Whiplash.NetMenuBuscaReload

Alírio Netto: Sonoridade suave e distante do rock em estreia solo

Resenha - João de Deus - Alírio Netto

 Compartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Alírio Netto possui uma longa folha corrida de serviços prestados ao metal nacional. Vocalista das bandas Khallice e Age of Artemis, construiu uma carreira sólida e conquistou admiradores em todo o país graças à técnica vocal diferenciada que sempre possuiu. Mais recentemente, Alírio fez parte do casting da versão brasileira do musical Jesus Cristo Superstar interpretando o papel de Judas Iscariotes, e também do musical We Will Rock You, onde interpreta o papel de Galileo nessa celebração à obra do Queen.

Polêmica eterna: O rock pesado tem um "pai"?Guns N' Roses: Slash relembra Use Your Illusion e crise

Imagem

"João de Deus" é o primeiro disco solo de Alírio Netto e foi lançado no final de 2016, mais precisamente dia 15 de dezembro, pela TRM Records. Ao contrário do que fez em toda a sua carreira, aqui Netto explora outro lado de sua personalidade musical, cantando em português e apostando em uma sonoridade bem mais suave. O disco foi produzido pelos irmãos Falaschi - Edu e Tito - e conta com participações especiais de Felipe Andreoli (Angra), Marcelo Barbosa (Angra), Tiago Mineiro e Milton Guedes (Rita Lee, Lulu Santos), além do próprio Tito Falaschi. Vale citar que o ex-vocalista do Angra, Edu Falaschi, além de assinar a produção também participa da composição de duas faixas, “Viver (One Love)” e “Nada Mais Importa”.

Musicalmente, é tudo muito bem feito e produzido, com tudo no lugar. A voz de Alírio surge cristalina e perfeita em cada faixa, realçando a capacidade do músico. As participações especiais são marcantes, como o belo solo de Marcelo Barbosa em “João de Deus, o piano de Tiago Mineiro em “Retratos” e o sax de Milton Guedes em “Nada Mais Importa”.

Quando aposta em uma sonoridade descaradamente pop, Alírio consegue fazer isso com bom gosto e alcança resultados agradáveis, como podemos conferir em “Viver (One Love)”, “O Palhaço” e “Nada Mais Importa”. No entanto, confesso que não curti muito as canções mais lentas como “De Sol a Sol” (versão de uma música do cantor mexicano Erik Rubin), “Retratos" e “Segredos”, que mesmo mantendo a excelência instrumental e interpretativa presente nas demais faixas do disco, acabaram soando excessivamente melosas aos meus ouvidos.

Trilhando de maneira corajosa um caminho totalmente oposto a tudo o que fez em sua carreira até agora, Alírio Netto mostra em "João de Deus" a capacidade que possui de experimentar novas sonoridades mantendo a qualidade que sempre marcou a sua carreira. É um trabalho que não agradará a todos os ouvidos, principalmente aos mais acostumados com sonoridades relacionadas ao rock.

Pessoalmente, achei um disco apenas mediano, mas acredito que quem é adepto de um som mais suave tem tudo pra curtir.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

 Compartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de João de Deus - Alírio Netto

Alírio Netto: João de Deus é pop, para ouvir a doisAlírio Netto: Mostrando uma nova faceta de sua musicalidade

Edu Falaschi
Os dez vocalistas brasileiros preferidos dele

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Alírio Netto"Todas as matérias sobre "Khallice"Todas as matérias sobre "Age Of Artemis"

Opinião
Quem pode ser considerado o "pai" do rock pesado?

Guns N' Roses
Slash relembra Use Your Illusion e crise da banda

Cantam muito
Onze dos maiores vocais isolados que você vai ouvir

Em vídeo: A diferença entre ser músico e ser rockstarStevie Ray Vaughan: "Oi, sou Stevie, alcóolatra e viciado!"Ace Frehley: "Gene só quer dinheiro! Eu quero música e arte!"Slayer: "Gary Holt é o Glenn Tipton da nossa era"Guns N' Roses: os 10 melhores não-clássicos da bandaSlayer: veja Tom Araya e seu cover para "Blackout" do Scorpions

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online