Whiplash.NetMenuBuscaReload

Kreator: Melodia e agressividade em mais um grande disco

Resenha - Gods of Violence - Kreator

 Compartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Décimo-quarto álbum do Kreator, "Gods of Violence" funciona como uma espécie de carta de intenções da banda alemã: sempre estivemos aqui, sempre faremos as coisas do nosso jeito, não deixaremos nunca de ser agressivos! Lançado em 27 de janeiro, o disco traz onze canções produzidas por Jens Bogren (Haken, Fleshgod Apocalypse, Moonspell) e é uma pedrada sensacional.

Kreator: Retomando o posto de maior banda européia de thrashTesão pela vida: A Historia de Iggy Pop

Imagem

Dando sequência ao que já havia mostrado em "Phantom Antichrist" (2012), o quarteto liderado por Mille Petrozza (vocal e guitarra) - completam a banda o guitarrista Sami Yli-Sirniö, o baixista Christian Giesler e o baterista Ventor - segue com o pé no fundo, equilibrando a agressividade inerente de sua música à intervenções de melodia sempre certeiras, alcançando um resultado final que reafirma a ótima fase vivida pela banda nos últimos anos.

O trabalho de guitarras presente em "Gods of Violence" é de cair o queixo, e é uma das razões que fazem o disco tão especial. A interação entre Mille e Sami é quase telepática, em uma parceria que já dura dezesseis anos e acrescentou muito à sonoridade da banda. Isso, aliado ao trabalho de composição extremamente bem executado, faz com que tenhamos uma coleção de faixas não apenas empolgante, daquelas que colocam sorrisos contínuos no rosto durante a audição, mas também um conjunto de canções com potencial para figurar entre os grandes momentos da trajetória do Kreator.

De modo geral, temos em "Gods of Violence" um disco no mesmo nível de "Phantom Antichrist", o que quer dizer muita coisa. O álbum de 2012 foi excelente, e a principal diferença percebida em relação ao novo disco é a presença maior de melodia em "Gods of Violence", enquanto em "Phantom Antichrist" fomos brindados com uma violência genuína e onipresente. Essa mudança em um dos eixos principais das canções pode fazer com que uns prefiram um trabalho ao outro, conforme o seu gosto pessoal. No entanto, o Kreator conseguiu alcançar, em ambos os casos, resultados sensacionais, demonstrando a capacidade que Mille e sua turma possuem em explorar os diferentes ingredientes que compõe o thrash metal.

Entre as faixas, as minhas preferidas são “World War Now”, “Satan is Real”, “Totalitarian Terror”, “Army of Storms” e “Fallen Brother” (que ganhou um clipe bem legal homenageando ícones falecidos do metal como Dio, Lemmy e outros). Chama a atenção também a sutil semelhança, em um pequeno trecho nos acordes da introdução acústica da música que dá nome ao disco, com a clássica “Fade to Black”, do Metallica. Uma pequena curiosidade em outra das ótimas canções que fazem de "Gods of Violence" um dos grandes momentos da carreira do Kreator.

Desde já, um dos pontos altos do metal em 2017.

Comente: Já ouviu o disco? O que achou?

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

 Compartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Kreator
Quem são os irmãos caídos no clip "Fallen Brother"?

Kreator: Retomando o posto de maior banda européia de thrashKreator: resenha do novo álbum no Disco Voador RocksNerd Metal: Uma opinião sobre "Gods of Violence", do KreatorKreator: veja o vídeo de "Totalitarian Terror"Kreator: unboxing de Gods Of Violence, edição especial em vinilTodas as matérias e notícias sobre "Kreator"

Kreator
Vocalista comenta sobre fazer parte do "Big Six"

Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1986

Whatculture!
Site elege dez maiores discos de Thrash Metal

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 31 de janeiro de 2017

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Kreator"

Tesão Pela Vida
A mais completa biografia de Iggy Pop em português

Indonésia
Presidente headbanger negou clemência a traficante brasileiro

Motorhead
Lemmy e o direito de morrer como quiser

Marco Feliciano: deputado desmente mensagem sobre roqueirosGaahl: "gente feia me deixa num mau humor terrível"Dave Navarro: carta aberta para adolescentes LGBTRush: Alex Lifeson e a alma injustiçada da bandaAndre Matos: assista entrevista com Funérea na MTVIron Maiden: a visão detalhada de "The Trooper"

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online