Clóvis Eduardo: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Clóvis Eduardo: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net


  | Comentários:

Tão cedo o rock começou a aparecer na minha vida quanto as vontades de sair atrás das garotas. Sim, já com 12 anos, as letras divertidas dos Raimundos e a explosão musical que foi o Green Day na década de 90 com seu “seminal” Dookie (bendita hora que fui ouvir em uma fita k7 Billie Joe cantar "Welcome To Paradise"), me convenceram que no mundo, há um lado paralelo difícil de largar. A galera de escola, sempre gostou mais de batidas eletrônicas, mas o que me fez dizer: “é isso que quero”, foi quando vi pela primeira vez, um lunático Freddie Mercury gritando "I Want It All" seguido de solos rápidos e velozes de Brian May.

Não cheguei a fazer parte da geração de adoradores do Black Sabbath, Deep Purple ou Led Zeppelin. Muito menos Pink Floyd ou The Doors. Mas alguns dos períodos mais felizes da minha vida tiveram ótimas trilhas sonoras, recheadas de riffs e batidas frenéticas na bateria. Minha história como rockeiro é relativamente curta e um tanto quando mal aproveitada, mas aos poucos vou pegando o jeito nas maravilhas que a vida ainda pode me proporcionar.

Imagem
Green Day – Dookie

“Basket Case”, “When I Come Around” e “Welcome To Paradise” eram realmente as músicas que todo mundo tinha. Afinal, quem da turma mais “jovem” não possuía pelo menos uma fitinha com esses registros lá por 1995, estava realmente perdido. Não por moda, mas por ser bacana demais. Alegre, jovem e de apego aos jovens, o Green Day foi minha formação, e acho que de muita gente da turma que assistia “X Tudo” na TV Cultura, também.

Imagem
Queen – Greatest Hits

Meu Pai do Céu! Esse CD eu realmente fiz mais dois buraquinhos, de tanto que ouvi. Se não fosse a genialidade de Brian May em “I Want It All” e o uso mais que bem vindo das harmonias de “I Want To Break Free”, não sei o que seria do mundo. Só de ver aquela imagem no encarte de um helicóptero sobrevoando um campo recheado de gente aguardando os ingleses para um show já me dava arrepios. Esta coletânea me fez entender o porquê de unir as melhores músicas em um CD.

Imagem
Ramones – Adiós Amigos

Comecei com Ramones pelo fim. Na verdade fiquei no “começo do fim”. Sempre tive a mania de ouvir a música que mais gostasse dez milhões de vezes e esquecer o restante do disco. E foi assim com “I Don't Want To Grow Up”. Alegre, rápida e de uma levada simplória e mágica, foi esta canção que me fez enxergar além de “Pet Cemetery”. Talvez este foi um disco não tão valorizado pelos verdadeiros amantes do grupo. Mas o quarteto conseguiu ganhar um fã tão rápido quanto se fala one two tree four...

Imagem
Pennywise – Full Circle

Um disco único, com uma música única e um significado também único. ”Full Circle” significa para mim a amizade. E basta escutar e entender o por que da canção “Bro Hymn Tribute” para saber que a música cria vínculos afetivos tão importantes quanto qualquer relacionamento entre amigos. Foi divertido conhecer os primeiros acordes na guitarra através desta canção.

Imagem
Bad Religion - Recipe For Hate

Dou risada ao lembrar desse disco. Recordo-me da primeira namorada e das tardes perdidas na frente do computador quebrando a cuca no mais célebre jogo de futebol já inventado. Elifoot! Essa linhagem musical tão influente nos primeiros anos de rock na minha vida me norteou para outro estilo, passando do punk rock rápido e agitado para umas canções mais cadenciadas e trabalhadas, bem como foi este disco.

Imagem
Iron Maiden - The Best Of The Beast

Foi a turma do Steve Harris que me fez entender que Heavy Metal é mais do que um aglomerado de barulhos. Um vizinho apresentou-me a esta coletânea, que de tão folheado o encarte, durex e fita isolante apagavam um pouco da imagem cômica que o Eddie me provocava. A música “The Number of The Beast” me lembrava uma corrida, e foi realmente dela que saltei para a estrada definitiva do Heavy Metal.

Imagem
Angra – Holy Live

Outro amigo, outro encarte detonado, outro CD incrivelmente riscado. Que tempo bom. Apesar de fazer um pouquinho mais de tempo que “Holy Land” fora lançado, o primeiro registro ao vivo do Angra foi para mim um soco em cheio nas costas. “Escuta essa última música, e vê que legal”. “Carry On”? Que é isso? E que bom que não era só ela. “Nothing To Say” soava incrivelmente boa e “Carolina IV” mesmo ao longo de tantos minutos, fez me acreditar no metal melódico e na entonação aguda de André Matos.

Imagem
Iron Maiden – Fear Of The Dark

Um CD mediano da carreira da Donzela foi a minha primeira aquisição Heavy Metal. “Fear Of The Dark” marca pela mudança no direcionamento profissional da minha vida e também o início de compromissos sérios com uma garota especial. Coisas da jovialidade indo pro saco mesmo.

Imagem
Rhapsody – Symphony Of Enchanted Lands

Hoje muita gente mete pau, mas lá pelo ano 2000, não foram poucos os que ficaram boquiabertos com o refrão magistral de “Emerald Sword”, entoado por Fabio Lione e as patadas velozes nos bumbos de Danielle Carbonera. Essa eu também ouvi pela primeira vez em uma fita K7, e ficou marcada como uma canção pra colocar o pé no Metal. O tempo começou a pesar, e com ele a responsabilidade, o primeiro emprego e o primeiro salário, gasto neste CD que lembra um período muito bom.

Imagem
Black Sabbath – Reunion

Um dos muitos registros ao vivo do Black Sabbath que foram marcantes. Uma que Ozzy no palco é uma figura (e fora dele também), mas a atitude da banda em tocar tantos clássicos foi um absurdo de bom. Nunca fui dos maiores fãs de Sabbath, mas venho destacar que eles realmente me ensinaram que o Heavy Metal não era simplesmente gritar e fazer músicas na velocidade da luz. Começava aí uma nova consciência, e disciplina musical. Por isto, este CD continua sendo um dos meus preferidos.


São vários os discos marcantes. Alguns por fazerem parte da trilha sonora de momentos importantes da minha vida ou por serem realmente de uma sonoridade mágica. O punk rock, hard core, ou o underground, como bem queiram, foi a pegada inicial. E vendo hoje com o gosto musical que tenho, tenho muito que me orgulhar. As influências dos amigos foram infinitas, e ainda são. Acho importante essa troca de idéias e informações. Porém, o gosto musical de cada um é sempre discutível. Entenderia perfeitamente se o leitor risse de mim por algumas escolhas, mas ficaria ainda mais feliz se pudesse compartilhar também, um pouquinho dos motivos que te levaram a realimente, gostar de rock.

Um abraço, e nos vemos nos shows por aí!

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.

Matérias relacionadas à matéria acima

Paulo Finatto Jr: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net
Ben Ami Scopinho: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net
Maurício Gomes Angelo: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net
Rafael Carnovale: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net
Bruno Sanchez: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net
Marcos A. M. Cruz: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net
Eduardo Contro: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net
Rodrigo Werneck: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net
Rodrigo Simas: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net
Marcio Baraldi: os álbuns que marcaram o cartunista
Bruno Maia: os álbuns que marcaram o líder do Tuatha de Danann
Ummagumma: os álbuns que marcaram os redatores do site
Tato Deluca: os álbuns que marcaram o vocalista do Aclla
David DeFeis: os álbuns que marcaram o vocalista
Eric de Haas: os álbuns que marcaram o produtor
Haavard Holm: os álbuns que marcaram o lojista norueguês
Marcos De Ros: os álbuns que marcaram o guitarrista
Aquiles Priester: os álbuns que marcaram o baterista
Tommy Lindal: os álbuns que marcaram o guitarrista
Daniel Piquê: os álbuns que marcaram o músico
Tom Englund: os álbuns que marcaram o vocalista do Evergrey
Eddie Trunk: os álbuns que marcaram o apresentador
Andreas Kisser: os álbuns que marcaram o guitarrista
Nando Mello: os álbuns que marcaram o baixista do Hangar
Jeff Scott Soto: os álbuns que marcaram o vocalista
Overkill: os discos que mudaram a vida de Bobby Blitz
Psychotic Eyes: 10 álbuns que marcaram Dimitri Brandi
Kappa Crucis: 10 álbuns que marcaram o batera Fábio Dória
Uganga: os álbuns que marcaram o vocalista Manu Joker
Slippery: os álbuns que marcaram o vocalista Fabiano Drudi
Thiago Bianchi: os álbuns que marcaram o vocalista
Imagery: Os 10 álbuns que marcaram Joceir Bertoni
Hellish War: os álbuns que marcaram o baixista JR
Rosa Tattooada: os álbuns que marcaram o líder do grupo
Amazon: 10 álbuns que marcaram Renato Angelo
Kappa Crucis: os 10 discos que marcaram Gerson Fischer
Hellish War: 10 álbuns que marcaram Daniel Job
Malefactor: Os discos que marcaram Lord Vlad


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Melhores e Maiores

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Clóvis Eduardo

Clóvis Eduardo Cuco é catarinense, jornalista e metaleiro.

Mais matérias de Clóvis Eduardo no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas