Sepultura: Em plena forma e com mais um disco brilhante

Resenha - Machine Messiah - Sepultura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Gleison Junior
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Falar sobre um dos principais nomes do Metal nacional pode parecer ser fácil, mas garanto, não é, afinal o legado que o Sepultura conquistou no decorrer dos anos é o sonho da maioria de jovens músicos que iniciam sua árdua missão de se tornar autossustentável apenas com a música.

Heavy Metal: as melhores músicas lançadas recentementeClaudia Ohana: "Desculpa, mas eu arrasei" diz, sobre cover do Nirvana no Jô

Imagem

Um dos pontos mais complicados em sua trajetória e saber que existe três frentes de fãs do Sepultura, a primeira é aquela ultraconservadora que só aceita os materiais gravados na fase “Max Cavalera”, a outra é a geração anos 2000, que conheceram o Sepultura já com o vocalista “Derek Green” e a terceira e ultima, a que eu me incluo, os fãs da banda como um todo, sabendo e reconhecendo a importância dos músicos ao metal nacional e mundial com trabalhos primorosos e de impacto histórico cultural em distintas situações e épocas, e sim o Sepultura é cultura.

Após lançarem o excelente “The Mediator..” em 2013, a banda retorna com mais um novo álbum, o décimo quarto de estúdio “Machine Messiah”, sendo o oitavo com os vocais de Derek Green e o segundo do monstro das baquetas “Eloy Casagrande”.

Ao se iniciar a análise sobre o álbum, o primeiro ponto a se tocar é o fato de após anos sem gravar e produzir nada na Europa, nesse álbum a banda se reuniu no renomado estúdio “Gröndahl” que fica localizado na cidade de Estocolmo/Suécia, com toda a distribuição sendo feita pelos gigantes da “Nuclear Blast” e se preparou por meses para o lançamento do aguardo “Machine Messiah”.

O álbum apresenta novidades importantes que jamais foram utilizadas pela banda, orquestra, teclados, guitarras duplicadas e outros detalhes que ao decorrer da resenha apresento a vocês, outro adendo importante é a força imposta nos vocais de “Derek”, o vocalista manteve seu timbre, mas de longe é nítido que nesse álbum temos o melhor desempenho do músico em sua carreira a frente da banda.

Abrindo o álbum, a faixa-título “Machine Messiah”, seu andamento é arrastado e vai ganhando velocidade no decorrer de seu andamento, mais calmo e suave, os vocais de Derek chegam a ser irreconhecíveis, devido a leveza com que o mesmo impõem no início da faixa. A música imprime o sentimento de viagem introspectiva do ser.

Em seguida uma explosão de velocidade, variações, contra tempos, riffs mortais e vocais urrados, apresentam a faixa “I Am the Enemy” , a primeira música liberada para audição. Apesar de curta é emocionante ouvir as cavalgadas que “Andreas Kisser” impõe na faixa. Música típica e característica da atual fase da banda.

Mantendo a já tradicional exploração em instrumentos percussivos, a banda apresenta a faixa “Phantom Self”, a mesma já nasce para se tornar um clássico da banda, agora some aos instrumentos de percussão da faixa, elementos orquestrais, sim, o Sepultura está utilizando de orquestra em sua música, mas não se assuste os caras mandaram muito bem e todo o arranjo ficou perfeito e com um belíssimo andamento. Ponto mais que positivo a banda por essa inovação.

“Alethea” explora os tambores com muita técnica, um fardo fácil quando nas baquetas se encontra o monstro “Eloy Casagrande”, o conjunto harmônico da música é mais arrastado e variações de andamento de tempo em tempo. Tudo com timbragens pesadas e muita técnica.

Rica em elementos, a instrumental “Iceberg Dances”, mistura uma explosão de intensidade aos ouvidos, teclado, percussão, violão, são alguns dos instrumentos utilizados pela banda na faixa. Antes de torcer o nariz para uma música instrumental, escute a faixa inteira e perceba como é incrível a capacidade de mudança no andamento sem deixar o feeling cair.

Aos meus ouvidos, a faixa “Sworn Oath” tem um início Dark/Gothic, a exploração dos teclados é muito forte nessa faixa, a música possui um clima de suspense e tensão em todo seu decorrer, uma faixa que foge totalmente de tudo que a banda já fez, eles inovaram e com muita propriedade e qualidade.

“Resistant Parasites” tem uma força surpreendente, melodias oriundas da melhor fase da banda que logo de cara entusiasmam o ouvinte, causando aquela sensação de prazer ao decorrer da faixa. Aqui falamos de Sepultura clássico.

Outra excelente faixa “Silent Violence” é explosiva em quase todo seu andamento, outra faixa empolgante criada pelo grupo, destaque para os solos de Kisser que vão mais rápido que a luz e comprova o que muitos duvidam que Andreas Kisser seja um dos melhores guitarristas do país.

“Vandals Nest” libera o sentido de nostalgia logo de cara, música com elementos dos anos áureos do Thrash Metal, oriundas das principais influências que alavancaram o estilo e momentos modernos, provando que o sepultura não se prende a um rótulo e muito menos tem medo de ousar.

Fechando o disco, “Cyber God”, a faixa é a manutenção da que foi criada pela banda após a entrada de “Derek”, andamento cadenciado com vocais calmas e sampleados, para na sequencia explodir em velocidade e peso.
O que se dizer de uma banda que vem atravessando gerações, críticas, intrigas entre outros males causados por um estilo que não tem união, enquanto você amiguinho fica ai torcendo seu nariz ao maior nome do país, eles estão em plena forma e com mais um disco brilhante.

Comente: Ouviu o novo álbum? Qual a sua opinião?

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Machine Messiah - Sepultura

Sepultura: "Machine Messiah" é uma bela obra do gêneroSepultura: Que impacto Machine Messiah terá no metal?Sepultura: Reunião? "Machine Messiah" diz "não!"Sepultura: sofisticado, "Machine..." é um dos melhores da bandaSepultura: Apenas mais um na discografia da banda

O Metal continua relevante?
As melhores músicas lançadas recentemente

Kreator/Sepultura, Part Soilwor/Aborted: show na terra da rainhaAndreas: não liga para os que clamam pela formação clássicaTodas as matérias e notícias sobre "Sepultura"

Sepultura
O solo de Eloy que fez o RIR aplaudir o Gloria

Rock In Rio 1991
10 curiosidades sobre a 2ª edição do evento

Cavalera Conspiracy
"Não vivemos do passado", diz Iggor

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 12 de janeiro de 2017
Post de 05 de fevereiro de 2017
Post de 08 de fevereiro de 2017

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Sepultura"

Claudia Ohana
"Desculpa, mas eu arrasei" diz, sobre cover do Nirvana no Jô

Dimebag
Relato e fotos inéditas do último Natal dele

Fotos de Infância
Gene Simmons, do Kiss, muito antes da fama

Black Sabbath: As 10 melhores músicas da banda segundo a Ultimate Classic RockLauren Harris: Como é ser filha do baixista do Iron MaidenMetallica: a paixão de Kirk Hammet pelo "Master of Puppets"Dave Mustaine: ensinando como pegar todas as gatinhas da escolaGuns N' Roses: Chuva de Novembro, com os Venenos do ForróGNR: "novos membros são uns idiotas", diz Michael Paget

Sobre Gleison Junior

Casado, Pai do Gustavo e do Bernardo - Amante do bom e velho Rock and Roll - Apresentador do programa Roadie metal, A Voz do Rock e idealizador das coletâneas Roadie Metal, além de criar e administrar o site Roadie Metal!

Mais matérias de Gleison Junior no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online