David Bowie: Em 1999, passado, presente, futuro, morte e além

Resenha - ...hours - David Bowie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Carlos Frederico Pereira da Silva Gama
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em busca de trilhas inauditas ou emulando pioneiros anônimos, trazendo-os para os holofotes.

David Bowie: dois álbuns inéditos sairão no Record Store DayUltimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rock

Na maior parte do tempo David Bowie estava envolvido em estranhos diálogos.

Fora de compasso consigo mesmo.

Para se espalhar por todos os lados.

Ainda assim, estava sozinho.

'I thought you died alone, a long long time ago'...

Imagem
15 anos depois contemplo o single de ...hours Tuesday's Child, ainda cheia de autocondescendência lírica. David Bowie balbucia diante da balada natureza morta eletrônica – abrindo mão de bravos experimentos. Aqui 'something about this world falling apart' satisfaz. Atingir uma vaga noção sobre esse tema disperso equivale a uma admissão: 'all my life I've done my best to find a heart'. Inovações abrem caminho para assépticas câmaras de compensação da disparidade: segurança.

Uma fração de Reggae tecnóide do Massive Attack preenche Something in the Air – inexorável, mas impressionante desconexão. Um decidido David arrisca com sonoridades tórridas, mas seus vocais cortantes desvalorizam o despretensioso ir e vir wah wah. 'Nothing left to say', em alguns momentos ele lembra Jarvis Cocker (Pulp). 'Let's tak e what we can', o que seria um sinal de honra para o fashionista do homem comum.

Outra exibição de conexão afastada, Survive promete Folk cósmico, rapidamente transmutado em adrenalina Britpop de amplificadores desafinados. Bowie hesita diante de seus alteregos. Sons do presente copiando o passado colapsam em ruminações ébrias de presente sobre o tempo decorrido: 'I should have been...Take me there...give me space...give me money for a change of face...I love you'. Máscaras viram do avesso em sabedoria post mortem: 'But I'll survive your naked eyes'.

Tecnicolor estourado com guitarras saturadas. A voz arenosa de Bowie pondera sobre a ausência das performances anteriores. 'Where is the person who was just here, now?' If I Am Dreaming My Life, épico portentoso indo e vindo no seio da tragédia – podia ter integrado diversos discos. O ritmo se intensifica com sintetizadores oblíquos e cascatas de guitarras, partes móveis de um Suede alternativo com um frontman mais sério e teatral envolvido num pêndulo vaporoso.

Folk esquizoide atualizado com Atmosphere (Joy Division) rolando livremente pelos auto-falantes (música filha de Heroes). Bowie não perde tempo no escuro e parte para psicodelia retrô engasgada. Seven days to live my life and seven ways to die. Obcecado em prolongar a própria perenidade, David cunha um lado B cínico e minimalista para Five Years. Malabarismos com sintetizadores e cordas de brilho falso adornam a odisseia insular de Bowie. O distante passado cai sobre estrelas abandonadas.

Para os transeuntes What's Really Happening parece outra prosódia encapsulada de Bowie-Reeves Gabrels. Guitarras pós-Punk e o baixo proeminente de Gail Ann-Dorsey invocam o fim dos anos 1980. A letra de Alex Grant (vencedor de um concurso na BOWIEnet e autor de singelos backing vocals) se espraia para a década seguinte com as cadências dissonantes de Gabrels. Letras intrigantes em sintonia com a realização recessiva de …hours se apartam de refrões opressivos e disjunções orbitais.

'Grown inside a plastic box
Micro thoughts and safety locks
Hearts become outdated clocks
Ticking in your mind'

The Pretty Things Go To Hell é uma das faixas que Bowie licenciou para o jogo de videogame Omikron – The Nomad Soul, da Eidos (do qual ele participa). Inspirada por The Pretty Things (pioneira da Ópera-Rock) e pela música dos Stooges Your Pretty Face is Going to Hell (produzida por Bowie), a faixa funde a sonoridade Glam com as pretensões de um aspirante a Shakespeare – duas fortes inclinações de David, que começou a carreira no fim da década de 1960 como um trovador Prog-Folk e se tornaria um precursor do Punk Rock a seguir. Rompantes afetados de guitarra pontuados por raios laser trazem à tona a indecisão de cinquenta e poucos anos – 'who to kiss, who to listen to, who to trust?'. Um personagem que Bowie, através dos enlameados trajetos de decadência ('they wore it out, but they wore it well'), torna pungente via nostalgia. Um sujeito 'good to fall, good to fight, good to dance in a Saturday night'. Essa música implora por uma plateia, em sentidos mediados: a geração de Bowie ('I found you before you grow old') está choramingando por detrás de suas rodas espelhadas e ele promete: 'meet you on the edge, going to the other side this time'.

Bowie contempla sua urgência por imagens conceituais no olho da mente com Gótico sintético. New Angels of Promise é outra faixa licenciada para Omikron, apresentando uma austera travessia Prog por uma Matrix distópica. Atrelado a metáforas de 1974 (Queen II e Diamond Dogs – 'we are the seven ones'), Bowie ofereceu similaridades sonoras não-disponíveis em outros lugares de…hours. Ornamentada com as guitarras histéricas de Gabrels no olhar fixo do estúdio, ela se torna menos proibitiva – 'suspicious minds' parece mais palatável, à medida que Bowie se refaz a si próprio (quase literalmente), trazido 'from the edge of time' para uma fantasia mais convencional ('she's my eyes'). Ao brincar com seu doppelganger digital, Bowie transmuta Omikron de uma procissão indiferente ('always time') a um sussurro pausado, um reconhecimento de que 'it's always time'. Quando a chegada da idade se instaura, ...hours se divide no momento ideal (kairós): o refrão lembra, com sinceridade, o INXS: 'we take the blame'.

Brilliant Adventure – uma tentativa de trilha sonora para Tintin? Percussão falsamente exótica flexiona músculos auto-evasivos. O instrumental conjura ansiedade para o desvelamento de algo oculto e misterioso – encantado por suas próprias expectativas, Bowie e Gabrels só veem contornos de sombras. Uma ansiedade produtiva se desenrola, dando vazão aos monstros da razão de Goya. Em virtude da linguagem-como-verdade esse discurso produz excitação através de um artefato de separação: preso dentro de um globo espelhado, Bowie se deleita com os reflexos.

Outra faixa de Omikron, The Dreamers encerra …hours pisando em modo digital. Uma límpida planície de insegurança manufaturada se descotina nas cascatas de sintetizadores rococós em moto contínuo – so shrinks daylight under the blue sky. Shallow man speaks to the shadows with its trembling hands. So it goes...O decaimento afetado não continha originalmente traços da guitarra de Gabrels ou do baixo de Dorsey. Para …hours, Bowie incluiu trechos de guitarras escorregadias e backing vocals irrefletidos. Grandioso mas anticlimático…Ao fingir um fim para negócios inacabados, The Dreamers parece coerente com a vida e a arte.

Tracklist:

(7) Thursday's Child
(7) Something in the Air
(9) Survive
(8) If I Am Dreaming My Life
(8) Seven
(6) What's Really Happening
(8) The Pretty Things are Going to Hell
(8) New Angels of Promise
(7) Brilliant Adventure
(7) The Dreamers

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Grammy
O que houve de melhor (e pior) relacionado ao rock/metal

David Bowie: dois álbuns inéditos sairão no Record Store DayDavid Bowie: gravadora rejeitou "Ziggy Stardust" de inícioDavid Bowie: a pior versão de "Life on Mars" que você vai ouvirTodas as matérias e notícias sobre "David Bowie"

Clipes
10 vídeos de rock/metal bem legais lançados em 2016

David Bowie
Personagens do Metal Gear Solid são personas

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "David Bowie"

Ultimate Classic Rock
Os 100 maiores clássicos do rock

Lars Ulrich
Fãs pediam que eles transassem com suas namoradas?

Black Sabbath
Os DEZ vocalistas que passaram pela banda

Capas Gêmeas: William Blake, Gilgamesh e Bruce DickinsonMatt Sorum: músico se posiciona contra James HetfieldTony Iommi: opiniões sobre Dio, Rhoads e HalfordArch Enemy: "não perco tempo com idiotas"Kiss: a trágica história que inspirou "Detroit Rock City"Pink Floyd: entenda o "estilo Gilmour" de tocar guitarra

Sobre Carlos Frederico Pereira da Silva Gama

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online