Blind Guardian: Épico, mas alicerçado nas raízes

Resenha - Beyond The Red Mirror - Blind Guardian

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Junior Pontes
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Desde o álbum "Somewhere Far Beyond (1992)" o BLIND GUARDIAN tem lançados álbuns no mínimo "bons" e foi também a partir deste álbum que a banda começou a ter intervalos maiores entre um lançamento e outro. Agora em 2015, os bardos chegam ao 10º álbum de estúdio, depois de um hiato de 5 anos, temos o sucessor do ótimo "At the Edge of Time (2010)", denominado de "Beyond the Red Mirror". O álbum traz inovações como de praxe da banda, mas ainda assim não perde as raízes que a tornou um dos maiores nomes do power metal.
2000 a 2002: 10 shows/turnês pouco comentadosGrohl: "quase saí do Nirvana depois de críticas de Cobain"

O álbum é conceitual e continua a estória de onde terminou o álbum lançado o clássico absoluto "Imaginations From the Other Side" de 1995, que talvez seja o mais bem sucedido da banda. Além árduo fardo de continuar essa estória, traz a grandiosidade de ter o envolvimento das orquestras de Praga e Budapeste e seus respectivos corais, juntamente com um coral de Boston. Massividade essa que pode ser ouvida logo de cara na primeira faixa a épica e pomposa "The Ninth Wave" com seus quase 10 minutos de duração. A audição passa que nem se percebe, belos vocais de Hansi e corais bombásticos, mostrando o cartão visitas desse novo petardo da banda.

Na sequência temos a música que foi o primeiro single do álbum: "Twilight of the Gods". Como não poderia ser diferente, é uma música típica da banda, com suas principais características, com um ritmo acelerado, excelentes backing vocals e um excelente refrão, certamente fará a alegria dos fãs ao vivo. A terceira faixa é a profética "Prophecies" talvez uma das mais belas desse play, tem uma letra incrível, é progressiva, tem belas melodias que deixam a audição tranquila, destaques para a dupla André e Marcus nas guitarras, enormes chances dessa fazer parte do set list.

"At the Edge of Time" curiosamente é o título do ábum anterior, mas aqui trata-se da quarta faixa, tem passagens orquestradas e coros grandiosos, destaque para a Hansi novamente, que sabe encaixar sua voz perfeitamente para aquilo que a música pede. Após temos "Ashes of Eternity", talvez a menos empolgante desse trabalho, não que a música seja ruim, mas destoa das demais. Mas colocando tudo nos eixos novamente temos a pesada "The Holy Grail" com sua pegada tradicional, com belas linhas de bateria de Frederik, belo refrão e riffs de guitarra e novamente a precisão dos vocais de Hansi.

A sétima faixa trata-se de "The Throne", na minha opinião a melhor música do disco, bombástica, vocais dos mais belos feitos por Hansi, uma bela letra, é uma viagem épica de quase 8 minutos, mas que se tivessem 20 não ia fazer a menor diferença, dado a grandiosidade e a beleza da música, progressiva sim, mas com todos os elementos que a banda passou a dar mais enfasê a partir do álbum "A Night at the Opera (2002)". Seria empolgante ver a execução dessa obra de arte ao vivo, vamos esperar para ver se acontece. Após tomarmos fôlego novamente, vamos para a "Sacred Mind" que começa cadenciada, com vocais graves de Hansi e um coral, vai crescendo e ficando pesada, o destaque fica por conta novamente de Hansi com vocais mais rasgados do que no restante do álbum.

"Miracle Machine" é o momento "light" do disco, porém não menos grandioso. Essa música que foi composta por Hansi e o pianista Michael Schüren, que atua como músico convidado desde 1997 na banda, seria heresia comparar ao Queen, mas o som lembra muito o trabalho da banda britânica, é com certeza outra música que se destaca no álbum.

Finalizando o disco temos "Grand Parade" que é sinfônica, mas na medida certa. Outra faixa épica com refrão belíssimo. No geral o disco é excelente, pronto para estar ao lado dos clássicos da banda, destaque novamente para Hansi que novamente foi brilhante, tanto nas linhas vocais quanto nas letras criadas para o disco, Marcus e André sempre competentes e Frederik que não parece, mas faz 10 anos que se juntou a banda. Saliento ainda que foi oficializado como membro o baixista Barend Curbois, que já vinha dando suporte ao vivo para a banda. O BLIND GUARDIAN já passou dos 30 anos de carreira, e se a banda continuar com a maturidade que sempre teve e a vontade de se renovar a cada lançamento, durará muitos mais.

Beyond the Red Mirror - BLIND GUARDIAN
(Nuclear Blast, 2015)

1 - The Ninth Wave
2 - Twilight of the Gods
3- Prophecies
4- At the Edge of Time
5- Ashes of Eternity
6- The Holy Grail
7- The Throne
8- Sacred Mind
9 - Miracle Machine
10- Grand Parade

Line-up
Hansi Kürsch - Vocal
André Olbrich - Guitarra
Marcus Siepen - Guitarra
Barend Curbois - Baixo
Frederik Ehmke - Bateria

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Beyond The Red Mirror - Blind Guardian

Blind Guardian: Triste ver a banda favorita seguir ladeira abaixoBlind Guardian: Um disco de power metal sinfônico de respeito

2000 a 2002
10 shows/turnês pouco comentados

Todas as matérias e notícias sobre "Blind Guardian"

Game of Thrones
A inspiração do Blind Guardian e Hammerfall

Metal Alemão
About.com elege as melhores bandas

Power Metal
Conheça dez álbuns essenciais do estilo segundo About.com

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Blind Guardian"

Grohl
Ele quase saiu do Nirvana depois de críticas de Cobain

Desastres
Mortos e feridos em apresentações que marcaram a história

Metal Open Air
O maior fiasco da história do Heavy Metal no Brasil!

Corey Taylor: Não podíamos trabalhar junto com JordisonLynyrd Skynyrd x Neil Young - Amigos ou inimigos?Guns N' Roses: surgem as primeiras especulações sobre reuniãoIron Maiden: Steve Harris odiava os PunksGibson: nomes de cinco bandas antes da famaSepultura: disponibilizado mais um vídeo raro da banda

Sobre Junior Pontes

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online