Delain: Com "Lucidez'... Das sombras para o mundo!

Resenha - Lucidity - Delain

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Vitor Sobreira
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Após ter saído da duvidosa banda Whithin Temptation, e com o intuito de se "distrair" em um período em que tratava de uma doença, Martjin Westerholt criou aos poucos músicas que julgou soarem interessantes demais para ficarem só na teoria, e, resolveu arriscar as colocando em prática e fazendo virar uma realidade.

Guitar World: melhores solos de guitarra de todos os temposCorey Taylor: Não podíamos trabalhar junto com Jordison

Imagem

Com a intenção inicial de formar um projeto com a jovem vocalista Charlotte Wessels, e chamando em seguida amigos já conhecidos na cena, Lucidity foi sendo criado e por fim lançado. O que ninguém esperava era a boa aceitação que o álbum teve, inclusive tendo saido pela grande RoadRunner, culminando em seguida na concretização de uma banda 'fixa' e real. Como curiosidade, o nome Delain, foi tirado do livro "Olhos de Dragão", do mestre do horror Stephen King.

Apesar de sempre ter cantado muito e exibir personalidade e técnica (principalmente de uns anos pra cá) a já citada vocalista, neste álbum em questão, ainda não havia conseguido mostrar tudo o que era capaz, mesmo com vocais bem executados e característicos, mas que no entanto não foram bem explorados, e, não apresentavam uma diversidade maior como nos álbuns seguintes. É claro que isso é apenas uma observação, e não um empecilho para escutar o CD, além de ser muito interessante notarmos como um músico pode evoluir ao longo da carreira.

O álbum também conta com vários convidados especiais, que enriqueceram ainda mais o trabalho, e sendo que cada um se destacou a sua maneira, sem divergências e prioridades egomaníacas, aliás, isso é muito importante de se ressaltar, pois, como já mencionei em uma outra resenha do Delain, o tecladista, mesmo sendo o "dono" do então projeto e um músico muito bom, se preocupou mais em escrever as letras e compor as músicas, do que aparecer desesperadamente e sufocar as músicas com quilos de camadas e efeitos de seu instrumento, desejando que todos ganhassem atenção. As músicas refletem isso e são muito boas mesmo, sem muitos experimentalismos e mantendo uma linha mais direta, tudo isso em um Symphonic Metal mais melódico, criativo, sem baboseiras e com leves toques do Gothic e do... pop. Imagino que o Nightwish exerceu uma grande influencia em Martjin, pois em vários momentos percebemos toques que remetem as composições de Tuomas, mas de uma maneira discreta e honesta, e tanto que o baixista e vocalista desta banda finlandesa, contribuiu aqui ativamente, cantando e tocando com muita boa vontade (firmando-se assim uma eterna parceria com os holandeses).

Como mandam meus já tradicionais destaques pessoais, elejo: A misteriosa, cadenciada e forte 'Frozen', que ganhou um clipe bem legal; 'Sever' e suas orquestrações e coros bem inspirados; a pomposa, com fiffs interessantes e que se torna mais rápida em suas partes finais 'Silhouette of a Dancer'; o dueto entre Charlotte e Marco em 'The Gathering'. Finalizando o 'play', temos ainda: a sombria e dinâmica 'Day For Ghosts', que foi cantada por Liv Kristine e Marco, sem a vocalista principal, e também pode ser considerada a faixa mais acelerada da banda e 'Pristine', uma das mais sinfônicas.

Ainda bem que o "projeto" decolou, pois seria um desperdício se estas músicas tivessem ficado engavetadas para sempre. Por isso te digo, caríssimo leitor, se procuras um Symphonic Metal diferenciado, ou apenas um som de primeira com vocais femininos, aqui está uma ótima pedida. Aproveite!

Músicas:

1. Sever
2. Frozen
3. Silhouette of a Dancer
4. No Compliance
5. See Me in Shadow
6. Shattered
7. The Gathering
8. Daylight Lucidity
9. Sleepwalker's Dream
10. A Day for Ghosts
11. Pristine
12. Deep Frozen (Magic Bonus)

Formação & Participações:
Martijn Westerholt - Keyboards & Orchestrations
Charlotte Wessels - Vocals (except tracks 4, 10)
Marco Hietala - Vocals (tracks 1, 4, 7, 8, 10) & Bass
Ad Sluijter - Guitars (tracks 1, 2, 4, 9, 10)
Guus Eikens - Guitars (tracks 3, 6, 7, 8, 11), Vocals (backing) (tracks 1, 2, 7, 8, 10, 11) & Keyboards (track 7)
Ariën van Weesenbeek - Drums
Sharon den Adel - Vocals (lead) (track 4)
Liv Kristine - Vocals (lead) (tracks 5, 10)
George Oosthoek - Grunts (tracks 3, 11, 12)
Jan "Örkki" Yrlund - Guitars (tracks 1, 4, 5)
Oliver Phillips - Guitars (track 4) & Orchestrations
Rupert Gillet - Cello (tracks 3, 4, 5)
Rosan van der Aa - Vocals (backing) (tracks 1, 2, 7, 8, 10, 11)

Imagem

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Lucidity - Delain

Delain: segunda chance para ex-Within Temptation

Todas as matérias e notícias sobre "Delain"

Delain
Baixista quase perde testículo no palco - veja vídeo

Musas do Metal
As bandas que elas ouvem quando estão em casa

Musas do Metal
Confira as 10 mais lindas atualmente

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 17 de novembro de 2015

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Delain"

Guitar World
Os melhores solos de guitarra de todos os tempos

Corey Taylor
Não podíamos trabalhar junto com Jordison

Slayer
Assassino do pai culpa a banda e assume morte de Jeff

Dark Side of the Moon: os Bastidores da obra-primaLegião Urbana: O dia em que Renato calou a plateia do Programa LivreAquiles Priester: 50 discos essenciais na vida do bateristaNão é Jesus: Imagem de David Gilmour aparece no pescoço de Fernanda SouzaSlayer: um show de luzes de Natal em homenagem a Jeff HannemanQueen: As 10 melhores composições de Brian May, segundo a Classic Rock

Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online