WHIPLASH.NET - Rock e Heavy MetalWHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal

FacebookTwitterGoogle+RSSYouTubeInstagramApp IOSApp Android
MenuBuscaReload

Devildriver: Último álbum ensina a fazer música

Resenha - Winter Kills - Devildriver

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Fernando Monteiro, Fonte: Moshpit
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Em agosto de 2013 o DEVILDRIVER lançou o álbum Winter Kills. Um ano e meio depois do seu quinto lançamento: “Beast”, onde a banda se despediu do baixista JON MILLER que, mais uma vez, abandonou turnês por causa de seu problema com drogas e decidiu não arrastar a banda junto com ele: uma atitude louvável. Em seguida, a banda oficializou a entrada do baixista CHRIS TOWNING que já era backup da banda; Winter Kills é sua primeira gravação com a banda.
Cópia Infiel: Ato 1, Raul Seixas e o Dolo de OuroExodus: Gary Holt diz quem são seus ídolos no Metal

Do modo mais irônico possível, fazia um frio absurdo no RS na semana de lançamento do sexto álbum da banda. Tudo começa com “Oath Of The Abyss”, faixa que provavelmente deu a idéia principal da capa criada pelo artista gráfico RYAN CLARK (que também é vocalista da banda DEMON HUNTER) que incita um ritual sombrio a beira de um lago. Uma música à altura de início de álbum, capaz, tranquila e não tão assustadora quanto as que restam, e que surpreende bastante com suas trocas de ritmo e finalização. Não é a melhor faixa do álbum, mas um bom começo. “Ruthless” segue o mesmo clima que “Oath Of The Abyss”, nos apresenta, porém com uma letra mais incrementada (com 3 refrões e pré-refrões) e com muito mais trocas de ritmo (o que nem sempre é bom).

Então temos “Desperate Times” para retomar o que foi prototipado na primeira faixa: o peso. O que destaca ela até agora é que suas trocas de tempo inovam: vemos, no mínimo, 5 retomadas da bateria com ritmos diferentes e uma guitarra que acompanha tudo sem se perder, fazendo todas as retomadas da música voltarem mais pesadas e envolventes que as anteriores. Agora sim! A faixa que dá nome ao álbum “Winter Kills” monta um clima crescente em relação ao peso até o início dos vocais, onde uma tsunami de frases surge, rapidamente dando lugar ao refrão, provavelmente a faixa mais rápida do CD.

“The appetite” é (até agora) a única faixa que rendeu um clipe, consigo entender o porquê da escolha: ela possui a letra mais positiva (a letra, claro), a repetição é bem marcante e o final da primeira parte do refrão é especialmente grudenta.

Com “Gutted” vemos a continuidade entre as faixas realmente funcionando, até agora só tivemos altas e esse é o grande triunfo de Winter Kills: não vemos as faixas perderem qualidade, elas apenas ganham peso conforme o álbum avança, a ordem das faixas foi escolhida com maestria. “Curses and Epitaph’s” mostra o mesmo avanço, tanto em composição quanto em melodia. Realmente acredito que essa música tem o melhor solo de guitarra de todas as faixas: envolvente, pesado e com uma troca com o resto da melodia tão suave que só se nota que ele começou quando começa a bater cabeça mais rápido.

“Caring’s Overkill” possui um refrão curto e repetitivo, ele continua repetindo na cabeça duas músicas depois. Isso é bom? Não sei, mas não diminui o peso da banda.

“Hunting Refrain” começa a construir a sensação de fim do álbum, foco imenso na explosão vocal e um solo fantástico de guitarra; após o solo a música diminui a agressividade até o silêncio total, primeiro término de música com fade que ouvimos até agora. O silêncio dá lugar à última música de Winter Kills: “Tripping Over Tombstones”, com um refrão grudento de ótima repetição (ou ainda é um eco de “Caring’s Overkill”?). Peso adequado ao final de álbum quase saindo de Ósmio e chegando em Irídio.

Rá! A chave de ouro está no cover que finaliza o álbum de verdadinha: “Sail”, cover da banda AWOLNATION. Ela é, verdadeiramente, uma aula de como se converte algo bem mais ou menos pro patamar mais elevado do Death Metal Melódico. Uma edição especial ainda contém duas faixas bônus: “Shudder” e "Back Down to the Grave".

Winter Kills é o melhor álbum do DEVILDRIVER, o mais bem composto e com maior peso até o momento. As guitarras estão brutais e a bateria não te deixa respirar por um segundo; ouvir no repeat é uma obrigação.

Tracklist
01."Oath of the Abyss" - 5:36
02."Ruthless" - 4:09
03."Desperate Times" - 4:08
04."Winter Kills" - 4:54
05."The Appetite" - 4:46
06."Gutted" - 3:28
07."Curses and Epitaphs" - 5:04
08."Carings Overkill" - 4:33
09."Haunting Refrain" - 4:59
10."Tripping Over Tombstones" - 3:38
11."Sail" - 4:04

Bonus tracks
12."Shudder" - 4:03
13."Back Down to the Grave" - 4:44

Resenha original de
http://www.moshpit.in

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Winter Kills - Devildriver

DevilDriver: Uma porrada sonora com picos de agressividade

Todas as matérias e notícias sobre "Devildriver"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Devildriver"

Raul Seixas
Os plágios da carreira do artista

Exodus
Gary Holt diz quem são seus ídolos no Metal

Slayer
Kerry King fala sobre sua relação com religiões

Tradução - Brave New World - Iron MaidenGuns N' Roses: Algumas curiosidades sobre o vocalista Axl RoseCradle Of Filth: Dani Filth comenta relação com o OcultismoGuns N' Roses: o mais marcante riff de introdução

Sobre Fernando Monteiro

Fernando Monteiro coordena o site Moshpit com resenhas de lançamentos de metal e rock.

Mais matérias de Fernando Monteiro no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online