WHIPLASH.NET - Rock e Heavy MetalWHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal

FacebookTwitterGoogle+RSSYouTubeInstagramApp IOSApp Android
MenuBuscaReload

Bon Jovi: Novo disco não coroa 30 anos de carreira

Resenha - What About Now - Bon Jovi

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Daniel da Costa Junior, Fonte: PipocaTV
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 5

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Bon Jovi: a banda que completa 30 anos em 2013 resolveu presentear os fãs como uma espécie de The Best da sua carreira; What About Now parece uma coletânea do "jeito bon jovi de fazer música".
Bon Jovi: iniciando turnê que vai passar pelo BrasilHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1990

Faz um tempo que o Bon Jovi deixou de se preocupar em ser uma banda de hard rock com aquela pegada americana que somente os estadunidenses sabem fazer. A opção de Jon Bon Jovi e trupe tem muita relação com o fato de conseguirem uma legião mundial de fãs e terem sedimentado o caminho entre o hard e o pop rock.

Com 30 anos de carreira não liga para críticas, vendas de discos ou contratos milionários com gravadoras. Os hits estão nos primeiros anos de carreira “e quem quiser que mate saudades comprando os cds ou indo aos shows”. Mais ou menos assim. Por isso “What About Now” (2013) é aquilo que a banda sempre fez: melodias boas e refrões pegajosos. O maior dos clichês para quem escreve sobre música.

Um outro pecado de WAN é a semelhança entre as faixas. Irei comentar as faixas que mais se distanciam do formato escolhido pela banda para formar o repertório do seu novo disco. Das doze faixas, seis ou sete tem DNAs muito próximos. Uma decepção. A gente sempre espera mais, mesmo sabendo que não virá nada muito diferente.

A faixa que abre o disco é descaradamente composta para ser hino nas turnês. “Because We Can” (faixa 1) tem unicamente o objetivo de manter a banda com o rótulo de ‘artista de arena’ que leva multidões a cantarem suas canções, acenderem seus isqueiros (ops, agora são apenas os celulares) e ficarem bonito nas gravações ao vivo. Aliás, a banda sempre faz um ótimo trabalho ao vivo, sempre soando mais pesada.

Fora isso esqueça solos gigantescos de guitarra, músicas cantadas por Richie Sambora, grandes sustos criativos. A banda achou este caminho e depois de três décadas parece não querer se desviar dele. Jogo ganho, porque mudar agora? Uma vez ou outra dá sinais de criatividade renovada como em “Amen” (faixa 5), quase uma faixa gospel para os padrões da banda de New Jersey, com arranjos de cordas simples e casados com a voz do vocalista.

O grande paradoxo de falar de um lançamento do Bon Jovi é que você não pode classificar as músicas como canções ruins – caso de “Army of One” (faixa 8) – porém a previsibilidade de cada “esticada” de Jon sempre deixa quem está escutando com o pé atrás. Especialmente porque podemos presumir que parece que existe pouca personalidade dos outros integrantes no disco. Tá mais para Jon Bon Jovi e banda. Enfim…

Porém uma coisa eles não se esquecem: fazer grandes baladas. Talvez a maior especialidade do Bon Jovi. A tríade de “Thick as Thieves” (faixa 9) é uma belíssima faixa e traz mais uma vez ótimos arranjos de cordas e bons vocais nos estribilhos.

“Beautiful World” (faixa 10) deixa a gente com a seguinte impressão: será que uma banda como o Bon Jovi com músicos reconhecidamente competentes só é capaz de escrever canções consonantes e não sair NENHUMA vez das opções fáceis das convenções harmônicas de música em tom maior? Será que a gente nunca ouvirá uma mudança de modo, uma alteração de andamento, uma música à capela, um samba do criolo doido?

Ao que tudo indica – eu mesmo respondo – não. Apenas ouviremos o que Jon Bon Jovi deseja compor com a autoridade de ser reconhecido mundialmente mas o débito de não sair de dentro da casinha do conforto.

1 – Because We Can
2 – I’m With You
3 – What About Now
4 – Pictures of You
5 – Amen
6 – Thats What The Water Made Me
7 – What’s Left of Me
8 – Army of One
9 – Thick as Thieves
10 – Beautiful World
11 – Room At The End of The World
12 – The Fighter

twitter: @pipoca_tv
twitter: @dcostajunior

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de What About Now - Bon Jovi

Bon Jovi: um disco feito exclusivamente para o público americanoBon Jovi: 30 anos de sucesso e lançamento de ótimo discoBon Jovi: Em estúdio mostra-se apenas mais uma bandaBon Jovi: Uma banda de Pop-Rock com passado pesadoBon Jovi: fãs antigos certamente ficarão desapontadosBon Jovi: investindo no óbvio, no padrão, no genéricoBon Jovi: inofensivo e, acima de tudo, com qualidade rasteira

Bon Jovi
Iniciando turnê que vai passar pelo Brasil

Rio Rock City: Bon Jovi não faz mais música boa?Bon Jovi: Jon fala ao Fantástico, sobre show no Rock in RioBon Jovi: banda lança vídeo de "God Bless This Mess"Todas as matérias e notícias sobre "Bon Jovi"

Preços
Quanto custa para contratar a sua banda favorita

Roger Waters
Bon Jovi nem deu ouvidos para ele, que ficou puto

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 21 de março de 2013

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Bon Jovi"

Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1990

Guitarras e Baixos
Perguntas e respostas sobre os instrumentos

Sepultura
Demo rara com Andreas Kisser no vocal

Sarcófago: pioneirismo, polêmica e death metalGuitar World: os 100 piores solos de guitarra da históriaPaul McCartney: feliz por ter feito pazes com John Lennon

Sobre Daniel da Costa Junior

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online