Alan Parsons Project: Um álbum de audição agradabilíssima

Resenha - Turn Of A Friendly Card - Alan Parsons Project

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Neimar Secco
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Prog rock, art rock, symphonic rock. Vários rótulos poderiam ser usados para descrever a obra de Alan Parsons, especialmente em The Turn Of A Friendly Card.
Roger Waters: mais uma prévia do novo álbum de estúdioEuronymous: o paradoxo do caos e da liberdade

Esse álbum conceitual lançado em 1980, numa época em que o progressivo apenas respirava, já quase na fase de ajuda de aparelhos, é surpreendentemente bem-sucedido. (Sim, algumas bandas tradicionais do seguimento progressivo teriam alguns êxitos comerciais no início dos anos 80, mas com canções bem pop, tais como Mama – Genesis e Owner Of A Lonely Heart – Yes). Quatro faixas foram hits em maior ou menor escala. No Brasil, em uma época em que, pelo menos aqui em São Paulo, ainda não tínhamos emissoras FM tão segmentadas como atualmente, até mesmo emissoras pop, como a antiga Rádio Cidade FM, executaram bastante algumas faixas desse álbum. Aqui em São Paulo foram quatro hits: “Snake Eyes”, “Nothing Left To Lose”, “Time” e “Games People Play”. Nada mal para um artista e um estilo que não têm exatamente o foco voltado para a música "de consumo".

O tema central do álbum é o jogo e como ele controla a mente do jogador. As primeiras duas faixas do álbum, “Maybe A Price To Pay” (vocal de Elmer Gantry) e “Games People Play” (vocal de Lenny Zakatek) dão uma boa ideia do quanto um jogador pode se tornar obcecado e preso ao objetivo de sair vitorioso.

A melódica “Time” ameniza esse clima e nos leva a um estado de reflexão sobre a própria atuação do tempo como um rio que flui e nos conduz eternamente, nos unindo e separando das pessoas. Ao compor essa música magistralmente cantada pelo falecido vocalista Eric Woolfson, provavelmente Parsons se inspirou em seu trabalho como engenheiro de som em The Dark Side Of The Moon, do Pink Floyd, já que o instrumental e a melodia remetem a “Us And Them” e o tema, à faixa homônima desta (Time) do mesmo álbum do Floyd.

“I Don’t Wanna Go Home” vocal: Lenny Zakatek) é a faixa que melhor descreve o a compulsão pelo jogo, tanto pela interpretação como pela letra em si, que fala em impossibilidade de ganhar e ao mesmo tempo de conseguir sair da mesa de jogo.

O lado B abre com a bela instrumental “The Gold Bug”, que é seguida pela suíte “The Turn Of A Friendly Card”, contendo cinco subdivisões:
"The Turn of a Friendly Card (Part One)" (Lead vocal: Chris Rainbow) – 2:44
"Snake Eyes" (Lead vocal: Chris Rainbow) – 3:14
"The Ace of Swords" (Instrumental) – 2:57
"Nothing Left to Lose" (Lead vocal: Woolfson) – 4:07
"The Turn of a Friendly Card (Part Two)" (Lead vocal: Rainbow) – 3:22

Como um álbum de progressivo e idealizado, composto e em parte executado por um produtor/engenheiro de som, este álbum é impecável tanto na gravação quanto na execução. Para quem, ao mesmo tempo, gosta do estilo e não faz grandes restrições a uma levada mais “pop” em canções do gênero, mescladas a um som sinfônico, The Turn Of A Friendly Card é um álbum de audição agradabilíssima.

Para quem está aguardando a possibilidade de ver o show do Alan Parsons Project em março fica a expectativa de que ele mantenha o setlist anunciado no site setlist fm, referente aos shows do ano passado, em que ele tocou a suíte inteira do álbum, além de “Time”.

Créditos
Alan Parsons: Composer, Keyboards, Vocals, Vocals (Background), Producer, Engineer
Andrew Powell: Arranger, Conductor
Chris Blair: Mastering
Chris Rainbow: Vocals, Vocals (Background)
David Paton: Bass, Guitar, Vocals
Elmer Gantry: Vocals
Eric Woolfson: Composer, Keyboards, Vocals, Executive Producer
Ian Bairnson: Guitar (Acoustic), Guitar, Guitar (Electric)
Kevin Godley: Design
Lenny Zakatek: Vocals, Vocals (Background)
Lol Crème: Design
Münchener KammerorchesterOrchestra, Group
Parsons: Composer
Sandor Farcas: Leader
Stuart Elliott: Percussion, Drums
The Alan Parsons Project: Performer

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Extras:

Colocação atingida nas paradas: *
Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/The_Turn_of_a_Friendly_Card
Year Chart Position
1980 The Billboard 200 (13)
1980 UK Albums Chart (38)
1980 Noruega (11)
1981 Canadá (16)

Fonte*
Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/The_Turn_of_a_Friendly_Card

Singles:**
"Games People Play" "Time" "Snake Eyes"
Fonte:**
http://en.wikipedia.org/wiki/The_turn_of_a_friendly_card...

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Pink Floyd
Em vídeo, Nick Mason bate McLaren avaliada em mais de 60 milhões

Roger Waters: mais uma prévia do novo álbum de estúdioPink Floyd: single com versão inédita de "Interstellar Overdrive"Floyd, Beatles, Dylan: não gostariam de começar a carreira hojeTodas as matérias e notícias sobre "Pink Floyd"

Em 05/01/1974
Pink Floyd tenta fazer um álbum sem instrumentos

Hard Rock
As 100 maiores bandas do estilo segundo a VH1

Pink Floyd
Waters e Mason topam se reunir em Glastonbury mas...

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Alan Parsons"Todas as matérias sobre "Pink Floyd"

Euronymous
O paradoxo do caos e da liberdade

Quase sósias
A semelhança entre Ronnie James Dio e Roberto Carlos

Esquisitices
Algumas exigências bizarras de astros para shows

Amazonas: homem convencia garotas a fazer sexo para montar grupo de rockG.G. Allin: o extremo dos extremosFreddie Mercury: um espírito livre, criativo, generoso, cheio de energia e talentoKiss: Ace Frehley mostra como quebrar um quarto de hotelMetal Burguês: heavy metal é a cara da riqueza, afirma pesquisaR.E.M.: banda é dona da faixa que mais faz o homem chorar

Sobre Neimar Secco

Welcome to my nightmare. Sou professor de inglês e de português e também tradutor eventual. Rock sempre foi e continua sendo a minha trilha sonora de todas as horas. Minhas preferências são hard rock, progressivo e classic rock em geral (anos 60, 70 e 80). Bandas favoritas: Alice Cooper, Led Zeppelin, Black Sabbath, Ozzy Osbourne, Pink Floyd, Beatles, Creedence, The Doors, Dire Straits, entre muitas outras.

Mais matérias de Neimar Secco no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online