All Shall Perish: O Fim De Uma Ótima Banda

Resenha - This Is Where It Ends - All Shall Perish

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Humberto Bruno Silva
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Existem ótimas bandas no Deathcore,porém, nenhuma é tão melódica,técnica e pesada quanto o All Shall Perish. E no quarto álbum da banda, lançado em 2011, temos um dos melhores trabalhos já feito pelos músicos. Temos letras que criticam religião e política, e de forma geral, fala sobre toda a sociedade. A banda terminou após a saída do vocalista Eddie Hermida, que hoje faz parte do Suicide Silence, mas deixou para os fãs uma das melhores bandas do gênero.

Deathcore: 5 ótimos vocalistas do gêneroSimplicidade é para os falsos: o nome de banda mais complicado do mundo

Imagem

De início temos ''Divine Illusion'', a faixa começa com um pesado riff que se repete pela maior parte da música até que temos uma Breakdown enquanto Hermida fala alguma palavras que logo se tornam gritos e da início ao incrível solo do guitarrista Francesco Artusato. A letra critica a religião e diz: ''Você deve temer o seu Deus ou então você vai cair.Para a sua salvação os siga cegamente em suas palavras''.

A segunda faixa, ''There Is Nothing Left'', tem uma rápida introdução de guitarra e então o vocal já começa. Esta possui um refrão pegajoso e melódico. Depois do segundo refrão temos uma variação que nos prepara para mais um magnífico solo. Essa música fala sobre começar tudo de novo e parar de se lamentar.A letra diz:''Então deixe estes pensamentos depressivos de lado.Seu coração foi feito para lidar com a dor''.

A terceira música,''Procession Of Ashes'' começa com um arpejo acompanhado por uma pesada base de guitarra e logo o vocal começa, mostrando o ótimo trabalho de Hermida. Esta possui um pre-refrão que marca muito a música e logo temos o refrão que junta de uma só vez os vocal grave e agudo de Eddie que é acompanho na mesma melodia pela guitarra. E mais uma vez,um ótimo solo. E pra finalizar temos uma guitarra limpa que repete o mesmo arpejo do início. A letra fala sobre nos juntarmos contra a corrupção, ela diz: 'Nós estamos indignados com toda a corrupção e com todos os mentirosos depravados. Todos vocês que nos usaram, nós vamos tirar vocês do poder e assistir suas vidas decaírem''.

A quarta faixa ''A Pure Evil'', se destaca por ter guitarras melódicas com mais frequência. Em algumas partes Hermida faz ótimos pig squeals.
A quinta faixa,''Embrace The Curse'',tem um repetitivo riff que permanece pela maior parte da música. Aqui temos uma das melhores Breakdowns. A letra fala sobre a decadência da humanidade,dizendo: ''Todos nós somos o mesmo. Nós os julgamos por suas diferenças.Dizendo falsas acusações para desculpar nosso comportamento desumano''.

A sexta faixa, ''Spineless'' começa com um trabalho muito técnico entre as guitarras que logo da início a um riff que precede o vocal.Aqui podemos ouvir melhor o trabalho com os pedais duplo de Matt Kuykendall. Ao final temos um curto arpejo com guitarra limpas e rapidamente o peso da música volta. A letra fala sobre pessoas sem atitude que tem uma vida inútil, ela diz: ''Acorde, sua vida se tornou nada. O tempo pra sonhar já se foi. Se levante.É hora de agir,de parar de viver o seu arrependimento. A porta está bem na sua frente,se levante e dê o passo''.

Em ''The Past Will Haunt Us Both'' temos uma das músicas mais marcantes do álbum. Essa faixa começa com um pequeno e melódico riff de guitarra que começa baixo e vai aumenta até que o vocal começa e temos um ritmo cadenciado que segue pela maior parte da música. No refrão, uma guitarra faz um agradável e repetitivo riff. Toda a melodia torna essa uma música dramática e emocional e ainda mantém o peso. faixa fala sobre o fim de um relacionamento, ela diz: ''Você me deu uma razão para continuar essa vida. Então,como eu deveria continuar nesta luta? Como podemos estar tão errados?Nossas almas nos perseguirão''.

A oitava faixa ''Royalty Into Exile'', começa com um simples riff que da início ao vocal da música. faixa tem o refrão mais melódico de todos. música pode até lembrar bandas como In Flames por toda a melodia envolvida. A letra fala sobre o começo de uma revolta, ela diz: ''Nós somos as massas.Não podemos ser fracos. Livre arbítrio é apenas uma imagem.Não faça parte da ganância deles. O governo tem feito o que quer, a prova é fácil de ver. Eles pregam sofisticação enquanto eles violam, mentem e trapaceiam''.

A nona faixa ''My Retaliation'' começa com um empolgante grito, dizendo: ''I hope to see you fucking die''. Uma das músicas mais repetitivas do álbum. A música fala sobre pessoas corruptas, ela diz: ''O tempo mostrou que todas as suas ações eram meramente uma farsa. Seus truques são amadores na melhor das hipóteses. Seus bolsos ficam mais cheios com cada truque barato. Manipulação de todos aqueles que te seguiram. Isso mostra que você não tem controle''.

Na décima música, ''Rebirth'' podemos ver um pouco da influência do Black Metal na banda. No meio de todo o peso temos uma parada então ouvimos um violão fazendo uma curto dedilhado que contrasta muito bem com tudo em volta. A música fala sobre um renascimento da sociedade: ''Renascimento de um modo de vida perdido. Uma mentalidade rapidamente abandonada. Este domínio se levantara da ruína. Mas não sem uma morte grotesca''.

Nessa faixa ''The Death Plague'', a participação de Alexandre Erian (Despised Icon). Essa é uma das músicas mais pesadas do álbum. Fala sobre zumbis, a faixa diz: ''Nós somos a infestação suja. Nós somos os resilientes. Logo que eu mordo meus filhos vivem,vivendo como a morte encarnada.Um dispositivo cataclísmico''.

Em ''In This Life Of Pain'', temos a faixa mais longa de todo o álbum.Ela começa com um belo piano. Após alguns minutos a agressividade da banda volta. Essa faixa fala sobre ódio, ela diz: ''Meu ódio por você cresce com cada respiração que você toma. Você só existe pra mentir,esses olhos são traiçoeiros. É como uma bola dentro, a raiva que eu escondo com um sorriso no meu rosto''.

Para terminar o álbum temos uma versão em espanhol da música ''Royalty Into Exile'', que se tornou ''Nobleza En Exilio''. Então chegamos ao fim de um ótimo álbum, que demonstra algo que pode ser chamado de Melodic Deathcore. Este é o último álbum da banda. Também é importante dar atenção para a arte da capa feita por Brent Elliot White, que consegue representar muitos dos temas do álbum.

1. Divine Illusion
2. There Is Nothing Left
3. Procession Of Ashes
4. A Pure Evil
5. Embrace The Curse
6. Spineless
7. The Past Will Haunt Us Both
8. Royalty Into Exile
9. My Retaliation
10. Rebirth
11. The Death Plague
12. In This Life Of Pain
13. Nobleza En Exilio

Imagem

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Deathcore: 5 ótimos vocalistas do gêneroTodas as matérias e notícias sobre "All Shall Perish"

All Shall Perish
A barbárie dos Wall Of Death mais truculentos do globo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "All Shall Perish"

Simplicidade é para os falsos
O nome de banda mais complicado do mundo

Lemmy Kilmister
"Coleciono apenas material nazista, não as ideias"

Janick Gers
Descartável ou essencial ao Iron Maiden?

Cinema: Filmes para quem ama Rock e Metal (Parte 1)Indústria musical: sete coisas que um músico não quer ouvirJá tem 20 anos!: os dez melhores álbuns de metal de 1995Kiko Loureiro: em vídeo, debulhando no solo de "Tornado of Souls"Iron Maiden: de onde vem o amor de Phil Anselmo pela banda?Kiss: Stanley declara não ser gay, Ace admite ter tentado ser bi

Sobre Humberto Bruno Silva

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online