Dream Theater: Album ambicioso é agradável surpresa do quinteto

Resenha - Astonishing - Dream Theater

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Aos poucos, enigmaticamente, o quinteto estadunidense de metal progressivo Dream Theater foi revelando o que seria seu 13º álbum de estúdio. A princípio, as referências a guerras, rebeliões e temas medievais indicavam que lançariam um RPG nos moldes de Skyrim e afins. E a ideia ainda não está descartada: o guitarrista, criador do conceito e líder não-declarado do grupo, John Petrucci, já disse à revista Billboard que visualizou a história do disco sendo transformada em um musical, filme, livro ou videogame.

Vocalistas: os menos conhecidos de bandas famosasGuitar World: melhores solos de guitarra de todos os tempos

Imagem

Todo esse marketing não foi suficiente para preparar o fã para o que estava por vir. The Astonishing é simplesmente o projeto mais ambicioso dos 30 anos de carreira da banda, e seu título não poderia ser mais apropriado (o nome significa "surpreendente", "espantoso" em inglês).

O tamanho da história concebida por John não coube em um CD só, então o enredo foi dividido em dois atos: um com 20 faixas e outro com 14, somando mais de duas horas de música. A relação duração total/número de faixas resultou em um álbum atípico para o Dream Theater: cheio de canções curtas, com apenas três excedendo a marca dos seis minutos e a mais longa batendo nos 7:40. Além disso, a necessidade de se contar uma história e expressar os pontos de vista de múltiplos personagens deixaram menos espaço para as longas sessões instrumentais.

Mas pode ficar tranquilo. Eu, que sou apreciador confesso de agressividade e fritação preenchendo canções longas, não senti falta de nada disso ao longo das 34 faixas de The Astonishing. O quinteto acerta ao sair de sua zona de conforto - se é que podemos chamar aquele festival de acrobacias técnicas de "conforto" - sem perder sua essência.

A escassez de solos e mudanças múltiplas de andamento na parte instrumental do disco é compensada por um trabalho em que a banda deixa a fritação de lado para apostar em diversidade. Enquanto a dupla Mike Mangini (bateria/percussão) e John Myung (baixo) mostra mais sintonia do que nunca para ditar o ritmo de cada momento do álbum (só não vale usar a caixinha de som do celular e reclamar que não dá pra ouvir o baixo), o guitarrista John Petrucci e o tecladista Jordan Rudess (que assinam a música) estalaram os dedos e criaram tudo em volta da guitarra, do violão, do piano e das cordas, resultando em um som mais orgânico e polido que em discos anteriores.

Petrucci suavizou um pouco sua guitarra para se encaixar na proposta mais leve de The Astonishing, enquanto Rudess manda muitos timbres inéditos para preencher as harmonias, incluindo brass sections que nos remetem a castelos (embora a história se passe no final do século XXIII) e interlúdios eletrônicos para representar as máquinas da época do enredo. Temos direito até a uma gaita de foles em "The X Aspect", tocada por Eric Rigler.

Comandando os vocais, James LaBrie assumiu a responsabilidade de representar vários personagens sozinho, mudando o tom de voz para se adequar a cada um. O resultado não convence de imediato e, sem as letras para acompanhar, a história não fica muito compreensível, sobretudo no que diz respeito a quem está dizendo cada frase. Versos previsíveis e uma premissa clichê não estragam a bela história, e logo nas primeiras escutadas você já estará lamentando a morte de um dos personagens (sem detalhes para não dar spoilers).

Apesar dos diversos climas retratados, a coesão do álbum é garantida por introduções, interlúdios e encerramentos bem definidos, de modo que a música flua estavelmente. A maioria das faixas não emenda uma na outra; assim, é possível ouvi-las fora de ordem, embora isso obviamente quebre a história.

É precipitado dizer que The Astonishing inaugura uma nova fase para os rapazes de Long Island. Na verdade, estou confiante de que seu sucessor continuará de onde o álbum Dream Theater parou, ou seja, continuará apresentando faixas longas e solos insanos. Não se trata de um divisor de águas, tem mais cara de projeto paralelo, aventura. Além disso, o site lançado pela banda para divulgar o álbum evidencia um universo que vai além das letras e talvez esconda muitos segredos. Somando isso ao fato de que a obra como um todo não é lá de fácil digestão, vale a dica: desconfie de qualquer resenha escrita menos de um mês após seu lançamento (incluindo esta, obviamente). Desafie também qualquer conclusão que você tirar antes da quinta ou sexta audição.

Para quem tem uma mente aberta, The Astonishing na certa será um trabalho sedutor. Apostar num som menos complexo tornou-o mais acessível, e o resultado será lembrado futuramente não como o melhor (talvez nem esteja entre os melhores), mas como um projeto ambicioso e ousado que revelou-se uma agradável surpresa na discografia do Dream Theater.

Abaixo, o áudio de "Moment of Betrayal":

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Track-list:

Ato I:
1. "Descent of the NOMACS"
2. "Dystopian Overture"
3. "The Gift of Music"
4. "The Answer"
5. "A Better Life"
6. "Lord Nafaryus"
7. "A Savior in the Square"
8. "When Your Time Has Come"
9. "Act of Faythe"
10. "Three Days"
11. "The Hovering Sojourn"
12. "Brother, Can You Hear Me?"
13. "A Life Left Behind"
14. "Ravenskill"
15. "Chosen"
16. "A Tempting Offer"
17. "Digital Discord"
18. "The X Aspect"
19. "A New Beginning"
20. "The Road to Revolution"

Ato II:
1. "2285 Entr'acte"
2. "Moment of Betrayal"
3. "Heaven's Cove"
4. "Begin Again"
5. "The Path That Divides"
6. "Machine Chatter"
7. "The Walking Shadow"
8. "My Last Farewell"
9. "Losing Faythe"
10. "Whispers on the Wind"
11. "Hymn of a Thousand Voices"
12. "Our New World"
13. "Power Down"
14. "Astonishing"

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Astonishing - Dream Theater

Dream Theater: Uma resenha detalhada de The AstonishingDream Theater: Surpreendente e assombrosoDream Theater: Muita pretensão e pouca qualidade musicalDream Theater: The Astonishing, a ópera dos contrastesDream Theater: Um álbum para ser assimilado com o tempoDream Theater: A melhor sonoridade dos discos com Mike Mangini

Vocalistas
Os menos conhecidos de bandas famosas

Blend Guitar: John Petrucci tenta tocar como Lil WayneMike Portnoy: tocando sua "12 Steps Suits"Todas as matérias e notícias sobre "Dream Theater"

Dream Theater
"Estamos sempre tentando sair dos padrões"

Dream Theater
Assista ao "Reality Show" com legendas

Burnn
Os maiores guitarristas Hard & Heavy da história

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 06 de fevereiro de 2016

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dream Theater"

Guitar World
Os melhores solos de guitarra de todos os tempos

Corey Taylor
Não podíamos trabalhar junto com Jordison

Slayer
Assassino do pai culpa a banda e assume morte de Jeff

Slash: explicando como foi seu primeiro contato com Justin BieberSeparados no nascimento: Tuomas Holopainen e Roberto JustusQueen: novas fotos do recluso John DeaconDúvida: o que é hard rock e o que é heavy metal quando falamos dos anos 1970?A Música É O Que Importa: e mais 16 mentiras em que músicos creemPhil Anselmo: Corey Taylor comenta a polêmica racista

Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 0077507/SP) formado pela PUC-SP e membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil. Paulistano e morador de Carapicuíba (Granja Viana), tem um blog de resenhas musicais e outros assuntos chamado Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cinema, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados. Além de ouvir, também toca piano e teclado, compondo algumas bobagens de vez em quando.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online