Resenha: A história não contada do Motörhead, de Joel McIver

Resenha - A história não contada do Motörhead - Joel McIver

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Natália Ribeiro, Fonte: Metal Ground
Enviar correções  |  Comentários  | 

O prefácio do livro é escrito por outro personagem ilustre do rock n’ roll, Sir. Glenn Hughes, Deep Purple, Black Sabbath, Black Country Communion … declarando sua admiração por Lemmy e corroborando a ideia de que o vocalista do Motörhead é o próprio rock n’roll personificado.

Saxon: Novo álbum em 2018 e homenagem a LemmyEm 05/01/1974: Pink Floyd tenta fazer um álbum sem instrumentos

Imagem

Nota: 9,25

A divisão dos capítulos foi feita de forma cronológica, começando antes de 1971, até 2011, ano em que foi lançado pela primeira vez lá fora. Embora o livro seja organizado de forma linear, a história da banda, em termos de sucesso e reconhecimento, traça um caminho bastante tortuoso, são vários bons e maus momentos e isso só faz crescer minha admiração.

O que o livro deixa claro é o que o Motörhead sempre procurou seguir seus instintos e sua intuição, apesar de hoje terem conquistado seu lugar no hall de “banda para a eternidade”, a história mostra que a banda sofreu duros golpes das gravadoras e da “indústria” da música. É como se eles não quisessem o Motörhead lá, mas tinham que engoli-los, e o sabor não era nada agradável.

Até hoje o Motörhead é uma banda que faz parte do mainstream, mas dispensa esse glamour por saber o que tudo aquilo representa e o quanto aquilo custa. Lemmy não gosta da ideia de “rock star”, ele toca porque é aquilo que ama fazer e vive disso há quase 50 anos. Ele sabe que não existe nenhum glamour em dormir em vans fedorentas, usar roupas sujas e se alimentar mal. É claro que hoje em dia a banda não passa mais por isso, mas ele tem plena consciência de que o Motörhead só é o que é hoje porque já passaram muito por isso.

Boa parte do livro é dedicada à Lemmy, assim como tudo relacionado ao Motörhead. Prepotência? Eu não diria isso. Sempre que tem a chance Lemmy fala da importância de seus colegas de banda e deixa claro que todo dinheiro que ganham com o Motörhead é divido igualmente.

Foi ele quem sempre esteve lá, sempre foi o cara mais velho e mais experiente da banda, não que isso queira dizer algo sobre como ser um líder, mas Lemmy sempre esteve lá não só para o Motörhead, mas também para o próprio rock n’roll. Em 1957, com 12 anos, teve contato com Bill Haley com “Rock Around The Clock”, que não o impressionou muito, foram Little Richard, Jerry Lee Lewis, Chuck Berry e Fats Domino que o fizeram perceber que “algo” estava acontecendo e que poderia mudar a sua vida.

“Eu ia ser criador de cavalos, que era o meu sonho. Mas então eu ouvi Little Richard e literalmente tudo mudou.”

Parece algo que existe dentro de nós, correndo em nosso sangue e que fica adormecido, até que seja acionado por algo e nosso corpo e mente passam a encarar o mundo de uma outra forma. Não parece algo que vem de fora para dentro, mas sim um sentimento que vem de dentro para fora.

“‘Que diabos é isso?’, e todo mundo mudou… Lembro-me de antes disso: era tudo terrível antes do rock’n’roll”.

Daí ele dormiu no sofá da casa da mãe do John Lord, foi roadie do Jimi Hendrix, tocou no Hawkwind, montou o Motörhead, tentou ensinar alguma coisa de baixo para o Sid Vicious, excursionou com Dio, escreveu músicas para Ozzy Osbourne e teve o Metallica tocando em sua festa de aniversário surpresa, com todos os integrantes vestidos de Lemmy.

O Motörhead nunca fez parte de nenhuma tendência, talvez por isso tenha sobrevivido a todas elas. Durante anos a mídia tentou rotulá-los de algo, e lá se foi o Punk, a NWOBHM, o Thrash Metal, o Grunge o New Metal… e o Motörhead continua.

“Somos uma das poucas bandas que nunca vai deixar você decepcionado. Sempre fomos fiéis a tudo que acreditamos.”

Os 25 avos descontados na nota desta resenha é uma implicância como subtítulo “a história não contada”, pois na verdade o que temos é um trabalho minucioso de McIver em organizar relatos e entrevistas de diversas fontes num recorte de tempo de mais de 40 anos.

Esse livro é um pedaço significativo da história do rock.

Titulo: A história não contada do Motörhead

Preço Capa: R$44,90
http://www.idealshop.com.br/a-historia-nao-contada-do-motorh...

ISBN: 978-85-62885-19-8

Ano: 2013

Páginas: 276

Tradução: Renato Puppi Munhoz

Autor: Joel McIver

Editora: Edições Ideal

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Motörhead
Pela 1ª vez, Mikkey Dee visita estátua de Lemmy

Saxon: Novo álbum em 2018 e homenagem a LemmyBlend Guitar: em vídeo, as dez maiores bandas de Heavy MetalRock e Metal: em vídeo, as 10 despedidas mais épicas da históriaTodas as matérias e notícias sobre "Motorhead"

Censura
Ouvir Rock e Metal é porta de entrada para virar gay?

Motorhead
Fã teve problema na escola por causa do "Snaggletooth"

Ozzy Osbourne
A última conversa com Lemmy Kilmister

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 10 de junho de 2014

Todas as matérias da seção Resenhas de LivrosTodas as matérias sobre "Motorhead"

Em 05/01/1974
Pink Floyd tenta fazer um álbum sem instrumentos

Thrash Metal
Dicas de dez ótimas bandas underground

Black Sabbath
Rob Halford conta como foi substituir Ozzy

Heavy Metal: os 10 maiores hinos de todos os temposKerrang: os melhores singles já lançadosGuns N' Roses x Nirvana: o que ocorreu em 1992?Pink Floyd: Nick Mason compara saída de Waters à morte de StalinMelhores shows de 2014: as escolhas do redator Pedro Zambarda de AraújoIndústria: atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandas

Sobre Natália Ribeiro

Editora do canal Metal Ground e do blog Rockalogy (desde 2009). Formada em Estudos de Mídia na Universidade Federal Fluminense, participante em diversos artigos e pesquisas ligadas ao heavy metal.

Mais matérias de Natália Ribeiro no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online