Edu Falaschi: E.V.O. foi o seu "rebirth vocal"

Resenha - E.V.O. - Edu Falaschi

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Bruno Dias Gonçalves
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Para todos os fãs de Edu Falaschi o novo álbum do Almah soou como uma grata surpresa, pois vimos (ou melhor ouvimos) Edu cantar como há muito tempo não víamos. Ao traçar um paralelo do Edu desde que ele foi efetivado no Angra e gravou dois belíssimos trabalhos, Rebirth e Temple of Shadows, vimos que após esses trabalhos sua voz “capengou” um pouco. O álbum Aurora Consurgens não está na lista de favoritos de quase nenhum fã do Angra e de Edu e o Aqua segue a mesma linha. Por outro lado, o trabalho de Edu no Almah ganhou o mundo e vímos um Edu motivado. O nítido desgaste de sua voz seja pelo esforço de estar no Angra e pelo seu problema de refluxo (que em casos mais extremos danificam seriamente as cordas vocais) foi sentido no álbum Motion do Almah, onde Edu fez pouquíssimo ou até nenhum agudo e usou e abusou de tons mais graves e até guturais (Zombies Dictator). Lembrando que o Motion é uma forte mudança em relação ao Fragile Equality, seu antecessor.

Kiko Loureiro: E se eu for feio e morar no Acre?55Gore: o nome e o logotipo mais complicados da história

Ao vivo Edu também mostrava que sua voz estava desgastada. Estive na turnê Angra + Sepultura e pude perceber um Edu sofrendo para cantar algumas músicas e algumas ainda tiveram seus tons abaixados para que o mesmo conseguisse cantar. Muitos chegaram a considerar que Edu nunca mais se reergueria de tantos problemas vocais que aparentava, eu mesmo ficava chateado pois não se pode negar o talento musical de Edu que somado a uma figura carismática não conseguia mais voltar ao nível que estava antes.

Em 2013 já fora do Angra, o Almah lança o Unfold que na opinião desse autor é um puta trabalho. Já mostrando uma leve recuperação vocal do Edu, mas ainda assim não abusando dos seus característicos agudos. Ainda assim algumas músicas como Believer, Wings of Revolution, Stroke chamam atenção devido a mostrar que Edu já conseguia sustentar a voz por mais tempo. Por outro lado, tive a chance de ver um show do Almah e Edu ainda sofria para chegar em tons mais altos, chegando a desafinar algumas vezes.

Em maio de 2016 novamente fui a um show do Almah e fiquei muito contente ao ver um Edu cantando como na turnê do Temple of Shadows, sua voz estava muito forte e bem precisa. Ao fim do show cantou Nova Era chegando a alcançar muito bem os tons mais altos demonstrando que está sim recuperando sua voz. Meses após o Almah lança E.V.O. e da um tapa logo na primeira faixa, Age of Aquarius, onde Edu solta sua voz potente como nos tempos de Angra, alguns comentários na internet chamando esse lançamento do “AlmAngra”. E.V.O. traz excelentes músicas como Speranza, Higher, Infatuated que mostram que Edu está voltando a sua melhor forma vocal desde Rebirth e Temple of Shadows.

Como fã do trabalho do Edu só espero que seja cada vez melhor sua performance visto a importância que esse vocalista já possui dentro do metal nacional.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Kiko Loureiro
Apelo nas redes por guitarra roubada

Kiko Loureiro: E se eu for feio e morar no Acre?Kiko Loureiro: tocar covers ou músicas próprias?Kiko Loureiro: Tocar covers ou músicas próprias?Angra: Odysseya será a banda convidada no show em OsascoTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

Kiko Loureiro
Mustaine deixou ele dar palpites no novo disco?

Importando Metal
Músicos gringos que atuam ou já atuaram em bandas brasileiras

Power Metal
As bandas mais populares segundo o Facebook

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Edu Falaschi"Todas as matérias sobre "Angra"

55Gore
O nome e o logotipo mais complicados da história

Sexo Anal
Saiba onde encontrar esse prazer no Rock

Na Mira do Regis
Farsa do playback no "Superstar" é desmascarada

Lars Ulrich: "Quem são essas outras bandas para nos criticarem?"Avril Lavigne: Aprenda com Rihanna como fazer um meet & greetSlash conta qual foi o disco que mudou sua vidaGlen Hughes: sexo, drogas e Rock'n'Roll no PurpleMaridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoGeologia: Os 5 lugares mais "Metal" do planeta

Sobre Bruno Dias Gonçalves

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online