Mustang: carregando a bandeira do Rock and Roll nacional

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Mustang: carregando a bandeira do Rock and Roll nacional

Postado por Écio Souza Diniz | Fonte: Pólvora Zine

  | Comentários:

Fazer Rock and Roll no Brasil, a despeito de hoje, nem sempre foi tarefa fácil. Mesmo assim, vários pioneiros do estilo conseguiram chegar ao topo, se consagrando tanto nacional quanto internacionalmente. Os exemplos clássicos são RAUL SEIXAS, SECOS E MOLHADOS, OS MUTANTES, entre outros. Nesse time seleto de batalhadores, está Carlos Lopes, um veterano na cena brasileira.

Imagem
Com uma visão crítica e aguçada sempre presentes em sua personalidade, sobre o mundo e a sociedade em que vive, associadas a uma postura clara e consciente a respeito da vida, expressas em sua música, Carlos carrega com o Mustang a bandeira do Rock and roll nacional. Engajado em levar o Mustang a caminhos mais longínquos, conquistando públicos cada vez maiores e marcar na história do Rock a MPR - música popular roqueira e com uma humildade singular, o convidamos para nos falar sobre a banda, pretensões na música, o recente álbum ("Mustang V") e muito mais.

Pólvora zine: O MUSTANG iniciou suas atividades lançando o debut álbum "Rock and Roll Junkfood" em vinil picture disc em inglês. O quanto este feito ajudou na projeção da banda na cena Rock and roll brasileira? E internacionalmente?

Carlos Lopes: Na verdade o disco foi lançado em 3 versões: picture disc, vinil vermelho e CD em português com algumas das mesmas faixas em inglês. Ele foi gravado e lançado na virada de 2000 para 2001, há quase dez anos. Lembro sempre desse disco como um trabalho de passagem, feito com a intenção de romper com o passado, mas um trabalho ainda atrelado a esse mesmo passado de certa forma. 'Junkfood' é fruto da necessidade de me reescrever, e de resgatar a vontade de compor e tocar. Ao ouvi-lo hoje fica evidente que o som da banda amadureceu a cada novo trabalho, foram 5 discos em dez anos, uma loucura. Uma boa loucura.

P.Z: O "Rock and Roll Junkfood" é um disco bem peculiar, pois suas músicas e sonoridade são bastante orgânicas, tanto musical quanto liricamente. Sendo assim, um álbum com muito feeling. Não é sempre que uma banda alcança essa essência logo no início. Você já tinha os conceitos e parte das músicas prontas a um bom tempo? O que você mais gosta neste álbum?

Carlos: Em uma das crises existenciais-artísticas que tive em relação à carreira, durante as quais perdi a vontade de tocar, ou me expressando melhor, quando não vi mais sentido em tocar, compus esse disco durante vários ensaios livres sem intenção, inclusive de gravá-las. O repertório nasceu do resgate de lembranças das primeiras bandas de rock pesado que escutei como KISS, BLACK SABBATH, UFO e principalmente punk rock 77, BEATLES e ROLLING STONES. O MUSTANG nasceu a princípio para reavivar essa chama em um momento pregresso na vida, por volta de 13 e 15 anos, no qual eu não pretendia ter banda ou tocar, era apenas fã. E sendo assim, queria que esse disco do Mustang marcasse um momento com uma produção rústica e real, diferente do mundo plástico que havia tomado conta do rock, das produções artificiais, essa era a idéia. O disco foi gravado ao vivo, baixo, guitarra, solos e bateria. Só as vozes foram adicionadas depois. É um disco independente e corajoso. E cada novo ato de coragem, ou a cada novo disco, vou ficando mais ousado, muito ciente do que quero. A cada disco o caminho fica cada vez mais claro.

P.Z: Quando saiu o segundo álbum, o clássico "Oxymoro", vocês deram a cartada definitiva e impressionaram a muitos com um disco cheio de energia e paixão, envolto em uma aura única de rock and roll. Músicas como as enérgicas "Muito Além" e "Saco Cheio", as críticas "Caridade" e "Cheiro de Mijo Guardado" e a sacana "Ela Lê a Bíblia" são bons exemplos do que digo. Quais foram os caminhos trilhados para se chegar à um álbum tão sólido como este? Qual a importância desse disco pra você?

Carlos: Sou muito dedicado ao que faço, exploro o melhor e o mais criativo de mim. Sempre fiz isso, mesmo que o mercado não entendesse ou rejeitasse. A evolução ocorrida entre o CD anterior e esse segundo trabalho foi gigante. O maior destaque, além da parte musical, foram as letras, humanas e exóticas. Necessárias. Na contracapa Che Guevara está com os lábios pintados com batom rosa. Essa imagem explica a intenção não de agredir, mas de rir contestando, o que não é fácil de explicar para gente carrancuda. O humor sempre foi um ingrediente essencial no imaginário do MUSTANG.

P.Z: Ainda sobre o "Oxymoro", de onde surgiu a idéia de falar sobre contradições no disco? E as versões em inglês para "muito além", "saco cheio", "tudo pelo dinheiro" e "fim de semana", elas foram divulgadas no exterior? Qual foi o propósito de colocar essas versões no álbum?

Carlos: Eu havia entrevistado os 3 músicos remanescentes da banda MC5, uma das minhas favoritas antes da gravação do disco. Na entrevista, o guitarrista Wayne Kramer usou o termo oximoro, que simboliza dubiedade, como por exemplo "Inteligência da Polícia". Achei que esse título simbolizava minha percepção do que é o rock: uma música que pode te fazer evoluir como involuir, dúbia ao extremo, um verdadeiro oximoro.

P.Z: O terceiro álbum, "Tá tudo Mudando... Mas Nem Sempre Pra Melhor" se mostrou um disco direto e nostálgico em vários momentos, principalmente em suas letras. As revoltadas e ferozes "Geração Perdida", "Janis Joplin" e "Cueca e Meia" esbanjam criatividade e sonoridade visceral, que são ouvidas ao longo do disco. O que mais te chama atenção neste disco? Quais são suas maiores peculiaridades?

Carlos: Desde o início esse terceiro trabalho da banda foi pensado para ser uma homenagem aos anos 70, às bandas estrangeiras e brasileiras que haviam me influenciado. A capa cita o disco 'Let It Bleed' dos ROLLING STONES tropicalisticamente falando, não usando esse ícone apenas como referência, mas reinventando-o com uma visão crítica e debochada. Sempre tive como objetivo abrasileirar toda a informação, degluti-la e regurgitá-la como fez o Modernismo. Nunca me interessou ser passivo.

P.Z: Um outro destaque interessante pra mim no álbum anteriormente citado é o título, que faz referência a consequências dos avanços tecnológicos e urbanísticos. Carlos, com você enxerga esta realidade atual do mundo em que vivemos? E qual a importância de se transferir isto tudo para a música?

Carlos: Não sou o Carlos de 20 anos atrás e nem o Carlos de 2 dias atrás, graças a Deus. E isso não quer dizer inconsistência, mas a aceitação da imutabilidade do mundo e das coisas. Somos seres em mutação, que se renovam a cada nova experiência, isso é, se você estiver aberto para extrair o melhor das suas vivências. Cada disco é retrato apenas do momento no qual ele foi escrito. Apesar de todos os álbuns terem o nome Mustang eu só me reconheço sempre no último trabalho e nunca nos anteriores.

P.Z: O MUSTANG é uma das bandas que são sinônimo de perseverança e persistência. A partir dessas características, foi moldado o quarto álbum, "Santa Fé". Como vem sendo a luta do Mustang ao longo de todos esses anos para conseguir seu lugar ao sol? Como foi a divulgação de "Santa Fé" com CD encartado distribuído através da revista "O Martelo" que você dirige?

Carlos: O tal "lugar do sol" é um termo genérico para rotular algo que só o seu coração possui ou imagina que possui a resposta exata. O mercado é complexo e o público muitas vezes é conservador ao extremo e tudo isso não tem nada a ver com a proposta livre do MUSTANG. Não posso mentir e te dizer que é fácil entender a nossa música, isso envolve uma questão cultural e de sensibilidade. O parâmetro do que é sucesso ou não é exclusivamente seu. Sucesso para mim é o MUSTANG ter 5 belos discos em uma década.

Carlos: A versão impressa da revista O Martelo que vem com o CD "Santa Fé", o quarto disco da banda, é uma edição especial que fala, na maioria, sobre as bandas que formaram o som do Mustang. Entrevistei várias bandas e escrevi sobre outros artistas, que foram referências para a fundação da banda. A revista e o CD se completam.

P.Z: Falando na revista "O Martelo", fale para a galera, qual o objetivo da mesma e o que compõe seu conteúdo?

Carlos: A intenção sempre foi distribuir informação. São os livros que leio, os filmes, os programas de TV, as revistas, artes plásticas, as exposições, enfim, tudo o que gosto e que acho que possa interessar às pessoas.

P.Z: Como foi o show para 15 mil pessoas na Virada Cultural em São Paulo em 2009, abrindo para os TITÃS?

Carlos: Era muita gente na plateia e mesmo que a maioria não nos conhecesse fomos muito bem tratados e o mais importante, ouvidos com atenção. Tecnicamente e como show de rock, foi um momento marcante em nossa carreira. É muito importante para nós tocar para públicos diferentes, se comunicar através da linguagem da música.

P.Z: "Santa Fé" é um disco bastante completo. Com elementos de rock psicodélico (exemplo de "Doktor Alzheimer"), bases fortes de guitarra (como em "Esperança") e soul (destaque para "Eu Não Faço"). Como foi trabalhar todos esses conceitos dentro de um único disco? Quais elementos você teve maior pretensão de enfocar e por quê?

Carlos: A intenção foi caminhar para uma nova direção musical, com algumas conquistas anteriores, mas que prioritariamente ansiava pelo novo. As referências ainda são as mesmas de muitas e poderosas fontes, mas algo novo despontava no horizonte. O Santa Fé não é um disco pop e alegre. É um disco, até certo ponto, triste. Eu estava triste e o disco simboliza isso, as músicas contam a minha vida no período 2006/2008, uma fase muito conturbada. Por isso esse é um disco forte.

P.Z: O maior destaque de “Santa Fé” foi o despontar da "MPR – música popular roqueira", um estilo bastante versátil e aberto, devido ao fato de englobar vários elementos do Rock como: punk, soul, psicodélico, folk e soul, etc. Explique-nos melhor o trabalho por trás do conceito da "MPR". Qual a sua satisfação em está fazendo essa inovação no Rock brasileiro?

Carlos: Nesse disco teve início o desenvolvimento do nosso estilo, a 'MPR', música popular roqueira, um termo que simboliza bem nossa alma mater musical. Precisava ficar claro que a banda estava marcando território, tipo o que foi feito antes também é MUSTANG, é válido, mas já é antigo, é outra fase. O MUSTANG anseia pelo novo a toda hora, a necessidade é criativa, não é adular, dar continuidade ao que já foi, mas sim instituir o novo.

P.Z: Saindo um pouco do foco do MUSTANG, como vão as coisas com sua outra banda, a Usina Le Blond? Fale um pouco sobre ela para a galera, sua proposta musical, sonoridade, os músicos.

Carlos: Quando fundei as 2 bandas em 2000, o MUSTANG era para ser uma banda de rock e a USINA para tocar mpb com soul e rock. Foram vários músicos durante uma década inteira. Desde o início tive a intenção de somar as duas bandas, mas precisava me amadurecer e amadurecer o público que nos ouve. Esse momento chegou agora em 2009, quando pude no novo disco do MUSTANG somar as duas musicalidades, os dois rostos. Ou seja, MUSTANG e USINA agora são uma banda só.

P.Z: E sua carreira como escritor, poderia nos falar um pouco sobre lançamentos, projetos e como você se sente realizando este tipo de arte: a da escrita?

Carlos: Meu último lançamento foi 'O segredo J', que levei 5 anos para escrever. O livro versa sobre teorias conspiratórias. Pesquisei bastante até conseguir visualizar uma linha que ligasse os assassinatos de personalidades políticas e musicais nos anos 60 e cujas mortes mudaram o mundo e impediram que evoluíssemos. O livro tem início no final da segunda guerra mundial e prossegue até o primeiro presidente civil no Brasil em 1985. Pode parecer apenas ficção, mas tudo o que cito nessa obra é a mais pura verdade. É tão chocante que parece mentira. Por exemplo, detalho minha tese, com provas, na qual afirmo que Mark Chapman não foi o único a matar John Lennon em 1980.

Carlos: Escrevi um novo livro em outubro de 2009 sem previsão de lançamento e tenho alguns rascunhos e idéias para outros 2. Acho que não sei viver sem criar, simplesmente acho que não dá.

P.Z: O MUSTANG, está lançando o álbum duplo, auto-intitulado como "Mustang V". Um dos CDs que compõe o mesmo foi disponibilizado para download gratuito. Como vem sendo a divulgação e popularidade do disco até o momento?

Carlos: O MySpace Brasil assumiu a divulgação inicial do álbum 'V', o que foi sem sombra de dúvida, uma honra para nós. O disco I disponível apenas para audição no My Space em 320k em http://www.myspace.com/mustangbandcombr e pode ser baixado em http://www.clnetsys.com/mustang/

P.Z: O "Mustang V" é o trabalho mais audacioso banda até o momento com grande diversidade de elementos, destacando o tropicalismo (ouvido na marchinha "Corta o Bigode do Sarney"), umbanda e a influência dos afro-sambas de BADEN POWELL e VINÍCIOS DE MORAESs. Como foi o processo de produção desse disco? Como é o trabalho com os músicos que completam o time?

Carlos: 'V' é o nosso melhor disco, o que realmente define melhor o que é 'MPR'. V é um disco brasileiro e que trafega sobre qualquer estilo musical que desejar sem perder a diretriz e o rumo. Osíris presta uma homenagem à new wave dos anos 80 de bandas como DEVO, MISSING PERSONS, THE KNACK, e THE CARS. Órion é uma canção poderosa e psicodélica. Passagem é a música mais dramática que já escrevi, é dolorosa, angustiada. Enfim, a criatividade do álbum me orgulha como autor e músico. O que vou contar parece mentira, mas compus o disco em 2 semanas em outubro, ensaiamos durante uma semana e gravamos o álbum em 6 dias. Foi o trabalho mais rápido que já fiz, não porque fiz "nas coxas", mas porque nunca tive uma convicção tão grande do que queria. Nunca na minha carreira soube tão claramente o que tinha que fazer. Parece que renasci com esse disco.

Carlos: Os músicos que gravaram foram Bráulio Azambuja na bateria e Vinícius Dantas no baixo, os mesmos que gravaram o 'Santa Fé'.

P.Z: No V há músicas ótimas como a Zeppeliana "Brasileirismo", a pegada a lá Mutantes de "Nada pra Mim" e a levada meio surf music de "Osíris" (minha preferida). Como você se sente em realização com um disco duplo (um sonho que você tinha há muito tempo) e que atingiu o máximo da "MPR" até então?

Carlos: Para fazer um álbum duplo é necessário que as músicas sejam e soem interessantes e que possam ser escutadas em ordem ou separadamente. E isso só consegui agora. Tentei antes mas não rolava. De todas as formas é uma conquista, é um grande e maravilhoso passo artístico. O MUSTANG não é mais uma possibilidade é uma realidade.

P.Z: Para quando está previsto o lançamento completo do álbum? O que podemos esperar musicalmente do restante do álbum?

Carlos: Não há uma data precisa ainda, mas o álbum duplo pode ser lançado até março de 2010 que pode ser adquirido no e-mail: [email protected]

P.Z: Bem, Carlos, obrigado pela entrevista, sucesso pra vocês. Finalizando, visto a crescente popularidade do Mustang, há pretensão de lançar um álbum ao vivo? E quais os planos da banda para 2010?

Carlos: Com esse "surto criativo" que estou vivendo, acho que dá para escrever mais 2 discos de inéditas antes de um ao vivo, hein?

Para conferir mais notícias sobre a banda acesse:

http://www.mustang.mus.br/

Acesse também a revista eletrônica de arte e cultura, "O martelo":

http://www.omartelo.com

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Entrevistas
Todas as matérias sobre "Mustang"

Mustang: carregando a bandeira do Rock and Roll nacional
Mustang: entrevista com o músico Carlos Lopes
Mustang: novo CD disponível para download grátis
Mustang: no estúdio gravando o novo álbum "Mustang V"
Carlos Lopes: crise fonográfica sob os olhos do artista
Carlos Lopes: participação no programa "Casmurro Debate"
Mustang: making of das gravações do CD "Santa Fé"
O Martelo: novo CD do Mustang e entrevistas em revista
Mustang: gravação do novo CD chamado "Santa Fé"
Carlos Lopes, do Dorsal e Mustang, em ópera rock
Mustang presta homenagem ao Cólera no RJ
Mustang: o som mais alto da história do Nectar
Mustang tocará ao vivo no programa Atitude
Mustang toca ao vivo na rádio Venenosa FM
Sweet volta aos palcos e se apresenta no Brasil

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Écio Souza Diniz

Graduado em Ciências Biológicas e pesquisador na área de Ecologia e Evolução vegetal, sempre foi aficionado por leituras sobre o mundo do Rock/Metal. Além do metal, tem como paixões filmes de terror e épicos. Já participou como vocalista de várias bandas de Death/Grind, mas como nenhuma vingou se encontrou melhor em redigir matérias, fundando há alguns anos atrás o Pólvora Zine. Colabora também com vários sites especializados e com a revista Roadie Crew. Suas bandas preferidas são Iron Maiden, Black Sabbath, Dio, Dorsal Atlântica, Candlemass e Sarcófago.

Mais matérias de Écio Souza Diniz no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas