Dream Theater: Muita pretensão e pouca qualidade musical

Resenha - Astonishing - Dream Theater

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Daniel Junior
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 5

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Quem conhece o Dream Theater sabe que a banda sempre teve em seu som dinâmicas de um grupo que idolatra o progressivo e o metal. Sua discografia está repleta de canções que apostam na grandiloquência das passagens longas e cheias de clima + convenções ferozes com o melhor do peso do metal. Foram essas combinações que conquistaram milhares de fãs ao redor do planeta. Em discos como "Metropolis Pt2: Scenes From a Memory" e "Train on Thought" reforçaram a postura agressiva nas canções, além de um som com DNA e fortemente influenciado por gigantes da música como Metallica, Iron Maiden e Rush.

Vocalistas: os menos conhecidos de bandas famosasLemmy: "Uma virgem engravida de um espírito? É estúpido!"

Imagem

São trinta anos de banda, sendo o primeiro disco lançado em 1989 sob o título de "When a Dream and Day Unite", ainda com o antigo vocalista, Charles Dominici, que daria lugar ao canadense James LaBrie, músico da banda até os dias de hoje e também o maior responsável pelas maiores críticas à banda. LaBrie nunca foi unanimidade, mas desde então vem segurando a onda, mesmo que o grupo tenha passado por algumas turbulências, dentre elas a saída de Mike Portnoy, um dos fundadores da banda, compositor, produtor e um dos músicos mais influentes do mundo. Você pode até desconhecer a banda americana, mas certamente do sobrenome "Portnoy" você já ouviu e/ou viu em algum momento. O Dream Theater, como a comunidade roqueira acompanhou em 2010, fez uma espécie de reality show para escolher seu novo baterista. Com nomes como Aquiles Priester, Virgil Donati, Marco Minnemann, o vencedor foi o baterista e professor de música Mike Mangini, figurinha carimbada do mundo da música, onde já havia feito diversos trabalhos com inúmeros artistas diferentes.

Desde a estreia de Mike (o Mangini) foram três discos, "A Dramatic Turn of Events", "Dream Theater" e o recém-lançado "The Astonishing". O primeiro álbum ainda mantem as características do "velho" DT: as presepadas técnicas (que tanta gente ama), ótimas melodias e arranjos e uma sonoridade indefectível. O segundo, com título homônimo, era um cartaz de boas vindas à nova fase da banda. Considerado por muitas pessoas como um dos discos mais fracos da sua discografia, "Dream Theater" fez muita gente re-pensar sua idolatria em relação ao grupo. Um disco com faixas esquecíveis, muito longe de tracks como "The Dance of Eternity" ("Metropolis Pt2: Scenes From a Memory"), "Another Day" ("Images and Words") ou mesmo "Endless Sacrifice" ("Train on Thought").

A banda não pode trilhar por outros caminhos musicais e seguir, após 30 anos, um novo caminho em que possa mostrar novas nuances da sua arte para seus fãs?

Pode e deve. Nenhum artista deve ficar preso apenas às expectativas dos seus fãs mais xiitas. Deve se re-inventar, buscar uma nova abordagem, elaborar um novo retrato de si mesmo. O papel do crítico (se ele existe) não é criticar as escolhas artísticas de um indivíduo ou mesmo de uma banda. Não é supor que "faria melhor" no lugar dele ou deles. Não é ter a pretensão de saber que se a banda tivesse feito a escolha A ou B estaria nadando de braçada. Nada disso. Só não dá para passar uma borracha na história da banda e ignorar que as novas canções são inferiores aos melhores trabalhos da banda. Não dá para relativizar tudo e aceitar passivamente que "The Astonishing" seja o uma obra de arte. Não é e não precisamos da prova do tempo para chegarmos à conclusão hoje.

A despeito de todo o conceito de um disco que se chama "O Assombroso/Surpreendente" (em algumas traduções) e que deu muito trabalho para o guitarrista John Petrucci e ao tecladista Jordan Rudess, "The Astonishing" não me comoveu ou mexeu comigo nas várias audições as quais fui submetido. Como fã da banda, injetei na veia as 34 faixas (algumas vinhetas) para experimentar da obra, assim como faço com todo disco. O fone de ouvido foi um companheiro inseparável no escritório, dentro do trem, do carro e em várias outras situações. Conclusão: desde a primeira audição não foram poucas as vezes em que torci para que aquele martírio chegasse até o fim.

Como alguém que conhece muito de rock me disse em clima descontraído: "o disco acaba várias vezes". A gente fica com a sensação que John Petrucci quis soar clássico em muitas das faixas de "The Astonishing" e o máximo que ele conseguiu foi fazer um disco maçante, onde raramente apresentou cenas envolventes na história que estava contando. O músico sensacional que é, sequer fez seu maior trabalho como compositor ou como guitarrista. A produção está pasteurizada, escondendo (mais uma vez, vamos contar?) John Myung e colocando em evidência as zilhões de camas de teclado que Rudess entrega no disco, como vem sendo recorrente.

Não sou daqueles que persegue James LaBrie. O músico está longe de ser um dos melhores no que faz, mas pelo tempo em que está à frente da banda, já o ouvimos com menos restrições do que em discos ou apresentações em que ele foi severamente criticado. Um disco conceitual que pretende dar voz a tantos personagens, não existe uma canção em que você perceba que o "eu-lírico" esteja diferenciado... Um trabalho que se vendia especial, não recebeu nada de fantástico por parte do seu porta-voz. Apenas mais um disco. Apenas mais um trabalho.

E o que falar do trabalho de Mike Mangini? Uma heresia comentar a técnica do ex-professor da Berklee College of Music, um dos mais referendados músicos no seu instrumento. No entanto, junto ao DT, em minha opinião, não funciona. Faz escolhas irritantes para uma banda onde a base musical tem um guitarrista "pesado" e a "agudez" dos teclados desenham praticamente todas as canções. A bateria trigada em "The Astonishing" torna as faixas mais artificiais do que são. Um disco que, em suma, diz que a música vai vencer, precisava de mais coração e punch. Lembro-me que a primeira vez em que escutei/vi "Live At Luna Park" (2013), imaginei que por não estar com uma versão oficial em minhas mãos, ele estaria apresentando problemas com relação ao som de bateria. Engano meu. O músico faz opções que não dão vida às canções do DT, embora todas estejam irretocáveis no que diz respeito à excecução. O Dream Theater fez a única coisa que seria possível para substituir Mike Portnoy: colocou em seu lugar um robô.

Músicos excelentes poderiam "cometer" um disco tão sem inspiração e vida?

Sim, tanto que o fizeram. Não me interessa a capacidade que eles têm. Já me provaram que são capazes de fazer discos maravilhosos como os tantos outros álbuns feitos, colocando até alguns discos não "queridos", como "Systematic Chaos", em uma prateleira melhor do que estavam até a entrada de Mangini. Eu não coloco nenhum dos últimos três discos lançados pela banda em um TOP 7, para ser gentil.

Acho que o álbum está longe de ser o que Petrucci sonhava: um ode à arte musical. É longo, enjoativo, presunçoso; a mixagem parece de um disco pop de tão agudo que é. Apesar das muitas audições - fiz assim para que pudesse dar um parecer espesso e rico sobre o tal - em nenhum momento fui "convidado" a pegar o cd novamente e louvar as horas de prazer escutando "The Astonishing". Onde está aquela banda de metal com ótimas ideias para arranjo como acontece em "Finally Free" ("Metropolis Pt. 2: Scenes From a Memory")?

Por fim: ao que me parece, "esta" é a banda hoje. Este é o som que eles desejam fazer, as músicas que querem compor, os álbuns que querem gravar. Não gosto das intervenções "molhadas" de Rudess nos últimos álbuns e acho que ele contribuiu muito para que a qualidade musical das faixas tenham caído. Minha exceção vai para linda suíte "Illumination Theory" (do disco homônimo), de fato, uma das poucas canções que me impressionam pela beleza e arranjo emocionante.

Eles seguiram uma nova estrada musical. Faremos o mesmo?

@diariodopierrot
http://www.diariodopierrot.com.br

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Astonishing - Dream Theater

Dream Theater: Uma resenha detalhada de The AstonishingDream Theater: Surpreendente e assombrosoDream Theater: The Astonishing, a ópera dos contrastesDream Theater: Um álbum para ser assimilado com o tempoDream Theater: Album ambicioso é agradável surpresa do quintetoDream Theater: A melhor sonoridade dos discos com Mike Mangini

Vocalistas
Os menos conhecidos de bandas famosas

Blend Guitar: John Petrucci tenta tocar como Lil WayneMike Portnoy: tocando sua "12 Steps Suits"Todas as matérias e notícias sobre "Dream Theater"

Dream Theater
John Myung não tinha planos de ser baixista

Mike Portnoy
Os dez melhores discos de rock progressivo

Mike Portnoy
"No final das contas, eu sou apenas um fã!"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dream Theater"

Lemmy
"Uma virgem engravida de um espírito? É estúpido!"

Pantera
Namorada de Dimebag fala mais sobre Phil Anselmo

Metal Rules
Os 100 melhores álbuns em pesquisa de 2003

Slash: explicando como foi seu primeiro contato com Justin BieberSeparados no nascimento: Tuomas Holopainen e Roberto JustusQueen: novas fotos do recluso John DeaconDrew Struzan: a arte nas capas do Black Sabbath, Alice Cooper e outrosJason Newsted: ele nunca teve chance no MetallicaOne In A Million: o sal do GN'R nas chagas abertas dos EUA

Sobre Daniel Junior

Daniel Junior é blogueiro do Diário do Pierrot e do site The Crow (especializado em cinema). Colabora com o site Seriemaníacos (sobre séries de TV) e com o blog Minuto HM. Começou seu amor pelo rock por causa do Kiss e do Black Sabbath até conhecer outras bandas pelas quais nutriria paixão e admiração como Metallica, Rush, Dream Theater, Faith No More e tantas outras. Twitter: @diariodopierrot.

Mais matérias de Daniel Junior no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online