Black Sabbath: o bom e talvez último registro dos dinossauros

Resenha - 13 - Black Sabbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Écio Souza Diniz
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Quando o BLACK SABBATH anunciou lá pelos finais de 2011 o retorno da formação original e a gravação de um novo álbum, um sorriso se estampou no rosto de muitos headbangers e promotores de eventos ao redor do mundo.

Black Sabbath: em vídeo, Ozzy Osbourne vs. Ronnie James DioRock Nacional: Os 15 melhores riffs de guitarra

Imagem
Como nem tudo são flores, poucos meses após este anúncio, Tony Iommi foi diagnosticado com linfoma (um tipo de câncer no sangue), o qual ele lutou e tem encarado com garra.

Ao se pensar que tudo estava resolvido com a melhora do guitarrista, Bill Ward confirmou sua não participação no retorno e com isso ainda mais se especulou sobre como seria o novo disco. Quem assumiria as baquetas? O retorno ocorreria assim mesmo? Pôs bem, Iommi, Ozzy e Geezer Butler recrutaram o baterista do RAGE AGAINST THE MACHINE, Brad Wilk (embora teria sido mais lógico alguém do porte de um Vinny Appice da vida), e em junho deste ano, "13" (o título também poderia ter sido mais criativo) foi lançado.

Para produzir o disco, o produtor Rick Rubin entrou em cena, chegando para os três remanescentes, tacando o primeiro disco da banda na mesa e falando a eles que se inspirassem nele para conceber um disco nos respectivos moldes, cuja pegada seria puramente anos 70.

Bom, de forma geral, "13" é um ótimo disco, mas Rubin já cometeu um grande erro abordando as coisas desta forma e vocês logo entenderão por quê.

O começo com "End of the beginning" retrata o clima da clássica música "Black sabbath". Não ficou ruim, mas ficou meio descarado. Neste aspecto de levada mais arrastada, "God is dead?" se saiu melhor, tendo como destaque as belas linhas do baixo de Butler, um toque de classe.

"Loner" dá um ar bem forte de "N.I.B", mas ainda prende a atenção. A fase de “Paranoid” (1970) é clara em "Zeitgeist", que seria uma "Planet caravan" revisitada. Em Age of reason e Life forever o clima começa arrastado e depois socam o pé no acelerador, com riffs martelados.

"Damaged soul" é a melhor em minha opinião, pois realmente conseguiram recriar anos 70 sem autocopia, evidenciando a pegada blues distorcida e suja, que moldou a banda no fim dos anos 60 ainda como EARTH. Nesta música o charme fica por conta das excelentes bases e solos de Iommi e a gaita de Ozzy.

Para fechar a edição simples do álbum, "Dear father" apresenta elementos que remetem a “Sabotage” (1975), com o vocal atuando em perfeita melodia e sincronia com os riffs da guitarra, encerrando com efeitos de trovões e chuva no típico estilo sombrio do Sabbath.

Mas e Brad Wilk? Ele conseguiu copiar relativamente bem a técnica de Bill Ward, dando conta do recado e posso dizer que fez um considerável trabalho.

Um bom e provavelmente último registro de estúdio destes dinossauros do Heavy metal.

Nota: 8,5

Fonte:
http://www.polvorazine.com/2013/07/black-sabbath-13-cd-2013....

Faixas:
1-End of the biginning
2-God is dead?
3-Loner
4-Zeitgeist
5-Age of reason
6-Life forever
7-Damaged soul
8-Dear father

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de 13 - Black Sabbath

Black Sabbath: Se for o final, eles fecharam com chave de ouroBlack Sabbath: "13" é um disco muito bom e consistenteBlack Sabbath: "estes dias estão próximos do fim!"Black Sabbath: o melhor álbum diretamente relacionado à bandaBlack Sabbath: depois de 20 anos, uma segunda primeira vezBlack Sabbath: "13" é pra se ouvir alto no somBlack Sabbath: provando que ainda são muito relevantesBlack Sabbath: um presente para os fãs que esperaram 34 anosBlack Sabbath: Um disco para se escutar em alto volumeBlack Sabbath: não foi apenas um xarope antirreumático...Black Sabbath: o ciclo de Ozzy na banda foi fechado em 1979Black Sabbath: Um grande e inspirado trabalhoBlack Sabbath: fiel às suas origens e ainda assim soando atualBlack Sabbath: firme, consistente e com a pegada da era OzzyBlack Sabbath: Metal Hammer inglesa resenha 13 e se impressionaBlack Sabbath: primeira resenha completa do álbum "13"Black Sabbath: primeira resenha do novo álbum, 13

Rock e Metal
Doze ótimos álbuns para iniciantes

Black Sabbath: em vídeo, Ozzy Osbourne vs. Ronnie James DioMosh #15: Fanzine se despede do Black Sabbath e eterniza BathoryBlend Guitar: em vídeo, as dez maiores bandas de Heavy MetalShows: veja quanto Sabbath, A7X, Red Hot e Disturbed faturaramTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

Metal Hammer
As dez piores capas de 2012 eleitas pela revista

Black Sabbath
Entre piores letras em votação de rádio britânica

Black Sabbath
Tony Iommi explica a diferença entre Dio e Ozzy Osbourne

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Black Sabbath"

Rock Nacional
Os 15 melhores riffs de guitarra

Angela Gossow
"Não existe deus! Simplesmente lide com isso!"

Metallica
Jason explica o baixo apagado de And Justice For All

Bruce Dickinson: ver as Iron Maidens foi uma experiência estranhaClassic Rock: revista elege 100 melhores músicas de rockExodus: "estávamos lá antes de todos, exceto do Metallica"Iron Maiden: os quatro segredos da cerveja da bandaKiss: a verdade sobre o baterista em Psycho CircusMetallica: Hetfield e sua experiência na música clássica

Sobre Écio Souza Diniz

Graduado em Ciências Biológicas e pesquisador na área de Ecologia e Evolução vegetal, sempre foi aficionado por leituras sobre o mundo do Rock/Metal. Além do metal, tem como paixões filmes de terror e épicos. Já participou como vocalista de várias bandas de Death/Grind, mas como nenhuma vingou se encontrou melhor em redigir matérias, fundando há alguns anos atrás o Pólvora Zine. Colabora também com vários sites especializados e com a revista Roadie Crew. Suas bandas preferidas são Iron Maiden, Black Sabbath, Dio, Dorsal Atlântica, Candlemass e Sarcófago.

Mais matérias de Écio Souza Diniz no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online