Whiplash.NetMenuBuscaReload

Satyricon: Um álbum magnífico, no ano decisivo para o Black Metal

Resenha - Shadowthrone - Satyricon

 Compartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Oscar Xavier
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em 1994, vários clássicos do Black Metal foram lançados na Noruega, dentre eles, 'In the Nightside Eclipse' do EMPEROR, 'De Mysteriis Dom Sathanas' do MAYHEM, 'Transilvanian Hunger' do DARKTHRONE, 'Pentagram' do GORGOROTH, 'Frost' do ENSLAVED, 'Hvis lyset tar oss' do BURZUM, dentre outros vários. Mas meu foco aqui será o grandioso 'The Shadowthrone' do SATYRICON.

Nirvana: os dois maiores sucessos seriam plágios?Dave Mustaine x Metallica: entenda a complicada relação

Imagem

O álbum já começa com uma faixa totalmente em norueguês, intitulada 'Hvite Krists død'(em português "A Morte do Deus Branco"). É um clássico da banda, e tem presença confirmada em quase todos os set-list da banda. A música começa com os vocais isolados de Satyr, onde ele fala "Kampen mot Gud og hvitekrist er igang!"(em português "A luta contra Deus e o Cristo branco está começando!"). É uma faixa onde há várias mudanças ao longo dela, com partes mais cadenciadas, outras onde se usam apenas sintetizadores procurando dar um clima mais sombrio, e Satyr com vocais limpos em tom de narrativa. A música encerra de forma genial com um coro, deixando a música mais épica.

Imagem

A segunda faixa intitulada 'In the Mist by the Hills'(em português "Na névoa pelas colinas"), começa com um ritmo cadenciado, com riffs mais cativantes, onde logo dão espaço aos blast beats de Frost. É provável que essa seja a faixa onde Frost mais demonstra sua técnica.

A terceira faixa se chama 'Woods to Eternity'(em português "Bosques para a eternidade"). Ela já começa em um ritmo acelerado e continua assim por quase toda a música. Logo após toda a fúria sonora da banda, há um interlúdio acústico, dando um toque medieval a faixa. Logo ela se encerra com os membros da banda demonstrando entrosamento com seus riffs e viradas de bateria. Uma das melhores do álbum.

A quarta faixa é uma de minhas favoritas de toda a carreira da banda, 'Vikingland'(em português "Terra Viking"). A música é toda em norueguês, e os vocais de Satyr se destacam nessa faixa, onde ele alterna de vocais rasgados, para um coro em vocais limpos, soando como um hino viking. O ponto alto da música é aos 03 minutos e 15 segundos, onde todos os instrumentos param, e ao fundo o som de uma batalha de espadas com sons de vento, deixando o ouvinte mais próximos de sua imaginação. Logo surge a voz de Satyr mais uma vez isolado, porém, dessa vez com vocais rasgados bem ásperos, onde ele narra batalha que está ocorrendo.

Imagem

A quinta faixa intitulada 'Dominions of Satyricon'(em português "Domínio dos Sátiros"), tem a presença de teclados em mais destaque, porém não espere nada como orquestrações exageradas, os teclados aqui tem apenas o intuito de deixar o climas das músicas mais sombrio. A música se encerra com o verso "Arise northern spirit and come forth under, the might of the castle satyricon"(em português "Levanta-te espírito nórdico e se apresentem sob, o poder do castelo dos sátiros").

A sexta música se chama 'The King of the Shadowthrone'(em português "O rei do trono das sombras"). No começo dessa faixa, Satyr nos mostra que não é apenas um ótimo vocalista, mas também um excelente compositor com seus riffs de guitarra. A música se encerra de maneira genial, com um interlúdio acústico, e em seguida um instrumental mais experimental, com Satyr mais uma vez mostrando seus vocais limpos.

A sétima e última música intitulada 'I en svart kiste'(em português "Em um caixão negro") é um instrumental feito apenas com sintetizadores, maneira ideal de finalizar o álbum, com esse clima atmosférico soando como um funeral de um guerreiro que perdeu a vida bravamente em uma batalha.

SATYRICON sempre esteve um passo a frente em relação às outras bandas, procurando sempre inovar, ao invés de regravar sempre a mesmo coisa. Isso prova o quão criativos e competentes são os músicos. Resumindo, 'The Shadowthrone' é basicamente um black metal tradicional com toques acústicos medievais e atmosféricos, onde narra as batalhas vivida pelos guerreiros nórdicos.

tracklist:
01 - Hvite Krists død
02 - In the Mist by the Hills
03 - Woods to Eternity
04 - Vikingland
05 - Dominions of Satyricon
06 - The King of the Shadowthrone
07 - I en svart kiste

lineup:
Satyr(Sigurd Wongraven) - Vocais/Guitarra/Teclados/Letras
Frost(Kjetil-Vidar Haraldstad) - Bateria
Samoth(Tomas Thormodsæter Haugen) - Baixo/Guitarra

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

 Compartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Metal Injection
Os cinco bateristas mais insanos do Black Metal

Satyricon
"Me desculpe! Isso não foi satânico o suficiente?"

Metal norueguês
As dez melhores bandas segundo o About.com

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Satyricon"Todas as matérias sobre "1349"

Nirvana
Os dois maiores sucessos seriam plágios?

Amor antigo
Entenda a complicada relação de Dave Mustaine e Metallica

Evanescence
Vocalista diz que gravadora arruinou a banda

Iron Maiden: Nado sincronizado ao som de "The Trooper"Galeria - Tatuagens em homenagem ao Nightwish e TarjaAvril Lavigne: cantora revela estar sofrendo de doença de LymeVH1: os melhores momento do rock e pop na históriaAvenged Sevenfold: um épico tributo sinfônicoCinema: Filmes para quem ama Rock e Metal (Parte 5)

Sobre Oscar Xavier

Headbanger, ouviu Heavy Metal pela primeira vez aos 11 anos de idade, o disco "Brave New World" do Iron Maiden, desde então não parou mais. Atualmente suas bandas favoritas são Pantera, Slayer, Dissection e Satyricon.

Mais matérias de Oscar Xavier no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online