David Gilmour: novo álbum é antítese do nosso cotidiano acelerado

Resenha - Rattle That Lock - David Gilmour

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Vivemos em um mundo acelerado. Tudo é instantâneo, imediato. Agora ou nunca, update or die. Faça a experiência: pegue um adolescente qualquer e analise a sua capacidade de concentração. É assustador: ele não consegue manter o foco por 20 segundos. E não só ele, é claro. As crianças de hoje também sofrem desse mal, dessa ansiedade onipresente e sem sentido. Eu sofro, você sofre. Não conseguimos ficar muito tempo longe de nossos celulares, de nossas redes sociais, do que está acontecendo no mundo. É o povo que lê o título da matéria e emite opinião sem nem mesmo colocar o olho no conteúdo por um mero instante.

Roger Waters: músico compara Donald Trump a Saddam HusseinGuitar World: melhores solos de guitarra de todos os tempos

Imagem

Esse é o nosso mundo, a nossa realidade. E David Gilmour parece não viver na mesma dimensão que eu, você e esse monte de gente. O trabalho do vocalista e guitarrista do Pink Floyd sempre foi mais contemplativo, calmo, relaxante. Como a sua própria personalidade. "Rattle That Lock", seu novo disco, reafirma essa postura e funciona como uma antítese do cotidiano pé no fundo em que estamos inseridos.

"Rattle That Lock" é o sucessor de "On an Island", excelente álbum lançado por Gilmour no já distante 2006. Sua bissexta discografia solo se completa com a estreia que trazia apenas seu nome como título (1978) e "About a Face" (1984). De cara, já revelo o fim dessa história: "On an Island" segue sendo o melhor álbum solo de David. Mas isso não quer dizer que o novo trabalho de Gilmour seja ruim, longe disso.

Produzido pelo próprio guitarrista e pelo parceiro Phil Manzanera (guitarrista do Roxy Music e integrante da banda que acompanha David), "Rattle That" Lock traz dez faixas, três delas instrumentais. A composição é dividida entre David Gilmour e sua esposa, a escritora e jornalista Polly Samson. A letra da canção que dá nome ao disco é baseada no clássico poema de John Milton, "Paraíso Perdido", que narra o inferno e seus demônios. Ao lado de Gilmour estão nomes acima de qualquer suspeita e com uma longa ficha de serviços prestados à música, como David Crosby, Jools Holland, Robert Wyatt e o próprio Manzanera. Aqui, uma curiosidade: “A Boat Lies Waiting”, quarta música do disco, traz um sample com a voz do falecido tecladista do Pink Floyd e grande amigo de David, Richard Wright. E outra, pra fechar: Gabriel, um de seus oito filhos, faz sua estreia fonográfica tocando piano em “In Any Tongue”.

O álbum traz boas faixas como “Faces of Stone”, “Beauty”, “The Girl in the Yellow Dress” (deliciosamente jazzy, com David assumindo o papel de uma espécie de crooner e Robert Wyatt mostrando sua classe na corneta) e “Today”, mas todas tem, no final das contas, o mesmo objetivo: funcionar como molduras para o que realmente importa. Os solos da guitarra singular de David Gilmour, é claro. Dono de uma das identidades mais fortes e marcantes do instrumento, David desde sempre voou ao infinito e além com seus solos - como esquecer da trinca “Money”, “Time" e “Comfortably Numb”? -, e segue mantendo esse hábito saudável. Ainda que algumas canções aproximem-se de maneira até certo ponto incômoda da new age, os solos justificam tudo e mudam totalmente as faixas. A guitarra de David é o elemento central, em torno da qual tudo se constrói e faz sentido. E é justamente essa postura, esse modo de trabalho e essa abordagem musical que faz "Rattle That Lock" valer a pena.

Aqui está um disco fora da curva, no sentido que exige do ouvinte uma contrapartida, uma parceria, um comprometimento. Não é um álbum para ser ouvido na correria do dia a dia, no meio de tudo, no furacão que leva à nada. Não. "Rattle That Lock" exige que você pare o que está fazendo e dedique-se a ele. E, como recompensa, retira a aceleração do seu dia e a correria do seu coração, elevando a alma de quem se deixar levar por suas canções.

No final, é pra isso que a música, e que a arte, servem, não é mesmo? Para apresentar novas sensações, novas possibilidades, novas dimensões para o cotidiano de todos que com ela tomam contato. "Rattle That Lock" cumpre essa papel com excelência.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Rattle That Lock - David Gilmour

David Gilmour: Sinta a poesia e viaje na música do guitarristaDavid Gilmour: Rattle That Lock é estupendo e fascinante

Roger Waters
Músico compara Donald Trump a Saddam Hussein

Pink Floyd: pinturas do "The Wall" serão colocadas à vendaRock e Metal: em vídeo, as piores covers da históriaTodas as matérias e notícias sobre "Pink Floyd"

Rock Band
Bill Wyman e Nick Mason não gostam do jogo

Classic Rock
Os 50 maiores álbuns de rock progressivo

Pink Floyd
A história por trás do clássico "Animals"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 13 de fevereiro de 2016

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "David Gilmour"Todas as matérias sobre "Pink Floyd"

Guitar World
Os melhores solos de guitarra de todos os tempos

Corey Taylor
Não podíamos trabalhar junto com Jordison

Slayer
Assassino do pai culpa a banda e assume morte de Jeff

Separados no nascimento: Dave Grohl e Benito Di PaulaAerosmith: Tyler tem o maior "instrumento" do Rock?Black Sabbath: a capa rejeitada que foi parar no disco do RainbowFoo Fighters: baterista admite não gostar de uma canção da bandaSlash: "demorou para eu me aceitar como alguém influente"Rolling Stones: banda comete gafe e zoa o São Paulo sem querer

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online