Dirty Grave: Transmitindo honestidade e talento

Resenha - Dirty Grave - Dirty Grave

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Algumas bandas transmitem honestidade e talento de longe. Esse é o caso do Dirty Grave, banda oriunda do interior paulista, mais precisamente Orlândia, e que logo em seu ano de fundação (2013) já soltou seu primeiro trabalho.
Zoltan Chaney: o baterista mais insano que existe?Faturamento: Quanto Judas, Aerosmith, Slash fazem por show?

Se enveredando pelos caminhos do Doom Metal clássico, o trio formado por Mark Rainbow (vocal/baixo), Victor Bergy (guitarra) e Arthur Assis (bateria), bebe firme na fonte de Black Sabbath, Candlemass e seus derivados, e ainda impõe sua característica nas quatro composições aqui encontradas.

Com destaque para a técnica do guitarrista Bergy, a banda destila todos os clichês do estilo, com andamento cadenciado e clima fúnebre, tendo linhas de baixo pulsantes e uma bateria que segue o que a cartilha pede. As temáticas místicas são cantadas por Mark de uma forma que poderia ter um pouco mais de garra, mas mesmo assim não compromete tanto.

O que realmente compromete aqui é a produção que ficou muito baixa. Os instrumentos são audíveis, mas somente dando certo grau no volume e isso faz com que a banda perca alguns pontos, já que é tão fundamental o peso no Doom Metal. Isso faz parecer que a banda não possui tanta energia, mesmo diante de tanto talento. Porém, não é nada que não possa ser reajustado num próximo trabalho.

https://www.facebook.com/officialdirtygrave/timeline
https://soundcloud.com/dirtygrave/live-today-demo

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube
Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dirty Grave"

Zoltan Chaney
O baterista mais insano que existe?

Faturamento
Quanto Judas, Aerosmith, Slash fazem por show?

Slash
Os 10 álbuns da vida do guitarrista inglês

Kerrang!: os 100 melhores álbuns de Rock em lista da revistaLado feminino: astros do rock que se vestiram de mulherJudas Priest: Rob Halford compara Lady Gaga a MadonnaPapa Francisco: clássico gesto de Dio é reproduzido pelo PontíficeNikki Sixx: detonando comentários "idiotas" de Gene SimmonsMetallica: a evolução de James Hetfield ao longo dos anos

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online