WHIPLASH.NET - Rock e Heavy MetalWHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal

FacebookTwitterGoogle+RSSYouTubeInstagramApp IOSApp Android
MenuBuscaReload

Deliverance: Escute o que eles tem a dizer!

Resenha - Hear What I Say! - Deliverance

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Márllon Matos
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Desde o lançamento de As Above, So Below em 2007, o Deliverance acabou, retornou, planejou um álbum com a formação do primeiro álbum, acabou novamente e, enfim ressurgiu com este Hear What I Say ! que promete ser o derradeiro álbum da banda formada em 1985.
Rogério Mendonça - dono de uma invejável coleção do U2Metallica: Lady Gaga pode virar "integrante permanente", diz Lars

Ano passado foi anunciado que Jimmy Brown II (vocal/guitarra) estava se reunindo com Mike Phillips (guitarra – JOIN THE DEAD,THE SACRIFICED, Ex- FASEDOWN), Manny Morales (baixo) e Jayson Sherlock (bateria – MORTIFICATION, PARAMAENCIUM, HORDE, entre outros) para a gravação deste álbum e mais ou menos do meio do ano, o programa de web rádio Metal Pulse, tocou uma versão demo não finalizada de “The Annals Of Subterfuge” (nome cogitado para ser título do álbum anteriormente) e com isso, despertou o interesse de todos os admiradores do grupo, pois o som remota fácilmente aos álbuns clássicos. Mas, infelizmente o álbum não supriu as expectativas de todos.

Lançado no dia 10 de dezembro deste ano, Hear What I Say! está muito mais para uma espécie de “Best of” da carreira do Deliverance do que um retorno às raízes. Há elementos de Speed, Thrash, Prog e Heavy Metal além de Industrial e até mesmo uma balada acústica, ou seja, tudo que o Big D já fez em seus 28 anos de estrada. É de todo ruim? Não, mas certamente a expectativa era muito maior do que foi apresentado aqui.

O álbum começa, logo depois da intro Liber 111, com a já citada “The Annals Of Subterfuge”, que é de longe a melhor faixa do álbum. Riffs e peso em profusão, solos melódicos e bem elaborados (nada de barulinhos desconexos) e uma atuação marcante de Jayson Sherlock, certamente fica entre as melhores gravações deste excelente batera !

Angst lembra também um pouco da fase clássica e poderia estar facilmente no primeiro álbum. Hopes Lie Beyond carrega elementos dos álbuns Learn, Camelot... e um pouco de As Above So Below. Boa, mas nada demais.

Detox, tem uma levada um pouco “Hard Rock” e bastante influencias de industrial, mas sem a presença de elementos eletrônicos. Ainda bem, pois a faixa é fantástica com uma estrutura musical e refrão cativantes e fáceis de serem cantados, e essas adições certamente a estragaria. Vale também conferir Entgiftung, no final do álbum, que é uma versão da música, porém com letras em alemão.

Nude e Passing possuem bons momentos, mas abusam um pouco das influencias modernosas e acabam por passarem meio batidas na audição.

A Perfect Sky PE uma balada acústica muito bem elaborada e que conta somente com a presença de violões. Muito bonita e serve como um acalmar da alma para o ataque final com a maravilhosa versa de Where Eagles Dare, de um certo IRON MAIDEN. Claro que não supera a original, mas serve pra mostrar as boas influências que os ingleses deixaram na banda americana. Ah, aqueles que conhecem a música Desperate Cries do Deliverence talvez notem algumas influencias da faixa do IRON MAIDEN na faixa citada.

O álbum é bom, mas fica aquela sensação de que poderia ser bem melhor, mas de todo modo é uma bela e honrosa “carta de despedida”. Jimmy Brown está cantando como nunca e ainda mostra que sabe fazer ótimos riffs. Mike Phillips é o guitarrista que toda banda queria ter. Sola como ninguém e segura muito bem as bases. Manny Morales faz um trabalho correto e eficiente no baixo, que, se não chama muito a atenção, pelo menos também não joga tudo a perder. Pena que o Jason Sherlock não foi melhor utilizado. Ele é um baterista excepcional, mas somente em The Annals Of Subterfuge que temos a demonstração de sua criatividade musical, nas outras músicas os arranjos são bons, mas simplórios em nível do que ele pode fazer.

No mais, obrigado Deliverance por tantos anos de bom serviço prestado em prol do Metal!

Roxx Records/ 3 Frogz Records
Line – up :
Jimmy Brown II - Vocal/Guitarra
Mike Phillips – Guitarra
Manny Morales – Baixo
Jayson Sherlock – Bateria

Track list :
1. Liber 111 (Intro)
2. The Annals of Subterfuge
3. Angst
4. Hope Lies Beyond
5. Detox
6. Nude
7. Passing
8. A Perfect Sky
9. Where Eagles Dare (Iron Maiden Cover)
10. Entgiftung (German Version of Detox)

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube
Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Deliverance"

Collectors Room
Conheça uma das maiores coleções sobre o U2 no Brasil

Metallica
Lady Gaga pode virar "integrante permanente", diz Lars

Nirvana
Perguntas e respostas e curiosidades

Guns N' Roses: atrasos são planejados com antecedênciaZakk Wylde: detonando a reunião dos Alcoólicos AnonimosDave Lombardo: "não gosto que falem merda sobre Lars"Metallica: a paixão de Kirk Hammet pelo "Master of Puppets"Angra: Revelado o mistério por trás de Z.I.T.O?Guns N' Roses: "Welcome To The Jungle" em divulgação de séries de heróis

Sobre Márllon Matos

Nascido em 1990, despertou para o rock em 2002 e desde lá vem sendo o terror dos vizinhos, seja tocando bateria ou ouvindo Metal no mais alto volume. Cristão convicto, curte de Palavrantiga a Crimson Moonlight, e o seu sonho é conseguir ir para a Austrália ver algum show do Mortification.

Mais matérias de Márllon Matos no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online