Dark Witch: "The Circle Of Blood", o disco de estreia da banda

Resenha - Circle Of Blood - Dark Witch

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Michell de Oliveira Almeida
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A banda brasileira Dark Witch foi fundada no ano de 1999. A banda tem como características a junção do heavy metal com elementos melódicos e épicos, abordando em suas letras temas como história, mitologia e ocultismo.

As regras do New Metal/Nu-metalDimebag: relato e fotos inéditas do - bizarro - último Natal dele

Imagem

“The Circle of Blood” é o primeiro álbum de estúdio completo da banda e foi lançado em versão digital pela Heart Of Steel Records e a versão física foi lançada pela Arthorium Records. A banda também conta com duas demos, dois álbuns de coletânea e faz parte de um álbum de tributo a banda Harppia. Para esse CD, a banda é formada por Bil Martins no vocal e baixo, Cesar Antunha e Décio Andolini nas guitarras e comandando as baquetas, André Kreidel.

O álbum traz 13 faixas, em 1 hora. A primeira música do CD, “Circle of Blood” traz riffs de guitarra e batidas de bateria típicos do heavy metal. O vocal de Bil Martins na faixa é bastante característico do heavy metal. O refrão tem alguns tons épicos, mostrando as características da banda. O solo de guitarra é rápido e bem executado.

“Wild Heart” começa de forma incrível com as batidas da bateria e com um solo de guitarra, já empolgando o ouvinte logo no começo. O vocal de Bil Martins é incrível e poderoso na faixa. A execução da faixa lembra músicas do Saxon. As guitarras de Cesar Antunha e Décio Andolini são muito bem executadas. A bateria de André Kreidel e o baixo de Bil Martins mostram grande importância na faixa. Mas os grandes destaques da faixa são os agudos de Bil Martins, o ótimo refrão, o solo de guitarra de Cesar Antunha e o pequeno solo do baixo de Bil Martins.

A terceira música do álbum, “Master of Fate” é mais pesada e rápida do que as faixas anteriores. Esse peso é notado logo no início da música com os riffs de guitarra e a bateria rápida e brutal de André Kreidel. “Cauldron” começa com riffs característicos do heavy metal. A bateria é rápida e o baixo mostra importância nessa música. O vocal de Bil Martins mais uma vez mostra técnica e precisão. O refrão é bastante marcante e faz junção com características melódicas e épicas típicas do power metal. O solo de guitarra mais uma vez mostra técnica, precisão e rapidez.

A quinta faixa do álbum, “Firestorm” começa com um solo de guitarra extremamente preciso e bem típico do power metal. O grito de Bil Martins no início da música é um grande destaque. A música mostra bastante peso e precisão na parte instrumental. A faixa faz transições entre as características do heavy metal e do power metal. O início do refrão “I see the dragons flying in the sky” é bem típico das letras épicas de bandas de power metal.

“Stronghold” começa com excelentes riffs de guitarra e logo em seguida a bateria entra em ação. O baixo de Bil Martins é um dos destaques da faixa. O refrão é simples a ponto de fazer com que o ouvinte rapidamente o cante diversas vezes. O refrão mais uma vez lembra os refrãos executados por grandes bandas de power metal como Hammerfall.

A sétima música do álbum, “Blood Sentence” é intensa e mostra várias características do power metal. A performance do vocalista Bill Martins é excelente, assim como também os riffs de guitarra executados por Cesar Antunha e Décio Andolini. O refrão é marcante e faz com que o ouvinte o lembre-se sempre.

“Liberty is Death” começa de forma marchada, mais uma vez mostrando as características do power metal que são muito bem executadas pela banda. Os riffs são ótimos e a bateria de André Kreidel mostra grande técnica na faixa. O vocal de Bil Martins é um grande destaque e com certeza nessa faixa ele tem uma de suas melhores performances do álbum. O refrão mais uma vez mostra características épicas e melódicas do power metal.

“Lighthouse Reaper” é uma faixa que toda a parte instrumental da banda é um destaque. A introdução da faixa mostra o baixo e a bateria fazendo um ótimo som. A partir daí, os riffs de Cesar Antunha e Décio Andolini entram para completar o ótimo som da faixa. Os vocais de Bil Martins mais uma vez mostram precisão, técnica e mais uma vez em alguns momentos a música mostra grandes tendências do power metal, principalmente no refrão.

“Death Rain” é a décima faixa do álbum e desde o começo faz o ouvinte ter a certeza que está ouvindo uma música de power metal rápida e técnica. Os vocais de Bil Martins são sensacionais. Os músicos também mostram uma performance incrível na faixa. Os versos são poderosos e épicos, tendo um refrão bastante parecido com músicas da banda Iced Earth. Com certeza é uma das melhores faixas do álbum.

“Siegfried” começa com um coro épico, mostrando a mitologia nórdica na música, já que Siegfried é um importante herói da mitologia nórdica, sendo que ele empunha a lendária espada balmung e se banha com o sangue do dragão Fafnir para ter invulnerabilidade. A faixa mostra ótimos riffs de guitarra; a bateria rápida e brutal de André Kreidel e grandes momentos do vocal e do baixo de Bil Martins. O refrão também é bastante épico, mostrando o lado power metal da banda Dark Witch.

“To Valhalla We Ride” é a penúltima faixa do álbum e também é relacionada a mitologia nórdica. A música começa com a bateria de André Kreidel juntamente com o baixo de Bil Martins e os riffs de Cesar Antunha e Décio Andolini, fazendo uma ótima introdução. A performance vocal de Bil Martins mais uma vez é ótima e o refrão da faixa é extremamente cativante, fazendo com que o ouvinte sempre o lembre.

A última faixa do álbum, “Voz da Consciência”, é um cover de uma música da lendária banda de metal brasileira Harppia. A música tem ótimos riffs de guitarra na introdução, um baixo excelente de Bil Martins e a bateria mais uma vez mostrando técnica e precisão. A performance vocal de Bil Martins mais uma vez é um grande destaque da faixa, juntamente com o solo de guitarra de Cesar Antunha, que mostra rapidez e precisão.

O primeiro álbum de estúdio da banda Dark Witch impressiona, pois é um álbum que mostra grande talento da banda. É um álbum de ótima qualidade e faz a junção do heavy metal, power metal e apresenta alguns elementos de metal progressivo. A banda Dark Witch faz essas junções com maestria para que o ouvinte tenha certeza de que está ouvindo um ótimo álbum.

Tracklist

1. Circle of Blood
2. Wild Heart
3. Master of Fate
4. Cauldron
5. Firestorm
6. Stronghold
7. Blood Sentence
8. Liberty Is Death
9. Lighthouse Reaper
10. Death Rain
11. Siegfried
12. To Valhalla We Ride
13. Voz de Consciência

Canais Oficiais Dark Witch :

Facebook:
http://www.facebook.com/Dark-Witch
Youtube:
http://www.youtube.com/user/TheDarkWitchBand
Gravadora:
http://www.arthorium.com/label/en/bands/dark-witch
E-mail darkwitchband@gmail.com

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Circle Of Blood - Dark Witch

Dark Witch: Som consistente, maduro e muito bem trabalhadoDark Witch: Estréia em alta classe!

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dark Witch"

New Metal
Raiva, calças folgadas, problemas na infância...

Dimebag
Relato e fotos inéditas do último Natal dele

Separados no nascimento
Andre Matos e Steve Perry

Dave Mustaine: 10 coisas que você não sabia sobre eleMortes: as mais estranhas do mundo do RockMamonas Assassinas: músicos já sabiam que iam morrer?Blur: após cinco horas no palco, Damon Albarn é retirado por segurançasOzzy Osbourne: "Minha esposa não me empurra para o palco"Michael Kiske: "nunca fui chamado para o Iron Maiden"

Sobre Michell de Oliveira Almeida

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online