Man Of Kin: "A cena Heavy Metal em Londres é terrível!"

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Man Of Kin: "A cena Heavy Metal em Londres é terrível!"


  | Comentários:

Com cerca de cinco anos de estrada, os ingleses do Man Of Kin são novatos na cena, mas trabalham com afinco e liberaram dois belos álbuns independentes que já vem colhendo seus frutos em sua região. E, como divulgação do recente “... And So It Begins”, a banda está saindo de seu país pela primeira vez, com destino ao Brasil.

Tradução: Débora Brandão

Jaz Oberoi (voz), Aaron Waddingham (guitarra), Jon Coakley (guitarra), Carl Stanley (baixo) e Rob Halliday (bateria) tem como destino São Paulo (SP), Palmas (TO) e Teresina (PI), e, aproveitando a ocasião, o Whiplash! conversou com Oberoi pouco antes de embarcarem para terras verde-amarelas, num papo que revelou um pouco mais sobre a banda e o atual e desgastado cenário inglês.

Imagem

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Whiplash!: Olá pessoal, como vão as coisas por aí? O público brasileiro ainda não teve muito contato com o Man Of Kin... Que tal começarmos com um breve histórico desde sua fundação?

Jas Oberoi: Olá a todos do Whiplash!. Agradecemos o interesse no Man Of Kin e estamos muito felizes com toda recepção que estamos recebendo do Brasil muito antes de chegar. Bem, somos uma banda de ‘groove metal’ da Inglaterra com base em Londres, e já estamos na estrada há dois anos, por todo Reino Unido. Nossa história não é tão diferente das outras bandas: começamos tocando em locais pequenos, pubs locais, e há cerca de um ano as coisas tem acontecido pra nós bem rápido! Tivemos a honra de tocar nos locais mais famosos de Londres e do Reino Unido ao lado de grandes bandas. Temos dois álbuns em nossa discografia e o mais recente deles “... And So It Begins” foi lançado esse ano, e estamos fazendo todo o trabalho de divulgação dele.

Whiplash!: A idéia inicial seria o Man Of Kin executar um tipo de Prog Rock, certo? O que aconteceu para que sua música seguisse por caminhos tão mais pesados, esse Thrash Metal repleto de groove?

Jas Oberoi: Quando nos conhecemos e marcamos o nosso primeiro ensaio, há dois anos, a intenção era que eu fosse para a bateria. Eu já tocava bateria a sete anos e queria começar uma banda de prog como um sentido diferente. No primeiro ensaio não tínhamos um vocalista, mas havia outro baterista, então eu peguei o microfone e resolvi fazer uns vocais nessa sessão. Ficou, então, evidente que eu tinha um vocal ‘scream’ natural e todo mundo parecia estar a gostandao dele. A música, naturalmente, mudou-se para um estilo semelhante ao vocal e, ao longo dos anos, temos continuado fazê-lo. A química tem funcionado bem e temos já alguns fãs por aqui.

Whiplash!: Sua estreia se deu em 2009, com o independente "Lock And Load". Ainda que a formação do Man Of Kin não estivesse realmente definida, que tipo de balanço vocês fazem, tanto em relação às vendas, quanto ao reconhecimento e os shows realizados?

Jas Oberoi: Durante os primeiros 12 meses da banda eu experimentei várias formações, tentando encontrar músicos com grande talento e com menor ego, e em Londres esta é uma tarefa realmente dura. Nós gravamos "Lock n Load" em abril de 2009 e lançamos em um grande show em Londres, o álbum foi recebido muito bem e na Metal Hammer conseguimos 10/10. Então o Man Of Kin excursionou por todo o país com o nosso álbum independente e vendemos muito bem. A primeira tiragem (2000 copias) se esgotou rapidamente e já estamos na quarta prensagem, além de também ter sido baixado milhares de vezes digitalmente, no mundo que vivemos hoje temos que nos render ao ‘download’.

Jas Oberoi: Depois que terminamos nossa turnê no Reino Unido, no ano passado, ainda havia problemas com algumas atitudes e capacidade na banda, então eu fiz mais alguns ajustes para o line up, e então em julho de 2009 a formação atual foi formada e nós começamos a escrever "... And So It Begins", ao longo de 12 meses, e era evidente que esta formação estava funcionando muito bem. As músicas foram compostas de uma forma clara e muito tranqüila, além de um ambiente divertido e descontraído. “... And So It Begins” foi lançado em maio de 2010, um grande show no famoso Scala, em Londres, com oito bandas de apoio, e agora estamos nos concentrando em turnês para empurrar o álbum, não só no Reino Unido, mas em todo o mundo.

Imagem
Whiplash!: Há alguns meses vocês liberaram seu mais novo disco, “... And So It Begins”. Considerando que agora o Man Of Kin conta com o guitarrista Aaron Waddingham, quais foram as metas que tinham em mente quando começaram o processo de composição? Que elementos vocês, definitivamente, queriam ter no álbum?

Jaz Oberoi: Antes de Aaron se juntar à banda, fomos ficando cada vez mais frustrados com a cena metal no Reino Unido, e isso era cada vez mais evidente. Depois que ele se juntou a nós, a sua atitude, habilidade e estilo de tocar eram exatamente o que precisávamos, e paramos de nos concentrar apenas na cena, nos focando cada vez mais na música. Seu estilo é totalmente natural, sem meio-termos, com um som realmente original e este som se tornou o modelo para o próximo álbum. A maior diferença em trazer Aaron pra família Man Of Kin foi o processo criativo, todos nós ficamos muito mais envolvidos na composicao e todos estavam muito orgulhosos do que conseguimos no final do mesmo, sem argumentos sobre ’Quem escreveu o quê?’.

Whiplash!: Visto a técnica e melodia variada que constituem esse novo trabalho, qual é seu maior diferencial em termos de Heavy Metal?

Jaz Oberoi: O que pretendemos é combinar elementos de metal ‘old school’ pesados e, ocasionalmente, trazendo algumas influências mais recentes, nós não nos consideramos uma banda de metal elitista e nós escrevemos a música que gostamos de tocar e ouvir. Nós nos concentramos na combinação de vontade de tocar thrash-out ao tentar manter os grooves e melodias que achamos que seja parte integrante daquilo que estamos procurando agora.

Whiplash!: O underground mundial simplesmente não mais revelou uma banda de grande impacto, que faça a diferença. A que vocês acham que se deve esse fato, principalmente se levarmos em conta a importante tradição que a Inglaterra possui em se tratando de Heavy Metal?

Jaz Oberoi: Embora eu ache que se tornou muito mais difícil pra todo o mundo, e muito mais para as bandas de metal para tornar o sonho de ser reconhecido, eu ainda acho que existem bandas por aí que dão esperança para a comunidade metal underground, bandas como o Lamb of God, que tocaram no circuito underground de 10 anos antes de conseguirem estourar na cena internacional. A verdade é que o fato de que tenho notado que pra você ser realmente reconhecido e ser descoberto por um grande selo (que a maioria está falindo) é uma tarefa meio que impossivel, há 10 ou 20 anos atrás tínhamos 10 bandas excelentes entre 100 bandas. Agora temos 10 bandas entre 100.000. Várias e várias bandas, e todas correndo atrás do mesmo ideal. Eu acredito que assinar hoje e pura sorte. O novo mercado é saber ser o melhor possível, independente.

Whiplash!: Afinal, como está a situação do underground inglês, com todas as mudanças drásticas enfrentadas pelo mercado fonográfico? Existe muita concorrência, opções de locais para se tocar, um real apoio por parte do público, selos e mídia?

Jaz Oberoi: A realidade é que a cena Metal em Londres é terrível, e é embaraçoso pra nós, ingleses, termos que falar isso, mas é a pura realidade. Para um país que gerou Heavy Metal é trágico ver o que ele se tornou. A qualidade das bandas nunca mudou, ainda há bandas incrivelmente fodas por aqui, mas você vai vê-los em um show e não terá mais que 10 amigos que estarão no pub, com os braços cruzados. A principal razão são os promotores daqui, não há um único promotor sério em Londres, que faça isso realmente pelas bandas, eles fazem para seus próprios bolsos e por status, e há um enorme sentimento de desilusão entre as bandas. Algumas tocam nos mesmo locais, semana após semana, para as mesmas pessoas, fazendo o promotor ganhar uma tonelada de dinheiro! Mas o produtor irá convencê-los que eles são a próxima grande revelação, mas, na realidade, o promotor não quer que eles consigam alguma coisa, e sim que eles continuem a tocar em seus shows, estuprando-os profissionalmente!

Whiplash!: No cenário inglês atual, que bandas vocês indicariam para o leitor do Whiplash?

Jaz Oberoi: Para o lado mais pesado há duas bandas que eu ouvi nos últimos meses, que são pesadas como o inferno, uma é a KopperHed e a outra, a Karybdis. Sem decepções. Confira!

Whiplash!: Sua primeira excursão fora da Inglaterra começará pelo Brasil. Como rolou o contato para tocar por aqui e o que esperam destas apresentações? Suponho que já saibam que o público brasileiro construiu a reputação de ser bastante receptivo, nós temos grande paixão pela música e um underground efervescente...!

Jaz Oberoi: Essa é a razão que estamos indo para o Brasil, depois de tocar por todo o Reino Unido por dois anos. Precisávamos de uma fuga e ver o que os fãs de metal são feitos na real, e o nosso agente da Black Sun Music Management’ já fez turnês no Brasil antes e nos disse que ele é o público mais louco, os fãs da música mais apaixonados do mundo. Foi sempre um sonho para a banda poder ir tocar no Brasil, e queríamos muito começar por aí. Também temos uma turnê de dois meses pela Europa no próximo ano, inclusive junto com uma banda brazuca fantástica: Nervochaos! Eles são realmente incríveis e já não vejo a hora de cair na estrada com eles na Europa, bem como nos festivais. Mas estamos realmente animados sobre ir para o Brasil, conhecer o país e detonar nos shows.

Whiplash!: Vocês trabalham rápido para uma banda independente... Dois discos em dois anos, e uma excursão por um país de outro continente. Nada mal... O que mais há para este resto de 2010 e próximo ano?

Jaz Oberoi: Estamos muito impulsionados com a banda e sempre tivemos uma forte crença de auto-confianca, para chegar a este ponto tão depressa. É bem animador estarmos conquistando nosso espaço, com muito trabalho duro e um grande apoio que temos recebido. Estamos muito felizes de ter iniciado nosso trabalho com a Black Sun Music e aí no Brasil com a Metal Media, eles realmente nos ajudaram a chegar no nível que estamos, especialmente na parte de tours fora do Reino Unido, e também a melhorar nosso perfil e profissionalismo. No próximo ano, pretendemos gravar um outro álbum, que será o primeiro lançamento internacional, e se chamará "Reality Check" e é muito provável que vamos excursionar pelo mundo todo para promovê-lo, até o final de 2011 e, assim, possivelmente, sair do circuito underground para uma escala maior.

Whiplash!: Ok, pessoal, o Whiplash! agradece pela sua entrevista e desde já dá as boas vindas ao Man Of Kin em sua vinda ao Brasil – e cuidado com a caipirinha brasileira, meus caros! Fiquem à vontade para os comentários finais...

Jaz Oberoi: Obrigado pelo apoio e pelo tempo dedicado. Esperamos nos encontrar no Brasil e tomar as famosas Caipirinhas!!!!

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Entrevistas
Todas as matérias sobre "Man of Kin"

Man of Kin: mostrando o "Do it Yourself" da Inglaterra
Man Of Kin: banda inglesa cancela shows restantes no Brasil
Man Of Kin: relatos dos primeiros shows no Brasil
Man Of Kin: detalhes sobre o novo CD "Reality Check"
Man of Kin: confirmado show em Salvador
Man Of Kin: Mais detalhes sobre retorno do grupo ao Brasil
Man of Kin: ingleses retornam ao Brasil para onze shows
Man of Kin: banda se apresentará em Alagoinhas - BA
Man of Kin: entrevista sobre turnê no Brasil (em inglês)
Man Of Kin: "A cena Heavy Metal em Londres é terrível!"
Man of Kin: turnê pela Europa com o Cannibal Corpse
Man Of Kin: mais um talento do obscuro underground inglês
Man of Kin: ansiosos pelas apresentações no Brasil
Man of Kin: banda de metal britânica fará shows no Brasil

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Sobre Débora Brandão

Responsável pela Metal Media Management, cresceu ouvindo clássicos do Rock n' Roll e Heavy Metal por influência de seus pais. Em 2007 iniciou sua carreira na área da música trabalhando em uma gravadora nacional e fundando uma assessoria de comunicação voltada a bandas de Rock/Metal. Hoje, com grandes nomes no Roster, a Metal Media é uma das empresas que mais apoia e acredita no Metal Nacional.

Mais matérias de Débora Brandão no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas