The Dead Daisies: banda atinge outro nível com Corabi e Aldrich

Resenha - Make Some Noise - Dead Daisies

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Igor Miranda
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O The Dead Daisies é uma grata surpresa entre as novas bandas de hard rock. O projeto, formado pelo guitarrista David Lowy, já contou com músicos consagrados, com destaque a três atuais integrantes do Guns N' Roses: o também guitarrista Richard Fortus, o tecladista Dizzy Reed e o baterista Frank Ferrer.

Hard Legends Party VII: Comemorando o Dia Mundial do Rock em SPRock In Rio: por que ladrões agem menos no dia do Metal?

Imagem

Ainda com Jon Stevens nos vocais, o grupo lançou seu primeiro álbum, autointitulado, em 2013. John Corabi substituiu Stevens dois anos depois, época em que "Revolución", segundo disco do projeto, foi divulgado. A banda ganhou em peso e em distorção - algo natural, já que Corabi, também guitarrista, trouxe pegada à sonoridade.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Neste ano, o The Dead Daisies parece ter atingido a plenitude com um novo reforço: o guitarrista Doug Aldrich entrou no lugar de Richard Fortus. Era o que a banda precisava, em meu ver.

Imagem

A atual formação, completa por Marco Mendoza (baixo) e Brian Tichy (bateria), lançou, no início deste mês, o terceiro álbum do The Dead Daisies. "Make Some Noise" foi feito em parceria com o produtor e compositor, Marti Frederiksen, entre fevereiro e março deste ano, e surpreende desde a sua primeira audição.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

"Long Way To Go" abre o disco na pegada do AC/DC: riffs de impacto e cozinha simples, mas cheia de groove. "We All Fall Down", na sequência, mantém o padrão, mas aposta em uma pegada mais identitária e um pouco contemporânea. Amaciada, "Song And A Prayer" é um crossover entre The Cult e momentos mais suaves do Velvet Revolver, mas não perde em pegada. A participação de Doug Aldrich na faixa é incrível.

"Mainline" coloca o pé no acelerador sem abrir mão de uma boa melodia. A interação da banda, em seus mínimos detalhes, é o destaque aqui. A faixa título do álbum é o típico arena rock, com bateria ao estilo "We Will Rock You" e vocais em coro. Não impressiona, mas reproduz bem o clichê. Já o cover para "Fortunate Son", original do Creedence Clearwater Revival, ganhou força e vida na voz de John Corabi e no instrumental denso.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

"Last Time I Saw The Sun" é um hardão com pitada contemporânea, com guitarra na linha de frente e refrão grudento. Uma das melhores do álbum. Na sequência, "Mine All Mine" se destaca pelo seu groove e performance criativa de Brian Tichy. "How Does It Feel" segue por caminhos harmônicos menos óbvios e cativa, especialmente, pelo bom refrão cantado em coro. Lembra um pouco de Lynch Mob.

A acelerada "Freedom" é o tipo de música que transita entre o hard rock e o heavy metal. Boa para bater cabeça. A gostosa "All The Same" mantém o peso, mas tem uma pegada mais próxima do hard setentista. A jam final é irresistível. O álbum se encerra com "Join Together", cover do The Who - outra versão que ganhou vida na pegada do quinteto. Não é a melhor música do Who, mas compõe bem a tracklist.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

No geral, "Make Some Noise" mostra que o The Dead Daisies começa a encontrar um direcionamento padrão. Guitarras na linha de frente, riffs "gordos" em timbre, cozinha bem tocada, composições bem boladas e os ótimos vocais de John Corabi, que não costumam falhar em trabalho algum. Neste álbum, a banda ganhou ainda mais em pegada no instrumental, o que deu ainda mais consistência às boas composições.

O álbum transita pelos melhores caminhos do hard rock e alia o clássico ao contemporâneo sem exagerar nas referências a bandas antigas. O projeto é altamente promissor e este disco, em especial, deve figurar entre os melhores de 2016 no segmento.

John Corabi (vocal)
Doug Aldrich (guitarra)
David Lowy (guitarra)
Marco Mendoza (baixo)
Brian Tichy (bateria)

01. Long Way To Go
02. We All Fall Down
03. Song and a Prayer
04. Mainline
05. Make Some Noise
06. Fortunate Son (Creedence Clearwater Revival cover)
07. Last Time I Saw the Sun
08. Mine All Mine
09. How Does It Feel
10. Freedom
11. All the Same
12. Join Together (The Who cover)

Comente: Já ouviu a banda? O que achou?

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Make Some Noise - Dead Daisies

Dead Daisies: Uma das bandas mais legais do hard contemporâneo

Richie Kotzen e The Dead Daisies
Turnê pelo Brasil em junho

Hard Legends Party VII: Comemorando o Dia Mundial do Rock em SPRichie Kotzen e Dead Daisies: apresentações em julho no BrasilDead Daisies: Uma das bandas mais legais do hard contemporâneoTodas as matérias e notícias sobre "Dead Daisies"

2016
Os 10 melhores discos de rock/metal do ano, por Igor Miranda

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 30 de agosto de 2016

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dead Daisies"

Rock In Rio
Por que ladrões agiram menos no dia do Metal?

Gibson
Site lista os cinco álbuns mais aguardados para 2015

Capas de álbuns
Agora com gatos em discos clássicos

Slash: "grunge não teve nada a ver com o fim do Guns"Kiss FM: as 500 mais escolhidas pelos ouvintes da rádio em 2012Herói: Astros da música transformados em heróis de HQCarnaval com Rock: Bloco Cru e Filhos Of The DarkIron Maiden: o Eddie em versões hiláriasGaleria - Tatuagens em homenagem ao Helloween

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013 – apesar de ainda manter por lá uma coluna semanal, chamada Cabeçote.

Mais informações sobre Igor Miranda

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online