Baranga - Entrevista exclusiva com a banda

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Baranga - Entrevista exclusiva com a banda


  | Comentários:

"BARANGA é o nome... pelo menos é mais chocante que caranga... a conversa aqui é Rock & Roll, com guitarras ardidas, bateria marcante, vocal rasgado e em bom 'brasileiro'...". Este é o primeiro parágrafo da biografia da banda paulistana, formada por Xande (g/v), Deca (g), Soneca (b) e Paulão (b), e já que falaram em conversa, fomos bater um papo com o quarteto, que está lançando seu segundo CD, "Whiskey Do Diabo", tão Rock'N'Roll que até um famoso artista breganejo comprou algumas cópias...

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Whiplash! - Prá começar, fale-nos um pouco sobre o nome da banda: quem teve a brilhante idéia?

Soneca - Antes de mais nada, obrigado ao Whiplash! por mais este espaço. O nome surgiu quando começamos a marcar ensaio em estúdio, precisava de um para agendar, daí o Xande virou e falou: "põe BARANGA aí!". O pessoal do estúdio só chamava a gente de BARANGA e acabou ficando isso mesmo.

Whiplash! - Uma pergunta que costumo fazer: vamos supor que, minutos antes de subir ao palco, papeando no balcão de um bar, alguém dissesse que nunca ouvira falar no BARANGA, e pedisse para que vocês se descrevessem, o que diriam?

Paulão - Rock'N'Roll pesado e em português!

Deca - Como está escrito no release: "pense em AC/DC, STATUS QUO e MOTÖRHEAD - CHUCK BERRY é Deus!".

Soneca - Também rola um ou outro cover de Rock nacional, MADE IN BRASIL, RITA LEE e algo da Jovem Guarda, mas sempre com a nossa pegada!

Xande - Diversão e diversão ou seu dinheiro de volta, mas... demora.

Whiplash! - Vocês se auto intitulam "A Banda de Rock & Roll mais pesada do Brasil", o que de certa forma não deixa de ser verdade, embora a concorrência hoje em dia não esteja fácil (risadas gerais); por qual motivo será que em nosso país, tirando a galera do Metal, o pessoal nunca foi chegado a um Rn'Roll mais pesado?

Paulão - Porquê não me lembro de haver uma banda brasileira de Rock'N'Roll com pegada Heavy Metal como o BARANGA, acho que agora o público vai gostar.

Soneca - Para nós é ótimo que apareçam outras bandas de Roquenrou com peso e atitude. O CARRO BOMBA é um exemplo. É o Rock'N'roll crescendo e ganhando força. A galera Metal curte porque já está acostumada com a barulheira infernal e também porque conhece as bandas clássicas de Rock que eram assim. Quer mais peso que um John Bonham tocando ou qualquer parede Marshall que se preze!

Deca - É que faz muito tempo que não tem banda de Rock 'n Roll pesado cantando em português. Teve alguma coisa parecida há mais de vinte anos... Além do quê, hoje em dia, a galera prefere cantar em inglês e tocar Punk e coisas do tipo. Quando não é isso, é Metal, como você disse. Pra mim tá ótimo do jeito que está, até porque sobra mais espaço prá gente!

Soneca - Nos anos 50, 60 e 70, todo mundo era obrigado a descer a mão pois o equipamento de P.A. não era dos melhores, daí ligavam uma parede de amplis de cada lado e não restava opção, o baterista tinha que descer a mão e o cantor tinha que ter potência pra cantar. É a falta de conhecimento que leva as pessoas a achar que um negócio levinho e domesticado pode ser Rock'N'Roll.

Whiplash! - Aliás, como que é este lance de fazer Rock'N'Roll no Brasil, sabendo-se que dinheiro mesmo que é bom até rola algum, mas daí a ficar rico...

Soneca - Tem que ter paciência, perseverança e gostar muito do que se faz. Porque, independente de se ganhar a vida com isto ou não, temos que registrar este momento e estas músicas. Então o que se pode esperar da gente é que vamos continuar a lançar discos e a fazer shows por um bom tempo! Afinal quando formos pro saco é isto que vai ficar!

Paulão - Tem que ter algo paralelo como dar aulas, tocar em bandas covers ou ter um trampo oficial, mas o importante é não desistir.

Deca - Fazer Rock 'n Roll no Brasil é tipo esporte radical e com uns tombos animais! Mas nem tô nessa pra ficar rico, se bem que não me incomodaria nem um pouco! Faço isso porque gosto demais! É sensacional subir no palco, tocar alto, jogar a guitarra no chão, pular de um lado para o outro, divertir a galera e tomar várias cervejas entre cada música! Receber grana pra fazer isso então, é espetacular!

Xande - Rico? Bom, eu não pretendo... Dando pra pagar o hotel, a birita e a jogatina, está beleza!

Whiplash! - Mas olha só: uma outra pergunta que já fiz para outras bandas na mesma situação de vocês é a seguinte: se um dia surgisse uma oportunidade de tocar em um programa de TV como o do "Faustão", por exemplo, mas com a condição que fosse apresentado um trabalho mais acessível, você topariam, só para ter a chance de mostrar seu trabalho para um público maior? Até que ponto a fidelidade às "raízes" e aos fãs atuais seria conflitante com uma possível ascensão ao sucesso mediante uma certa "concessão" para a mídia?

Paulão - Depende da concessão, se for um axé, aí não dá, mas se for algo na nossa praia, algo Rock que dê para pôr no nosso arranjo, tudo bem.

Soneca - Se for pra tocar nossas músicas não existe concessão. Pode ser desde a mais pesada até um Blues, como "Mulher de Pagodeiro" do nosso primeiro CD, que é nossa e tá valendo. E é óbvio que não iríamos lá pra tocar axé!!

Deca - Temos dois CDs e são 21 músicas no total. Gosto de todas, se não, não teríamos gravado. Não tem baladinha fresca de "playboy" ou de "patricinha" pra tocar em rádio. É tudo rock, guela abaixo e sem anestesia! Se alguém chamasse a gente pra fazer um desses programas de TV é porque curtiram o som da BARANGA como é.

Soneca - Tem gente que acha que tocar no Faustão é "trair o movimento", mas eu adoraria ver bandas boas de Rock naquela porra! Todos fariam mais shows, o público roqueiro iria aumentar, o mercado cresceria e quem sabe um dia a gente ia parar de reclamar que aqui é a terra do Samba e não tem espaço pro Rock, blá, blá, blá! O Rock tem que ser a regra e não a exceção! Nós temos que bater de frente com os pagodeiros e outras porcarias e conquistar nosso espaço!

Xande - Bom, até acontecer isto, já estaremos com o terceiro disco pronto, que estamos compondo. Se até lá eles não gostarem das nossas trinta e três músicas, nada feito.

Soneca - E tenho certeza que uma ascensão ao sucesso não causaria conflito nem com nossas raízes, nem com os fãs atuais. Os fãs atuais acho que ficariam orgulhosos por já terem conhecido a banda antes do sucesso e continuariam a nos encontrar, nos mesmos botecos de raiz que frequentamos, sempre.

Whiplash! - É interessante notar que neste segundo CD, "Whiskey do Diabo", apesar da temática ser a mesma, as letras parecem que estão um pouco menos "escrachadas" que no disco de estréia; estariam os integrantes da banda passando por "conflitos existenciais"? Será que no futuro o destino de vocês é se render ao Blues, já que a maioria dos roqueiros quando envelhece migra para o gênero?

Soneca - Foi uma questão de momento. O som ficou mais pesado e as letras um pouco mais malandras. Mas passamos longe de conflitos existenciais, nos dois discos fica claro o que é essencial para nossa existência. Escrevemos sobre tudo que faça parte do estilo de vida de um Rocker e é bem provável que no terceiro disco tenha uma ou outra letra com mais pimenta porquê algumas já foram escritas.

Xande - O Blues fala de lamento de um povo sofrido, na sua grande maioria, e nós pensamos em fazer algo alegre e divertido, com apresentações eletrizantes e interagindo com o público. Com relação às letras, acho que não mudamos muito, "Todo Dia" é bem na onda do primeiro CD, "Não Quero" e "Cão Vira Lata" também.

Deca - Que conflitos existenciais que nada, foi o que veio na telha do Xande e Soneca, na hora de compor as letras do segundo CD. Esse Blues que o Soneca fala é na versão BARANGA, nervoso e perigoso, não é aquele Blues arrastado, insuportável e sem graça que os playboys gostam de ouvir tomando whisky escocês com gelo. Sou fã de vários artistas de Blues e Blues-Rock, mas duvido muito que eu vá tocar isso algum dia.

Paulão - O nosso único conflito é onde encontrar cerveja mais barata... quanto às letras, acho que não mudou tanto assim, continuamos a falar de bebida, carrão na Marginal, mulher e muita sacanagem.

Soneca - Quanto ao Blues, ele já faz parte de nosso som. Em nosso primeiro CD tem dois: "Mulher de Pagodeiro" e "Garçom". No CD novo, o riff da "Whiskey do Diabo" é Blues puro, só que transportado para o século 21. Fazemos um Rock'N'Roll em que as raízes transparecem e o Blues é uma delas.

Whiplash! - Me lembro até hoje de uma vez que assisti a um show de vocês e já de madrugada eu passei de moto na frente de um boteco e minha mulher comentou: "olha lá, aqueles lá não são os malucos da banda?" Até que ponto vocês vivem de fato as histórias de bebedeiras, mulherada e Rock'n'Roll?

Deca - Até a última gota de sangue na minha corrente alcoólica! Você nunca vai ouvir letra da BARANGA falando de fadas. E se tivesse, ela faria um strip tease antes de chegar o refrão...

Paulão - Olha cara, na maioria das vezes eu vivo e sou todas essas situações relatadas nas letras, não há hipocrisia no BARANGA.

Xande - Meu calo no cotovelo, de tanto apoiar no bom e velho balcão de fórmica - por sinal já meio extinto - não desmente, realmente gostamos de um boteco.

Soneca - A maior parte das histórias aconteceu com a gente, outras aconteceram com pessoas conhecidas ou figuras que aparecem pelo caminho. É importantíssimo você acreditar no que está cantando. Quando o Xande canta é tudo verdadeiro, se fosse falso as pessoas perceberiam facilmente. E são letras que quem ouve se identifica, já viu algo parecido acontecer em sua vida ou na de algum conhecido.

Whiplash! - Na contracapa do novo CD consta o logotipo de uma gravadora chamada RNR Records, mas pela informação que eu tenho vocês o lançaram de forma independente; qual é a parada, afinal?

Deca - RNR Records é o selo que eu montei pra lançar esse CD e o que mais vier, seja da BARANGA ou de bandas que a gente goste. O Soneca tá forte na parada comigo. Antes de lançar o "Whiskey..." chegamos a conversar com gravadoras, mas o lance era sempre enrolado e misterioso. Aí, me enchi e fui cuidar da minha vida. Tá sendo ótimo até agora!

Soneca - Queríamos fazer um trabalho melhor neste novo CD, desde o som e a gravação até a distribuição e divulgação, para isso resolvemos montar um selo. Continuamos independente, só que através do nosso selo e com divulgação da Brasil Music Press e distribuição da Voice Music. Devemos lançar, em 2006, uma coletânea com bandas de Rock de São Paulo que cantem em português. Pode até rolar mais alguma outra banda, mas a prioridade do selo é o BARANGA.

Whiplash! - Receio que por hora vocês estejam tocando ao vivo somente no Estado de SP; alguma previsão de excursionar Brasil afora? Por outro lado, como suas músicas são cantadas em português, não existe um projeto no sentido de tentar a sorte lá fora, estou certo?

Deca - São Paulo é onde mais tocamos mesmo, principalmente na capital, a São Paulo Rock City! Também pudera, moramos aqui e tem uma quantidade de casa de shows e bares de Rock que não se encontra em outros estados. Porém, já fomos várias vezes tocar no estado do Rio de Janeiro - voltamos de lá no final de novembro, quando tocamos em Saquarema - e já passamos também pelo Paraná.

Soneca - Em 2006 queremos dar um rolê fora de São Paulo. É um de nossos projetos para o ano que vem, junto com o terceiro disco e a coletânea. Não temos pretensão de tentar a sorte fora por justamente cantar em português. Já pensei em mandar uns discos pra Portugal pra ver se eles entendem alguma coisa (risos). Também gostaria de tocar na Argentina, porque gosto de bandas de lá.

Paulão - O nosso objetivo é tocar pelo Brasil no ano que vêm, inclusive já estamos fazendo contatos, queremos também tocar pela América Latina e quem sabe até em Portugal.

Whiplash! - Li, acho que em alguma revista, que um determinado cantor breganejo, cujo nome não lembro agora, teria comprado algumas cópias do CD, é verdade?

Soneca - Foi o Ralf, da dupla Christian & Ralf. Não foi surpresa porquê, há uns dez anos atrás, ele produziu a banda BIG BALLS, que era formada pelo Xando Zuppo, que foi da PATRULHA DO ESPAÇO, e o Paulo de Tarso, que já fez letras pro GOLPE DE ESTADO.

Deca - Por mais que ele faça o som que faz, vai saber se ele não ouve SLAYER em casa... (todos caem na gargalhada!)

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Entrevistas
Todas as matérias sobre "Baranga"

Metal SP: documentário sobre Heavy Metal em São Paulo
Triumph of Metal: evento foi um sucesso absoluto
Mano Sinistra: membros do Moda de Rock, Baranga e Houdinis
Baranga: álbum é diversão garantida do começo ao fim
Baranga: ouça o novo álbum O 5º dos Infernos na íntegra
Baranga: assista a "Chute na Cara", novo lyric video da banda
Baranga: 5º CD pronto, "O 5º dos Infernos"
Baranga: o Rock n' Roll nacional em sua melhor fase
Manifesto Bar: como foi o concurso camiseta molhada no carnaval
SESC: shows do Made in Brazil, Tutti-Frutti, Baranga e outros
Baranga: "Roqueiro brasileiro tem cara de bandido?"
El Diablo: Fúria Louca, Carro Bomba e Baranga no MOA
Baranga: "O El Diablo que se prepare, estamos chegando!"
Virada Cultural: confira programação do palco Barato Afins
Roça'n'Roll: seletiva de SP no Blackmore Bar

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Marcos A. M. Cruz

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas