção do álbum “Synchronicity”. “Não foi minha intenção punir Stewart e Andy de nenhuma maneira”, disse Sting. “Estava apenas seguindo meus instintos.”

The Eagles

Imagem
Por volta de 1980, THE EAGLES eram a maior banda nos EUA, mas o sucesso do grupo teve seus efeitos colaterais. Don Henley e Glenn Frey eram sujeitos intensos e impulsivos, tanto que outros dois membros da formação original, Bernie Leadon e Randy Meisner, já haviam saído por conta da atmosfera tóxica que permeava o grupo. Joe Walsh estava sempre bêbado/chapado demais para reclamar da falta de controle a esse ponto, e o novo baixista Timothy B. Schmit era prudentemente submisso. Mas o guitarrista Don Felder não suportaria ser tratado como um membro de segunda-classe.

Tensões tomavam conta por toda a turnê de promoção do álbum “The Long Run” (1979), mas pioraram em 1980, em um show de apoio ao senador Alan Cranston. Felder não queria a banda envolvida em questões políticas, e quando a esposa do senador foi conhecer a banda nos bastidores, ele disse: “Prazer em conhecê-la... eu acho”. Essas duas últimas palavras bastaram para despertar a fúria de Glenn Frey, e, enquanto dividiam o palco, ambos trocavam ameaças pelos microfones. “São só mais três, cara”, disse Frey. “Se prepara”. Ele estava, de fato, contando o número de músicas que faltavam antes que pudessem resolver a questão no punho nos bastidores. Felder partiu em suma limusine antes que a luta pudesse acontecer, e foi a última vez em que banda tocou junta por 14 anos.

The Clash

Imagem
Como o POLICE, THE CLASH teve dificuldade em lidar com o sucesso. O single de 1982 “Rock the Casbah” os transfigurou de uma banda punk em superstars da MTV. Ironicamente, a música havia sido escrita pelo baterista Topper Headon, que foi expulso da banda em função de seu vício em heroína antes que sua música começasse a decolar nas paradas. Quando o Clash abriu para o Who em sua “turnê de despedida”, Strummer e cia. tiveram a visão de um possível futuro: tocar sucessos antigos em arenas de futebol por grandes quantias. A ideia não lhes pareceu muito atraente.

Pior ainda, os membros da banda não conseguiam chegar a um consenso quanto à direção musical futura. O guitarrista Mick Jones começou a ter uma queda pelo hip-hop, o baixista Paul Simonon preferia o reggae e o frontman Joe Strummer defendia um retorno às raízes punk. Jones e Strummer mal se falavam quando retornaram de um longo hiato para se apresentar no US Festival, em 1983. O show não foi lá essas coisas, e os membros se sentiram como um bando de vendidos, tocando naquele show corporativo. Jones deixou a banda logo depois, e quanto menos for dito a respeito do “Cut the Crap” (1985), melhor.

Smashing Pumpkins

Imagem
Em poucas bandas há democracia de fato. Geralmente são um ou dois dos membros que dão as cartas, e os demais têm de aprender a conviver com isso. Quando não conseguem, as coisas tendem a ficar feias. O líder e principal compositor, Billy Corgan, insistia em tocar a maior parte das guitarras e do baixo na gravação do “Siamese Dream” (1993), o que não foi muito bem aceito pela baixista D’arcy Wretzke e pelo guitarrista James Iha. Os Pumpkins, contundo, se mantiveram estáveis até 1996, quando o tecladista Jonathan Melvoin morreu de overdose de heroína. O baterista Jimmy Charmberlin teve uma overdose naquela mesma noite e foi expulso da banda. Ele voltou em 1999, mas pouco tempo depois D’arcy saiu. A banda pendurou as chuteiras em dezembro de 2000.

Quatro anos depois, Billy explicou o que aconteceu. “A verdade é que James Iha rompeu com a banda”, disse. “Não fui eu, não foi Jimmy Chamberling, foi James. E o fato de D’arcy ter sido despedida por ser uma viciada instável que se recusava a procurar ajuda? Não, nada ajudou a manter a banda unida, de jeito algum”. Billy prossegue alegando que Iha terminou o último show sem lhe dizer uma palavra sequer. “Ele nem se despediu das duas pessoas que rodaram o mundo com ele”, disse. “Então, não vou mais defendê-lo, assim como não vou mais atestar a favor de tantas outras pessoas”.

Rage Against The Machine

Imagem
É lamentável que a melhor banda de rap-rock dos anos 90 tenha sido também a mais instável. Os três álbuns do RAGE AGAINST THE MACHINE são impecáveis, e eles chegaram a ser uma das melhores bandas ao vivo do momento. Mas por volta do ano 2000, tudo começou a ir por água abaixo. A banda agendou uma turnê de verão com os Beastie Boys, mas Mike D sofreu um acidente de moto e as datas foram suspensas. A banda continuou com seus shows, mas houve muita discussão em relação ao lançamento do álbum de covers “Renegades”.

O vocalista Zack de la Rocha acabou por anunciar sua saída em 18 de outubro de 2000. “Senti que era necessário deixar o Rage Against The Machine porque o processo de decisões se tornou completamente falho”, escreveu. “Não se trata mais de conciliar as aspirações de nós quatro coletivamente, como uma banda, e, sob minha perspectiva, isso minou nossos ideias artísticos e políticos”.

Apesar de terem voltado em 2007, continuam sem divulgar seus planos para o futuro. Resumindo, Zack não quer fazer coisa alguma, e os demais membros querem compor novas músicas e realizar turnês pelo mundo.

Pixies

Imagem
Se os PIXIES tivessem sobrevivido por dois ou mais anos, poderiam ter se tornado gigantes. Seus dois primeiros álbuns contêm algo do que há de melhor da música dos anos 80, o azar foi eles estarem muito a frente de seu tempo. Quando os EUA finalmente começaram a aceitar o rock alternativo, a banda já estava desgastada. Em suma, o frontman Black Francis e a baixista Kin Deal não se davam lá muito bem.

Eles se conheceram quando Deal respondeu um anúncio feito no jornal em busca de um baixista, portanto, não tinham nenhum relacionamento prévio fora da banda. Os fãs se apaixonaram por Deal, e Francis ficou enciumado. Ele tentou reduzir a participação dela em alguns os últimos álbuns, levando-a a criar o Breeders como um projeto paralelo. A banda começou a deslanchar, e em 1992, Francis já estava cheio da vida de banda. Para piorar a situação, os Pixies concordaram em abrir para o U2 na Zoo TV tour. A turnê se arrastou por mais de um ano, e a banda enjoou de tocar em arenas para um punhado de fãs entediados do U2. No ano seguinte, Francis procurou seus colegas de banda para anunciar que estava acabado. Ao longo do resto da década, Deal e ele não se falaram em nenhum momento sequer.

Queensryche

Imagem

Os membros da banda de metal oitentista QUEENSRYCHE divergem quanto ao que ocorreu em abril de 2012 em São Paulo, mas há um ponto onde todos concordam: as questões mal discutidas finalmente vieram à tona em uma briga generalizada. O incidente começou em um encontro, onde discutiriam quanto ao futuro da banda. O frontman Geoff Tate alega que os demais membros disseram à sua esposa que ela não seria mais a empresária da banda. “Nós fomos para o show”, Tate recorda, “Scott olha para mim, sorri sardonicamente e diz: ‘despedimos sua família inteira, e você é o próximo’. Eu perdi a cabeça. Tentei socá-lo. Acho que não cheguei a acertar o soco antes de alguém me agarrar e me puxar para o lado.” A banda nega que Scott tenha instigado a briga com tal comentário, e alega que o ataque de Tate foi sem propósito. O que quer que tenha acontecido, há duas encarnações do Queensryche na estrada. Há uma audiência judicial agendada para setembro para pôr a questão a limpo.

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.

Os responsáveis são citados no texto. Não culpe os editores do Whiplash.Net. :-)

Esta é uma matéria antiga do Whiplash.Net. Por que destacamos matérias antigas?


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Melhores e Maiores
Todas as matérias sobre "Guns N' Roses"
Todas as matérias sobre "Everly Brothers"
Todas as matérias sobre "Oasis"
Todas as matérias sobre "Police"
Todas as matérias sobre "Eagles"
Todas as matérias sobre "Clash"
Todas as matérias sobre "Smashing Pumpkins"
Todas as matérias sobre "Rage Against The Machine"
Todas as matérias sobre "Pixies"
Todas as matérias sobre "Queensryche"

Bumblefoot: entrevista para jornal de Pernambuco
Guns N' Roses: setlist, fotos e vídeos do show no Paraguai
Jared Leto: ele é um wannabe de W. Axl Rose? Há quem diga que sim
Garoto Maroto: O encontro de Axl Rose e Alcione em Recife
Motörhead: vídeo da jam de "Ace of Spades" com Slash
Guns N' Roses: detalhes do piano de Axl Rose
Guns N' Roses: Quem foi Rei jamais perderá a majestade
Slash: "Sweet Child" é a coisa mais gay que alguém poderia compor
Guns N' Roses: Filmagem em Full HD do show em Porto Alegre
Aerosmith: Joey Kramer afirma que Axl Rose mantém fãs "reféns"
Slash: "Problema dele", diz sobre retorno de Duff ao GN'R
Slash: vídeo com a participação do músico em show do Aerosmith
Aerosmith e Slash: veja Steven Tyler mandar Welcome To The Jungle
Guns N' Roses: Em Porto Alegre, um dos melhores shows da turnê
Guns N' Roses: veja alguns vídeos do show em Poa

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Raphael Barbosa

Amante inveterado da música, teve seu primeiro contato com o universo do rock n´ roll através dos álbuns dos Beatles de sua mãe. Na adolescência, sua atenção se voltou para clássicos de outras vertentes, como Black Sabbath, Stooges, MC5 e Blue Cheer, e sua crescente curiosidade o levou a explorar outros subgêneros, do black metal à música industrial.

Mais matérias de Raphael Barbosa no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas